A ESTIGMATIZAÇÃO DE COTISTAS COMO EFEITO NÃO PRETENDIDO DA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA PÚBLICA DE COTAS

Thaíssa Bispo SOUZA, Eduardo Henrique Narciso BORGES

Resumo


Este artigo apresenta uma reflexão sobre os efeitos não antecipados de políticas públicas através da análise da implementação do sistema de cotas no acesso ao ensino superior brasileiro. As cotas objetivaram promover maior democratização das universidades públicas através da flexibilização dos mecanismos de seleção. Um dos efeitos não pretendidos da política foi a estigmatização dos estudantes cotistas, consistindo na inferiorização e discriminação dos beneficiários da política dentro e fora das universidades. Consequentemente, houve recusa do uso da categoria por estudantes e propagação de estereótipos, que em última instância foram utilizados como argumentos para questionar a legitimidade e existência da política.


Palavras-chave


políticas públicas, ensino superior brasileiro, cotas, estigma

Texto completo:

PDF

Referências


BERMAN, P. The Study of Macro and Micro Implementation of Social Policy. Santa Monica: The Rand Paper Series, 1978.

COHEN, L. B.; EXNER, N. K.; E GANDOLFI, P. E. Os Resultados da Implementação da Política de Cotas em um Campus Universitário Federal no Interior do Estado de Minas Gerais. Revista Interdisciplinar de Gestão Social (RIGS), MG, v. 7, n. 1, p. 39-62, jan./abr. 2018.

DAMASCENO, A. N. S. O estigma na visão de Erving Goffman e o princípio da igualdade. Boletim Jurídico, Uberaba, MG, a. 5, n. 1120, 2013.

DURHAM, Eunice. O Ensino Superior no Brasil: Público e Privado. In: Seminário sobre Educação no Brasil. Documento de Trabalho 3/03. São Paulo: USP/NUPES - Núcleo de Pesquisas sobre Ensino Superior, 2003, p. 1-42.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes (Trad.). 4 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1988, 158 p.

GOMES, J. B. B. A recepção do instituto da ação afirmativa pelo Direito Constitucional brasileiro. Revista de Informação Legislativa, Brasília, a. 38, n. 151, p. 129-152, jul./set. 2001.

Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa – GEMAA. Ações Afirmativas. 2011. Disponível em: http://gemaa.iesp.uerj.br/index.php?option=com_k2&view=item&layout=item&id=1&Itemid=217.

_____. Levantamento das Políticas de Ação Afirmativa de 2017: Políticas de ação afirmativa nas universidades estaduais. [online]. MACHADO M.; EURÍSTENES, P.; e JÚNIOR, J. (orgs.), 2017. Disponível em: http://gemaa.iesp.uerj.br/wp-content/uploads/2018/10/Lev-Estaduais-2017.pdf.

_____. Levantamento das Políticas de Ação Afirmativa de 2017: Evolução da Lei nº 12.711 nas universidades federais (2003-2017). MACHADO M.; BESSA, A.; JÚNIOR, J. (orgs.), 2017. Disponível em: http://gemaa.iesp.uerj.br/wp-content/uploads/2019/08/Lev-2017-Fed.pdf.

JUNIOR, J. F.; DAFLON, V. T. A nata e as cotas raciais: genealogia de um argumento público. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 21, n. 2, agosto 2015.

LIMA, L., D’ASCENZI, L. Implementação de Políticas Públicas: Perspectivas Analíticas. Rev. Socio. Pol., Curitiba, PR, v. 21, n. 48, p. 101-110, dez. 2013.

LOTTA, G. O papel das burocracias do nível de rua na implementação das políticas públicas: entre o controle e a discricionariedade. In: FARIA, C. (org.). Implementação de políticas públicas: teoria e prática. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, 2012.

MAZMANIAN, D. A. & SABATIER, P. A. Implementation and Public Policy. Glenview: Scott Foresman, 1983.

MOREIRA, G. de O.; FERRARESI, F. H.; CARAVALHO, E. M.; AMARAL, E. Inclusão social e ações afirmativas no ensino superior no Brasil: para quê?. Revista Ensino Superior Unicamp, Campinas, SP, n. 19, agosto 2017.

NAJBERG, E.; BARBOSA, N. B. Abordagens Sobre o Processo de Implementação de Políticas Públicas. Interface, Natal, RN, v. 3, n. 2, jul./dez. 2006.

NEVES, C. E. B. (2012) “Ensino Superior no Brasil: expansão, diversificação e inclusão” In: Congresso LASA (Associação de Estudos Latino Americanos). Anais do Congresso LASA 2012, São Francisco, Califórnia, maio 2012, p. 1-18.

PEREIRA, W. F. Cotas: Um Fato No Cenário Das Políticas Públicas De Educação Superior. Diversa Prática, v. 1, n. 1, jul./dez. 2012.

PRESSMAN, J. L. & WILDAVSKY, A. Implementation. 3. ed. Berkeley: University of California, 1984.

PINTO, I. C. M.; SILVA, L. M. V.; BAPTISTA, T. V. F. Ciclo de uma política pública de saúde: problema¬tização, construção da agenda, institucionalização, formulação, implementação e avaliação. In: PAIM, J. S.; ALMEIDA-FILHO, N. (Orgs). Saúde coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro: MedBook, 2014, p. 69-81.

SANTOS, C. S. Implementação de Políticas Públicas, um Processo Contínuo de Formulação da Agenda?. In: XVII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (ENANPUR), Anais do XVII ENANPUR, São Paulo, v. 17, n. 1, maio 2017.

SANTOS, A.; CERQUEIRA, E. (2009) Ensino Superior: trajetória histórica e políticas recentes. In: IX Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul, Florianópolis, SC, Anais do Colóquio, 2009, p. 1-17.

SERAFIM, M. O.; DIAS, R.D. Análise De Política: uma revisão da literatura. Cadernos Gestão Social, BA, v. 3, n. 1, p. 121-134, jan./jun. 2012.

SILVA, P. L. B.; MELO, M. A. B. O Processo de Implementação de Políticas Públicas no Brasil: características e determinantes da avaliação de programas e projetos. Caderno NEPP/UNICAMP, Campinas, SP, n. 48, p. 1-16, 2000.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, RS, a. 8, n. 16, p. 20-45, dez. 2006.

SOUZA, J. N. de et all. A Universidade e o Pré-vestibular Popular. In: 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, Belo Horizonte: UFMG, setembro 2004, p. 1-7.

VASCONCELOS, S. D.; SILVA, E. G. Acesso à universidade pública através de cotas: uma reflexão a partir da percepção dos alunos de um pré-vestibular inclusivo. Ensaio: aval. pol. púb. educ. [online], v.13, n. 49, p. 453-467, 2004.

VELLOSO, J. Cotistas e Não-Cotistas: rendimento de alunos da universidade de Brasília. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 137, p. 621-644, maio/ago. 2009.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS: