BNCC: between research advances and necessary articulations

Erick dos Santos Silva, Lúcia Helena Sasseron

Resumo


O trabalho apresenta como a Base Nacional Curricular Comum (BNCC) acena para algumas demandas de pesquisa recentes, discutindo algumas articulações necessárias para a efetivação da difícil tarefa abraçada pela base curricular: apontar um conjunto de aprendizagens essenciais para os estudantes do atual ensino médio. Mais enfaticamente, refletimos sobre as conexões explícitas entre pesquisa, documento e sala de aula, considerando sempre um olhar voltado para as potencialidades e possíveis contribuições do documento. Apesar de considerarmos diversos pontos discutíveis e frágeis na base curricular, destacamos um principal problema associado à efêmera articulação com os atores da sala de aula. Isso acentua, certamente, pontos de tensão neste intricado processo de mudanças onde protagoniza a nova base curricular nacional.
Palavras-chave: BNCC, Ensino de Física, Demandas Educacionais Contemporâneas.

Texto completo:

PDF

Referências


Abd-El-Khalick, F., Boujaoude, S., Duschl, R., Lederman, N. G., Mamlok-Naaman, R., Hofstein, A., Niaz, Mansoorr, Treagust, D. & Tuan, H. (2004). Inquiry in Science Education: International Perspectives. Science Education, 88, pp.397-419.

Aikenhead, G. S. (1995). Collective decision making in the social contexto of science. Science Education, 69 (4), pp.453-475.

Araújo, A. V. R. de, Silva, E. S., Jesuus, V. L. B. de & Oliveira, A. L. de. (2017). Uma associação do método Peer Instruction com circuitos elétricos em contextos de aprendizagem ativa. Revista Brasileira de Ensino de Física, 39 (2), e2401.

Araújo, U. F. & SASTRE, G. (Orgs.). (2016). Aprendizagem Baseada em Problemas no ensino superior. 3.ed. São Paulo: Summus.

Bastos, F. (2009). História da Ciência e pesquisa em ensino de ciências: breves considerações. In: Roberto Nardi. (Org.). Questões atuais no ensino de ciências. 2ed. São Paulo: Escrituras editora, pp.49-58.

Bastos, F. (2009b). Construtivismo e ensino de ciências. In: Roberto Nardi. (Org.). Questões atuais no ensino de ciências. 2ed. São Paulo: Escrituras editora, 2009. p.17-33.

Bergmann, J. (2017). Solving the homework problem by flipping the learning. Virginia: ASCD.

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum. Brasília, DF: MEC. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em: 25 nov. 2019.

Brush, S. G. (1969). The role of History in teaching of physics. Physics Teacher, 7 (5), pp. 271-280.

Caldas, J. & Crispino, L. C. B. (2018). Formação e Vocação: Palestras de Divulgação Científica para a Educação Básica na Amazônia. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 35 (2), pp. 678-688. Carneiro, S. M. M. (1994). Interdisciplinaridade: um novo paradigma do conhecimento? Educar em Revista, 10, pp.99-109.

Carvalho, A. M. P. (2013). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cegage Learning.

Carvalho, A. M. P. & Vannucchi, A. I. (1999). La formación de profesores y los enfoques de ciencia, tecnología y sociedad. Revista Pensamento Educativo, Faculdade de Educación de la Pontifícia Universidad Católica de Chile, 24, pp. 181-199.

Cavalcante, M. A., Piffer, A. & Nakamura, P. (2001). O Uso da Internet na Compreensão de Temas de Física Moderna para o Ensino Médio. Revista Brasileira de Ensino de Física, 23 (1), pp.108-112.

Comín, P. & Font, B. (1999). Consumo Sostenible. Barcelona: Icaria.

Cowan, N. (2014, junho). Working memory underpins cognitive development, learning, and education. Educational Psychology Review, 26 (2), pp. 197-223.

Cuban, L. (2013). Inside the black box of classroom practice: Change without reform in American education. Cambridge, MA: Harvard Education Press.

Cunha, R. B. (2017). Alfabetização científica ou letramento científico?: interesses envolvidos nas interpretações da noção de scientific literacy. Revista Brasileira de Educação, 22 (68), pp. 169-186.

Díaz, J A. A. (1995). Educación tecnológica desde una perscetiva CTS: una breve revisión del tema. Alambique. Didáctica de las Ciencias Experimentales, 3, pp.75-84.

Festas, M. I. F. (2015). A aprendizagem contextualizada: análise dos seus fundamentos e práticas pedagógicas. Educ. Pesqui., São Paulo, 41 (3), pp. 713-728.

Fick, S. J. (2017). What does three-dimensional teaching and learning look like?:Examining the potential for cross cutting concepts to support the development of Science knowledge. Science Education, 102 (1), pp. 5–35.

Fien, J. (1995). Teaching for a Sustainable World: the Enviromental and Development Education Project for Teacher Education. Enviromental Education Research, 1 (1), pp. 21-33.

Frazer, B. J. (2007). Classroom learning environment. In: Abell, S.; Lederman, K. L. (Eds.) Handbook of research in Science education. New Jersey: Erlbaum Associates USA.

Germano, M. G. & Kulesza, W. A. (2007). Popularização da ciência: uma revisão conceitual. Caderno Brasileiro de ensino de Física, 24 (1), pp. 7-25.

Gil-Pérez, D. (1993). Contribuición de la historia y de la filosofía de las ciencias al desarrolo de un modelo de enseñanza/apremdizaje como investigación. Enseñanza de Las Ciencias, 11 (2), pp. 197-212.

Gil-Pérez, D. (1998). El papel de la Educación ante las transformaciones científico-tecnológicas. Revista Iberoamericana de Educación, 18, pp. 69-90.

Glagliardi, R. (1988) ⸮Cómo utilizar lahistoria de lasciencias em laenseñanza de lasciencias? Enseñanza de las Ciencias, 6 (3), pp. 291-296.

Henriques, V. B., Prado, C. P. C. & Vieira, A. P. (2014). Editorial convidado: Aprendizagem ativa. Revista Brasileira de Ensino de Física, 36 (4), pp. 4001.

Hiebert, J. & Morris, A. K. (2012). Teaching, rather than teachers, as a path toward improving classroom instruction. Journal of Teacher Education, 63 (2), pp. 92-102.

Jiménez-Aleixandre, M. P., Bugallo Rodríguez, A. & Duschi, R. A. (2000). “Doingthelesson” or “doing science”: Argument in High School Genetics. Science Education, 84 (6), pp. 757-792.

BNCC: between research advances and necessary articulations

Currículo & Docência | Vol. 02 | Nº. 02 | 2020 |

p. 24

Jin, H., Mikeska, J. N, Hokayem, H. & Mavronikolas, E. (2019). Toward coherence in curriculum, instruction, and assessment: A review of learning progression literature. Science Education, 103 (5), pp. 1-29. Kato, D. S. & Kawasaki, C. S. (2011). As concepções de contextualização do ensino em documentos curriculares oficiais e de professores de ciências. Ciência & Educação, 17 (1), pp. 35-50.

Kenski, V. M. (2013). Tecnologias e tempo docente. Campinas, SP: Papirus.

Ko, M. L. M. & Krist, C. (2019). Opening up curricula to redistribute epistemic agency: A framework for supporting science teaching. Science Education, 103 (4), pp. 979-1010.

Lakatos, I. (1978). History of Science and its rational reconstructions. In: Worral J.; Currie, G. (Eds.) The methodology of scientific research programmes. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 102-138.

Lave, J. (1993). Situating learning in communities of practice. In: Resnick, L.; Levine, J. & Teasley, S. (Ed.). Perspectives on socially shared cognition. 2. ed. Washington, DC: American Psychological Association, pp. 63-82.

Lemke. J. L. (1997). Aprendendo a hablar ciências: Linguagem, aprendizajem y valores. Barcelona: Paidos.

Markham, T., Larmer, J. & Ravitz, J. (2003). Project based learning: a guide to standards-focused Project based learning for middle and hight school teachers. 2ed. California: Buck Institute for Education.

Martins, A. F. P. (2018, dezembro). Sem carroça e sem bois: breves reflexões sobre o processo de elaboração de “uma” BNCC. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 35 (3), pp. 689-701.

Martins, R. A. (1990). Sobre o papel da história da ciência no ensino. Boletim da Sociedade Brasileira de História da Ciência, 9, pp. 3-5.

Massarani, L., Moreira, I. C. & Brito, F. (2002). Ciência e Público: caminhos da divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Ciência, UFRJ, 2002.

Mazur, E. (1997). Peer Instruction: A User's Manual. Prentice Hall, Upper Saddle River, 1.

McComas, W. F. & Olson, J. K. (2002). The nature of science in international science education standards documents. In: The nature of science in science education: rationales and strategies. Springer Netherlands, pp. 41-52.

Moreira, M. A. (2011). Metodologias de Pesquisa em Ensino. São Paulo: Editora livraria da Física.

Mozena, E. R. & Ostermann, F. (2016, agosto). Sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o Ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 33 (2), pp. 327-332.

Oliveira, R. G. (2012). Tecnologias Digitais dede Informação e Comunicação (TDIC) em Educação Escolar: um diagnóstico a partir da formação inicial de professores de matemática. Nucleus, 9 (2), pp. 351-362.

Peduzzi, S. S., Vilches, A. & Gil-Pérez, D. (2014). Una revolución científica a la que Caderno Brasileiro de Ensino de Física quiere contribuir. Editorial – Ciencia: de la Sostenibilidad. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 31 (3), pp. 489-492.

Perrenoud, P. (2000). Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed.

Prensky, M. (2001). Digital Natives, Digital Immigrants Part 1. On the Horizon, 9 (5), pp. 1-6.

Sasseron, L. H. & Carvalho, A. M. P. (2011). Alfabetização científica: Uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, 16 (1), pp. 59-77.

Schuhmacher, V. R. N., Alves Filho, J. P. & Schuhmacher E. (2017). As barreiras da prática docente no uso das tecnologias de informação e comunicação. Ciência e Educação, 23 (3), pp. 563-576.

Selles, S. E. (2018, agosto). A BNCC e a Resolução CNE/CP nº2/2015 para a formação docente: a “carroça na frente dos bois”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 35 (2), pp. 337-344.

Silva, B. V. da C. & Martins, A. F. P. (2019). O conhecimento pedagógico do conteúdo referente ao tema Natureza da Ciência na formação inicial de professores de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 36 (3), pp. 735-768.

Silva, E. S. (2019). ENEM, prática docente e metodologias ativas: uma equação que não fecha. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 36 (1), pp. 55-68.

Strope, D., Moon, J. & Michaels, S. (2019). Introduction to special issue: Epistemic tools in science education. Science Education, 103 (4), pp. 948-951.

Tardif, M. (2014). Saberes docentes e formação profissional. 17.ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

Tenfen, D. N. (2016, abril). Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 33 (1), pp. 1-2.

Thompson, J. J., Hagenah, S., McDonald, S. & Barchenger, C. (2019). Toward a practice‐based theory for how professional learning communities engage in the improvement of tools and practices fors cientific modeling. Science Education, 103 (6), pp. 1423–1455.

Tilbury, D. (1995). Enviromental Education for Sustainability: defining the new focus of enviromental education in the 1990s. Enviromental education Research, 1 (2), pp. 195-212.

Vale, J. M. F. do. (2009). Educação científica e sociedade. In: Roberto Nardi. (Org.). Questões atuais no ensino de ciências. 2ed. São Paulo: Escrituras editora, pp. 9-15.

Wildson, L. P. dos S. (2007). Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, 12 (36), pp. 474-550.

Windschitl, M., Thompson, M. & Braaten, M. (2018). Ambitious Science Teaching. Cambridge: Harvard Education Press.

Windschitl, M. (2002). Inquiry Projects in Science Teacher Education: What Can Investigative Experiences Reveal About Teacher Thinking and Eventual Classroom Practice? Science Education, 87 (1), pp. 112-143.

Wortmann, M. L. C. (1996). É possível articular a epistemologia, a história da ciência e a didática no ensino científico? Epistéme, 1 (1), pp. 59-72.

Yamamoto, Y. & Barbeta, V. B. (2001). Simulações de Experiências como Ferramenta de Demonstração Virtual em Aulas de Teoria de Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, 23 (2), pp. 215-225.

Yore, L. D., Bisanz, G. L. & Hand, B. M. (2003). Examining the literacy componente of science literacy: 25 years of language arts and Science research. International Journal of Science Education, 25 (6), pp. 689-725.

Zanetic, J. (1998). Literatura e cultura científica. In: Almeida, M. J. P. M.; Silva, H. C. (Orgs.) Linguagens, leituras e ensino de ciências. Campinas: Associação de Leitura do Brasil – ALB, p. 14.




ISSN 2675-4630