Quando a semântica entra nos textos

Teresa Cristina Wachowicz

Resumo


Resumo: O objetivo deste artigo é fundamentar semanticamente algumas noções definidoras dos tipos textuais: os traços da perfectivização em textos narrativos, a generalização em textos expositivos e a modalização em trechos injuntivos. Pretendemos sinalizar algum entendimento, especialmente aos olhos de quem ensina os alunos a analisarem e escreverem textos, do que seja o movimento semântico dos gêneros textuais. Para isso, optamos num primeiro momento por resgatar as teorias de gêneros que propõem a categorização das unidades menores – os tipos textuais (Adam 1992, Schneuwly & Dolz 2004). Em seguida, abordaremos essas categorias e apontaremos para suas propriedades semânticas próprias, através da exemplificação e análise de textos – de gêneros variados e de alunos da educação básica.

Palavras-chave: texto, semântica, gênero.

 

Abstract: The aim of this paper is to bring a semantic foundation to textual type notions: the perfectivization features in narratives texts, the generic readings in expositive texts and the modalization in injunctive sequences. We claim to signalize some ways of treating texts in methodological perspectives, mainly in the semantic movement of textual genres. For this, we choose to bring genres theories that made sequences characterization – or textual types (Adam, 1992; Schneuwly & Dolz, 2004). After this, we explore these categories and show their semantic properties in student’s examples.

Keywords: text, semantics, genre.


Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, Jean-Michel. Les textes : types et prototypes. Récit, description, argumentation, explication et dialogue, Paris : Nathan Université, Série Linguistique, 1992, p. 223.

ANUNCIAÇÃO, Vera Lúcia. A produção de textos na deficiência mental. Curitiba, 2004. 228 f. Tese (Doutorado em Lingüística) – Pós-Graduação em Letras, UFPR.

BAKHTIN, Michael. Marxismo e Filosofia da Linguagem. Trad. de Anna Raquel Machado, Péricles Cunha. São Paulo: Hucitec, 2ª. ed., 1981, p. 196.

______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992 [1953].

BENTES, Ana Cristina. Lingüística textual. In: Mussalin, F; Bentes, A.C. (Orgs.) Introdução à lingüística – domínios e fronteiras. Vol 1, 3ª ed., 2003, p.245-285.

BERNARDO, Gustavo. Redação inquieta. São Paulo: Globo, 4ª ed., 1991, p.188.

BRAIT, Beth (Orgs.). Bakhtin, dialogismo e construção de sentido. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1997, p. 385.

BRANDÃO, Helena Nagamine (Coord.). Gêneros do discurso na escola. São Paulo: Cortez, 2ª ed., 2001, p. 269.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais – ensino médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002.

BRONCKART, Jean Michel. Atividade de linguagem, textos e discursos. São Paulo: Educ, 2003[1999], 353.

CASTILHO, Ataliba T. de. Variação Lingüística, norma culta e ensino da língua materna. In: SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Subsídios à proposta curricular de língua portuguesa para o 1º. E 2º. Graus, coletânea de textos. São Paulo, SE/CENP, 1988, v. 3, p. 20-25.

______. O aspecto verbal no português falado. Gramática do Português Falado. Campinas: Ed. da Unicamp, 2002. v. 7, p. 83-121.

FARACO, Carlos Alberto et alii. Uma Introdução a Bakhtin. Curitiba: Hatier, 1980.

FIORIN, José Luiz. (Entrevista). In: Xavier, A.; Cortez, S. (Orgs.). Conversas com lingüistas: virtudes e controvérsias da Lingüística. São Paulo: Parábola, 2003, p. 71-76.

GERALDI, João Wanderley. Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991, p. 252.

ILARI, Rodolfo. Alguns problemas no estudo da anáfora textual. In: Revista Letras. Curitiba: Ed. da UFPR, 2001, p. 195-215.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A coesão textual. São Paulo: Contexto, 2ª. ed., Série Repensando a Língua Portuguesa. 1990ª, p. 75.

______. A coerência textual. São Paulo: Contexto, 2ª. ed., Série Repensando a Língua Portuguesa. 1990b, p. 94.

______. Sobre a seleção do núcleo das formas nominais anafóricas na progressão referencial. In: Negri, L; Foltran, M.J.; Oliveira, R.P. (Orgs.). Senido e significação. São Paulo: Contexto, 2004, p. 244-262.

KRATZER, Angelika. Satge-level and individual-level predicates. In: Carlson, G.; Pelletier, F.J. (Eds.). The generic book. Chicago & London: The University of Chicago Press, 1995, p. 125-175.

LYONS, Jonh. Semântica I. Lisboa: Editorial Presença, Martins Fontes, 1977, p. 299.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Anáfora Indireta: o barco textual e suas âncoras. In: Revista Letras. Curitiba: Ed. da UFPR, 2001, p. 217-258.

______. A questão do suporte dos gêneros textuais. 2003 (mimeo).

______. Os desafios da identificação do gênero textual nas atividades de ensino: propósitos comunicativos versus forma estrutural. Apresentação do III SIGET – Universidade de Santa Maria – RS, 2005 (mimeo).

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: Dionísio, A.P.; Machado, A.R.; Bezzera, M.A.. Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 3a. ed, 2005, p.19-36.

MÜLLER, Ana Lúcia. A expressão da genericidade nas línguas naturais. In: Müller, A.L.; Negrão, E.V.; Foltran, M.J.D. Semântica formal. São Paulo: Contexto, 2003, p. 153-172.

NEVES, Maria Helena Moura. A gramática – história, teoria e análise, ensino. São Paulo: Unesp, 2002.

______. Modalidade. In: Koch, I (Org.). Gramática do Português Falado. v. 6, 2ª. ed., 2002, p.209-239.

______. Texto e gramática. São Paulo: Contexto, 2006.

NOVAIS, Maria do Céu. Aspectos de referência massiva. In: Cadernos de Semântica. Lisboa, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1992.

PÉCORA, Alcir. Problemas de redação. São Paulo: Martins Fontes, 1992, p. 122.

REBOUL, Olivier. Introdução à retórica. Trad. de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 1998, p. 253.

ROJO, Roxane. Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: Meurer, J.L.; Bonini, A.; Motta-Roth, D. (Orgs.) Gêneros – teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005, p. 184-207.

SHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim (et alli.). Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2004, p. 278.

VENDLER, Zeno. Linguistics in Philosophy. New York: Cornell Press, 1967.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i01p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional