Loucura e representação literária em A Rainha dos Cárceres da Grécia, de Osman Lins

Carolina Duarte Damasceno

Resumo


Este artigo se propõe a refletir sobre alguns desdobramentos do tratamento dado à temática da loucura em A Rainha dos Cárceres da Grécia, de Osman Lins. A partir da análise do suposto desequilíbrio mental de Maria de França, será mostrado como a ideia de loucura, bastante relativizada nesse livro de 1976, desencadeia discussões sobre os alcances da representação literária, assinalando uma desconfiança face à pretensão de representar de forma objetiva a realidade convencional.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i13p366-380

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional