Impessoalidade e subjetividade na ficção de Osman Lins

Inara Ribeiro Gomes

Resumo


Resumo:

Considerando a evolução da literatura ficcional de Osman Lins, este artigo problematiza a tensão subjetividade versus impessoalidade que permeia sua obra. Parte de um exame da formação do gênero romance no que diz respeito à representação do indivíduo, a fim de abordar a transição da subjetividade psicológica nas formas realistas para uma nova unidade épica do sujeito, tendência observada no romance do século XX, que se volta para o mito e para as estruturas arquetípicas. Essa mesma transição é observada na ficção de Osman Lins. Na sua obra madura, a consciência mítica impessoal do personagem expressa uma vontade de reintegrar eu e cosmo para além das fragmentações modernas.

Palavras-chave: Impessoalidade, Romance, Osman Lins.

 

Abstract:

Considering the evolution of Osman Lins’ fiction, this article focuses the tension between subjectivity and impersonality throughout his work. Its point of departure is the formation of the novel as a gender specifically in respect to the representation of the individual, aiming to approach the transition from psychological subjectivity in the realistic forms into a new epic unity of the subject, a tendency observed in 20th century novel, centered on myth and archetypical   structures. The same transition can be observed in Osman Lins’ fiction. In his mature work, the impersonal mythical consciousness of the character expresses the will toward the reintegration between self and cosmos beyond modern fragmentation.

Keywords: Impersonality, Novel, Osman Lins.


Texto completo:

PDF

Referências


AUREGAN, P. Le figures du moi et la question du sujet depuis la Renaissance. Paris: Ellipses, 1998.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e estética. A teoria do romance. 3. ed. São Paulo: Editora Unesp, 1993.

BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1982.

FRYE, N. Anatomia da crítica. Trad. Péricles Eugênio da Silva Ramos. 9. ed. São Paulo: Cultrix, 1989.

KUNDERA, M. A arte do romance. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LINS, O. Avalovara. São Paulo: Melhoramentos, 1973.

_______. Guerra sem testemunhas. São Paulo: Ática, 1974.

_______. A rainha dos cárceres da Grécia. São Paulo: Melhoramentos, 1976.

_______. Evangelho na taba. São Paulo: Summus, 1979.

_______. Nove, novena. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MAGRIS, C. O romance é concebível sem o mundo moderno? In: MORETTI, F. (Org.). O romance, 1: A cultura do romance. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

MOISÉS, M. O fiel e a pedra, hoje. In: LINS, O. O fiel e a pedra. São Paulo: Summus, 1979.

NITRINI, S. Poéticas em confronto. São Paulo: Hucitec; Brasília: INL, 1987.

PERRONE-MOISÉS, L. Altas literaturas. São Paulo: Companhia das Letras, 1998

ROSENFELD, A. Em busca do mito perdido. In: ___. Letras e leituras. São Paulo: Perspectiva, 1994a.

_______. Os processos narrativos de Osman Lins. In: ___. Letras e leituras. São Paulo: Perspectiva, 1994b.

TAYLOR, C. As fontes do self: a construção da identidade moderna. Trad. Adail Ubirajara Sobra e Dinah de Abreu Azevedo. 4. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

WATT, I. A ascensão do romance. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

WOOD, J. Como funciona a ficção. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2012.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i13p195-206

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional