Usos da língua tupi entre os Potiguara: qual Política Linguística em jogo?

Hellen Cristina Picanço Simas, Regina Celi Mendes Pereira da Silva

Resumo


Neste artigo, fruto de uma pesquisa maior, de caráter qualitativo e etnográfico, traçamos um delineamento do que entendemos por Política Linguística (PL) e discutimos as implicações dessa política linguística na comunidade potiguara à luz dos estudos de D’Angelis, (2015), Morello (2017), Cruz (2011) e Rodrigues (2008). Os resultados indicam que não houve avanços significativos nos usos da língua tupi, restringindo-se à escola, enquanto língua objeto de ensino aprendizagem; e o registro situado de algumas palavras em tupi na fala de alunos e professores, em cartazes específicos na escola e em alguns lugares públicos da aldeia.


Texto completo:

PDF

Referências


BORETZKY, Norbert e IGLA, Birgit. 1994. Dialetos Mistos Romani. Em Bakker, Peter e Mous, Maarten (eds.), Idiomas mistos: 15 estudos de caso em entrelaçamento de linguagem, 35-68. Amesterdão: IFOTT.

CAMARA JR. Mattoso. Introdução às Línguas Indígenas Brasileiras. Rio de Janeiro: ao livro Técnico, 1979.

CALVET, Louis-Jean. As Políticas Linguísticas. São Paulo: Parábola, IPOL, 2007.

CRUZ, Aline. Fonologia e Gramática do Nheengatú: A língua geral falada pelos povos Baré, Warekena e Baniwa. Tese de Doutorado, Vrije Universiteit Amsterdam, 2011.

D’ANGELIS, Wilmar. Recuperar, ressuscitar, adotar ou inventar? Povos indígenas em busca de (alg)uma língua. X CONGRESO ARGENTINO DE ANTROPOLOGIA SOCIAL, 2011.

____ Línguas Indígenas no Brasil: urgência de ações para que sobrevivam, IX ELESI, 2014.

FREIRE, José Ribamar Bessa. Trajetória de muitas perdas e poucos ganhos. In: Educação Escolar Indígena em Terra Brasilis - tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: Ibase, 2004. p. 11-31.

HAMEL, R. E. La política del lenguaje y el conflicto interétnico. Problemas de investigación sociolingüística. In: ORLANDI, E. (Org.). Política lingüística na América Latina . Campinas: Pontes, 1988.

MAHER, Terezinha. Do Casulo ao Movimento: a supressão das incertezas na educação bilíngüe e intercultural. In: CAVALCANTI, M. & BORTONI-RICARDO, S.M. (Orgs). Transculturalidade, Linguagem e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

MORELLO, Rosângela. Língua Guarani: políticas linguísticas e pluricentrismo In: MARTINS. Marci Fileti. (Org) As línguas tupi faladas dentro e fora da Amazônia. Rio de Janeiro: Museu Nacional do Índio, 2017.

MONSERRAT, Ruth Maria Fonini. Política e Planejamento Linguístico nas sociedades indígenas do Brasil hoje: o espaço e o futuro das línguas indígenas. In: GRUPIONI, Luíz Donisete Benzi (org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.

NAVARRO, Eduardo. Curso de Tupi. Disponível em:

ORLANDI, Eni. Política Linguística na América Latina. Campinas: Pontes, 1988.

RODRIGUES. Aryon Dall’igna. Línguas Brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola, 2002.

SIASI/SESAI, 2014. In: SOCIOAMBIENTAL. Os potiguara. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Potiguara#Nome_e_l.C3.ADngua. Acesso em: 13.09.18.

TAULI, V. Introductin to a Theory of the Ninth Congresso of Linguistics – Cambrige, 1962. Haia: Mouton, 1968.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.