A INFLUÊNCIA DE PROCESSOS FÍSICOS NA ESTRUTURA DAS ASSEMBLEIAS DE ICTIOPLÂNCTON

Suene Costa CORRÊA, José Henrique MUELBERT

Resumo


A estrutura das assembleias de ictioplâncton e sua relação com processos físicos de mesoescala foram estudadas ao longo da Plataforma Continental Sudeste da América do Sul (PCSAS) entre Mar del Plata (Argentina, 38°S) e Itajaí (Brasil, 27°S). Larvas de peixes foram coletadas durante o inverno 2003 e verão 2004 com arrastos verticais entre as isóbatas de 50 e 200m. Dados hidrográficos in situ e imagens de sensores remotos orbitais foram utilizados para descrever os padrões de distribuição, composição e abundância das espécies de larvas de peixes e sua relação com os regimes oceanográficos. Através de técnicas de agrupamento foi possível identificar, em ambos períodos, 3 assembleias bem definidas: assembleia de plataforma, transicional e oceânica. A assembleia de plataforma esteve presente em águas mais frias, de menor salinidade e com altas concentrações de clorofila-a. Já a assembleia oceânica esteve associada a águas mais quentes, com maiores salinidades e baixas concentrações de clorofila-a. A assembleia transicional esteve em condições intermediárias e separou a assembleia de plataforma da oceânica. A assembleia transicional apresentou o dobro de espécies em relação aos outros grupos e sua ocorrência esteve associada a regiões de frentes.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5914/tropocean.v45i2.231729

Apontamentos

  • Não há apontamentos.