VARIABILIDADE TEMPORAL DO ZOOPLÂNCTON NO SISTEMA ESTUARINO DO RIO PARACAUARI (ILHA DO MARAJÓ, PARÁ)

Kelli Garboza da COSTA, Samara Santiago de AZEVEDO, Luci Cajueiro Carneiro PEREIRA, Rauquírio Marinho da COSTA

Resumo


Coletas nictemerais foram realizadas em uma estação fixa no estuário do rio Paracauari (Pará) para determinar a composição e a densidade do mesozooplâncton (abertura de malha da rede de plâncton de 200 µm) e verificar a influência de alguns fatores ambientais sobre a comunidade zooplanctônica, nos períodos chuvoso e seco. Os valores de temperatura da água (28,5-29,4ºC), salinidade (0,42-3,14), oxigênio dissolvido (4,82-7,8 mg.L-1) e pH (7,02-7,29) foram mais elevados no período chuvoso.  As concentrações de clorofila-a variaram entre 1,59-18,08 mg.m-3. Foram identificados 40 táxons, sendo 17 copépodos e 23 pertencentes a outros táxons. A densidade de copépodos oscilou entre 10,32-243,02 ind.m-3, enquanto que para os outros grupos estes valores variaram entre 2,51-1.039,19 ind.m-3. Pseudodiaptomus richardi, náuplius de Cirripedia, Tisbe sp., larvas de Gastropoda, outros Calanoida e Pseudodiaptomus gracilis foram os organismos mais representativos em termos de abundância relativa. Os resultados demonstraram que a composição e densidade do mesozooplâncton foram influenciadas pela variação sazonal dos fatores físicos e químicos da água em decorrência, principalmente, da variação na precipitação pluviométrica. Observou-se também uma maior dominância de indivíduos meroplanctônicos nas amostradas coletadas (como larvas de Cirripedia e Gastropoda), o que pode indicar processos reprodutivos de cracas e gastrópodes no estuário do rio Paracauari.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5914/tropocean.v46i1.237250

Apontamentos

  • Não há apontamentos.