As atividades pesqueiras artesanais e a relação com a Malacofauna no Manguezal do Rio Formoso, Pernambuco, Brasil.

Goretti SÔNIA-DA-SILVA, Rosa de Lima Silva MELLO, Aline Eslebão do NASCIMENTO, Arminda Saconi MESSIAS, Silvana Flavia Silva de ARAÚJO

Resumo


O manguezal do Rio Formoso localizado a 76 Km da cidade de Recife ocupa uma extensão estuarina de 12 Km. Associado a esse manguezal encontra-se uma rica fauna de moluscos, peixes e crustáceos, os quais constituem recursos econômicos de grande relevância para parte da população. Estudos nesse manguezal foram desenvolvidos visando a obtenção de dados sobre as principais espécies de moluscos que ocorrem na área e que são objetos da pesca artesanal, bem como realizar um levantamento sócio-econômico das marisqueiras, pescadoras principais desse ecossistema, que vem sofrendo acelerado processo de degradação, com a finalidade de implantar um projeto de melhoria na qualidade de vida. A pesquisa foi desenvolvida no período de setembro/1998 a agosto/1999, sendo as coletas de moluscos realizadas em 6 perfis ao longo do manguezal. Dados de salinidade e sedimentos foram coletados para fins comparativos com os moluscos. Informações sócio-econômicas foram obtidos através da aplicação de questionários. Os moluscos de importância econômica pescados são todos da classe Bivalvia: Anomalocardia brasiliana (Gmelin,1791), Lucina pectinata (Gmelin, 1791), Tagelus plebeius (Lightfoot, 1786), Crassostrea rhizophorae (Guilding, 1828), Mytella falcata (Orbigny, 1842), Iphigenia brasiliana (Lamarck,1818). A renda familiar é de menos de um salário mínimo para 80% das marisqueiras entrevistadas. Quanto ao tipo de moradia 60% vive em casa de adobe não revestida. Os moluscos mais pescados são Tagelus plebeius (26%) e Mytella falcata (25%). Quando questionadas sobre impactos no manguezal, 50% das entrevistadas alegam como maior problema a grande quantidade de esgotos lançados no rio. Palavras chave: Manguezal, malacofauna, pesca artesanal, Rio Formoso, Pernambuco.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5914/tropocean.v28i2.2828

Apontamentos

  • Não há apontamentos.