Cinética e Equilíbrio de Biossorção de Chumbo por Macroalgas.

S. C.S. CALADO, V. L. da SILVA, J. Z. de O. PASSAVANTE, C. A.M.de ABREU, E. S. LIMA, M. M.B. DUARTE, E. V. G. S. DINIZ

Resumo


Algas coletadas na praia de Jaguaribe, Itamaracá-Pernambuco, selecionadas como Sargassum spp e com a denominação de algas “Arribadas” foram aplicadas em experimentos de equilíbrio e cinética química para se avaliar a capacidade de retenção de Pb2+ em meios líquidos. O chumbo, enquanto metal muito utilizado em indústrias da região tem os descartes de seus efluentes qualificados como bastantes agressivos ao meio ambiente indicando a necessidade de sua remoção. Os processos de remoção apresentaram retenção máxima do chumbo de 294,1mg/g para Sargassum spp (pH 4) e 138,9mg/g e 95,2 mg/g para algas “Arribadas” (pH 4 e 3) respectivamente. Os experimentos cinéticos realizados demonstraram que 85% do metal foi retido em 30 minutos e que durante o processo de retenção foram identificados os íons Ca 2+ e Mg2+ provenientes do processo de troca iônica com as algas. A quantidade total de íons H+ e Pb2+ removidos da solução, foi aproximadamente igual ao total de íons Ca 2+ e Mg2 liberados em solução a pH 4. Em pH 3, constatase uma liberação um pouco maior de Ca2+ e Mg2+ em relação ao Pb2+ adsorvido pelos sítios livres do biossorvente, devido a competição com o íon H+ . Os tamanhos de partículas estudados (0,149-0,297 e 0,297-0,590) não foram significativos na cinética de biossorção do Pb2+ sobre as constantes de equilíbrio de 14,8 e 30,9 para algas “Arribadas” e Sargassum spp, respectivamente. Palavras-chave: biossorção, chumbo, algas “Arribadas”, Sargassum spp, troca iônica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5914/tropocean.v31i1.4989

Apontamentos

  • Não há apontamentos.