Mesozooplâncton de área recifal do Atlântico Sudoeste Tropical.

Dilma Aguiar do NASCIMENTO-VIEIRA, Sigrid NEUMANN-LEITÃO, Fernando de Figueiredo PORTO NETO, Tâmara de Almeida e SILVA, Andréa Pinto SILVA

Resumo


Estudos sobre o zooplâncton foram realizados em uma área recifal do Atlântico Sudoeste Tropical (Tamandaré, Pernambuco, Brasil) visando conhecer as variações na biodiversidade e distribuição espacial e sazonal. Três estações foram amostradas no período de junho/89 a maio/90, nas preamares e baixa-mares diurnas. As amostras foram obtidas através de arrastos horizontais à superfície com rede de plâncton com 300 µm de abertura de malha. Dados de temperatura e salinidade foram coletados simultaneamente para fins comparativos. Foram identificados 47 taxa e o holoplâncton predominou com 61%. Copepoda foi o grupo mais representativo, destacando-se Acartia (Odontacartia) lilljeborgi Giesbrecht, 1889 e Parvocalanus crassirostris (F. Dahl, 1894). Foi observado um ciclo sazonal com maiores densidades nos meses de verão nas três estações (máximo de 992 org. m-3), contudo os valores médios foram baixos (295,7±259,4 org.m-3). A diversidade de espécies variou entre 2 e 3 bits.ind-1, baixa para área recifal. A presença de grande quantidade de espécies estuarinas evidenciou a conectividade entre estuários e a área recifal estudada. Palavras chave: Biodiversidade, Copepoda, pluma estuarina, recifes costeiros, zooplâncton

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5914/tropocean.v38i1.5160

Apontamentos

  • Não há apontamentos.