Padrão espacial da comunidade de macroalgas de mesolitoral em ambiente recifal do nordeste brasileiro

Edson Regis Tavares Pessoa Pinho de VASCONCELOS, Thiago Nogueira de Vasconcelos REIS, Nathalia Cristina GUIMARÃES-BARROS, Juliane BERNARDI, Arsenio José ARECES-MALLEA, Adilma de Lourdes Montenegro COCENTINO, Mutue Toyota FUJII

Resumo


Frente a diversos fatores bióticos e abióticos que afetam a distribuição dos organismos na zona entremarés, o presente estudo avaliou a distribuição e a zonação das macroalgas bentônicas do mesolitoral em um trecho recifal do nordeste brasileiro. Os dados foram obtidos a partir de transecções traçadas perpendiculares à linha de costa, durante três campanhas amostrais no período seco e chuvoso. A freqüência relativa de algumas algas tais como Centroceras sp., Gelidiella acerosa, Padina sp., Palisada perforata e Ulva sp. representa bem a capacidade de tolerância ao estresse ambiental ao qual estão sujeitas, visto que elas apresentam ampla distribuição espacial e temporal ao longo do transecto de 10m. Entretanto, durante período seco estes táxons são responsáveis pela formação de dois grupos em função do gradiente de distância analisado e no período chuvoso há perda deste padrão. Palavras chave: algas, zonação, diversidade, distribuição do bentos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5914/tropocean.v41i1-2.5416

Apontamentos

  • Não há apontamentos.