A ARTE E A TÉCNICA DE TRANÇAR NA PRÉ-HISTÓRIA DE PERNAMBUCO: A Cestaria dos Sítios Alcobaça e Furna do Estrago

Rodrigo Lessa Costa, Tania Andrade Lima

Resumo


Este artigo tem como objetivo primordial chamar a atenção para uma categoria artefatual que tem sido pouco estudada pelos arqueólogos brasileiros, a cestaria, não obstante as informações relevantes que seu estudo pode dar à compreensão de sociedades pretéritas. Visando dar uma contribuição ao tema, foram analisadas duas coleções arqueológicas recuperadas nos sítios Furna do Estrago e Alcobaça, ambos no interior do Estado de Pernambuco. Foi testada a possibilidade de se identificarem continuidades tecnológicas entre os materiais arqueológicos e os materiais de procedência etnográfica. Para tanto, foram estudados objetos trançados pela etnia Fulni-ô de Águas Belas, Pernambuco, salvaguardadas pelo Museu do Índio no Rio de Janeiro, e também a cestaria produzida pelos indígenas da aldeia Kapinawá, no Vale do Catimbau, igualmente em Pernambuco, em visita feita ao local. Identificou-se que os grupos que ocuparam os sítios acima mencionados compartilharam técnicas de trançado e que uma delas — a técnica cruzada —se manteve no repertório cesteiro de etnias atuais, sobretudo dos Fulni-ô.

 ABSTRACT

This article highlights a category of artifact, basketry, seldom examined by Brazilian archaeologists, despite the potential importance of its study for our understanding of past societies. Seeking to explore this theme, the research analyzed two archaeological collections recovered at the Furna do Estrago and Alcobaça sites, both located in the inland region of Pernambuco state. Testing the possibility of identifying a technological continuum between archaeological and ethnographic materials, the research analyzed objects woven by the Fulni-ô ethnic group of Águas Belas, Pernambuco, kept by the Museu do Índio in Rio de Janeiro, and baskets produced by the indigenous population of Kapinawá Village in the Catimbau Valley, also in Pernambuco. The latter were studied during a visit made to the locale. The research found that the groups who occupied the aforementioned sites shared a number of weaving techniques, one of which – plaiting – also forms part of the basketry repertoire of present-day indigenous peoples, especially the Fulni-ô.

Keywords: Prehistoric basketry; basket weaving technologies; Native People of Pernambuco


Palavras-chave


Cestaria pré-histórica; Tecnologia trançada; Índios de Pernambuco.

Texto completo:

PDF

Referências


ADOVASIO, J. 1977. Basketry technology: a guide to identification and analysis. Chicago: Aldine.

_________; GUNN, J. 1977. “Style, basketry and basketmakers”. In: the individual in prehistory: studies of variability in style prehistoric technologies. J. Hill e J. Gunn (orgs). New York: Academic Press.

_________; ILLINGWORTH, J. S. 2004. “Prehistoric perishable fiber technology in the Upper Ohio Valley”. In: P. Drooker (org.): Perishable material culture in the Northeast.New York: New York State Museum.

AGUIAR, A. 1986. “A Tradição Agreste: estudo sobre arte rupestre em Pernambuco”. Clio, 3, 7–98.

CARVALHO, M. L. D. 2014. Práticas de intervenção em acervos etnográficos em fibras de buriti: artefatos xinguanos e sua natureza simbólica, imagética e material. Saarbrücken:Verlag.

DUNNELL, R.C. 2006. Classificação em Arqueologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

EMERY, I. 2009. The primary structures of fabrics: an illustrated classification. London: Thames & Hudson.

EVERT, R. F.; EICHHORN, S.E. 2013. Raven biology of plants. 8th Ed. New York: W. H. Freeman.

HOHENTHAL JR.,W. D. 1960. “As tribos indígenas do Médio e Baixo São Francisco”. Rev. do Museu Paulista, 12: 37–86.

HURLEY, W.M. 1979. Prehistoric cordage: identification of impressions on pottery. Chicago: Aldine.

JAKES, K.A; SIBLEY, L.R.; YERKES, R. 1994. “A comparative collection for the study of fibers used in prehistoric textiles from Eastern North America”. Journal of Archaeological Science, 21: 641–650.

LAGROU, E. 2013. Arte indígena no Brasil. Belo Horizonte: Editora C/Arte.

LIMA, J. M. D. 1984. “Arqueologia do Brejo da Madre de Deus, Pernambuco”. Clio (Revista do Curso de Mestrado em História), 8: 91–94.

__________. 1986. Arqueologia da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, Pernambuco. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco.

___________. 2012. “A Furna do Estrago no Brejo da Madre de Deus”. Pesquisas – Antropologia, 69: 5–108.

MARTIN, G. 2005. Pré-história do Nordeste. Recife: Ed. Universitária (UFPE).

MASON, O. T. 1904. Aboriginal American basketry: studies in a textile art without machinery.Washington: Smithsonian Institution.

MELLO E ALVIN, M.; MENDONÇA DE SOUZA, S. M.F. 1984. “Os esqueletos humanos na Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, Pernambuco: estados morfológicos e patológicos”. Clio – Série Arqueológica), 6: 95-97.

__________. 1987. “O grupo pré-histórico da Furna do Estrago-PE e suas relações biológicas com outras populações pré-históricas e atuais do Brasil”. Clio – Série Arqueológica, 4:81–83.

MELO RODRIGUES, N. 2006. Potencialidades e impactos ambientais no Parque Nacional do Catimbau e sua zona de amortecimento. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco.

OLIVEIRA, A. L.N. 2001. O sítio arqueológico Alcobaça: Buíque, Pernambuco. Estudo das estruturas arqueológicas. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco.

PALITOT, E. M.; ALBUQUERQUE, M. A. S. 2002. “Relatórios de viagem: índios do Nordeste (AL, PE e PB)”. LACED. Museu Nacional/UFRJ. p.85–152. Disponível em: http://laced.etc.br/site/pdfs/Indios_Nordeste.pdf. Acesso em: 15/12/2015.

PERAZZO, V.A.M. 2007. Os sítios de registros rupestres em Buíque, Venturosa e Pedra (PE) no contexto da geopaisagem. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco.

PEREZ DE MICOU, C. 2006 El modo de hacer las cosas. Artefactos y ecofactos en arqueología. Buenos Aires: Facultad de Filosofía y Letras. Universidad de Buenos Aires.

_____________; ANCIBOR, E. 1994. “Manufactura cestera en sitios arqueológicos de Antofogasta de la Sierra, Catamarca (República Argentina). Journal de la Société des Américanistes. 80 (1): 207-216. Disponível em: http://www.persee.fr/doc/jsa_0037-9174_1994_num_80_1_1535. Acesso em 23/05/2012.

PESCE, C. 2009. Oleaginosas da Amazônia. 2ª edição. Belém, Museu Paraense Emilio Goeldi. Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural. Disponível em: http://pt.slideshare.net/iicabrasil/oleaginosas-da-amazonia. Acesso em: 07/06/2013.

PINTO, E. 1956. Etnología brasileira. Fulniô, os últimos Tapuias. São Paulo: Editora Nacional.

RIBEIRO, B. G. 1987. “A arte de trançar: dois macroestilos, dois modos de vida”. In: Ribeiro, D. Suma etnológica brasileira: tecnologia indígena, vol. II. Rio de Janeiro: FINEP/VOZES: 283–321.

_____________. 1988. Dicionário do artesanato indígena. Belo Horizonte: Editora Itatiaia.

_____________. 1989. Arte indígena, linguagem visual. Belo Horizonte: Editora Itatiaia.

SAMPAIO, J. A. L. 2011. “De caboclo a índio: etnicidade e organização social e política entre povos indígenas contemporâneos no Brasil, o caso Kapinawá”. Cadernos do Leme, 3(2):88–191.

SANTOS, A. M. P. dos. 2010. A conservação de material vegetal encharcado nos Sambaquis de Joinville/SC. Dissertação de mestrado, Universidade da Região de Joinville.

SILVA JUNIOR, E.D. 2013. Levantamento do potencial geoturístico do Parque Nacional do Catimbau como subsídio para criação de um futuro geoparque. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco.

SOUTO MAIOR, M. G. 2009. Estudo arqueobotânico dos restos alimentares silvestres do sítio arqueológico Alcobaça, Buíque-PE. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco.

TEIWES, H. 1996. Hopi basket weaving: artistry in natural fiber.Arizona: The University of Arizona Pres




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.v31i2p102-152

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev