ESTUDO ARQUEOMÉTRICO DE CERÂMICAS ARQUEOLÓGICAS DO SÍTIO LAGOA DO PORTINHO

Luis Carlos Duarte Cavalcante, José Domingos Fabris, Igor Linhares de Araújo

Resumo


A investigação sobre cerâmica arqueológica está diretamente atrelada à associação com os caracteres culturais de grupos e artesãos. Em uma área em que os princípios tradicionais de Arqueologia não podem ser aplicados, especialmente no que tange ao contexto do próprio sítio, o estudo dos vestígios ganha papel fundamental para a elaboração de conhecimento sobre aqueles grupos humanos que habitaram, acamparam, passaram em determinados espaços. Assim é o panorama do sítio Lagoa do Portinho I, localizado em uma área de lagoa dulcícola homônima, situada no norte do Estado do Piauí, mais precisamente nos limites entre os municípios de Luís Correia e Parnaíba. Portanto, a abordagem na busca de identificação de traços que possam elucidar de maneira mais abrangente a vivência dos homens que por lá estiveram voltou-se para o uso de técnicas de exames e de análises arqueométricas, como fluorescência de raios X por dispersão de energia, difração de raios X e espectroscopia Mössbauer do 57Fe. Os artefatos cerâmicos não foram encontrados em sua estrutura completa, sendo coletados apenas fragmentos, que representam sua totalidade. A triagem dos cacos permitiu observar que alguns deles se interconectavam, sendo componentes de peças individualizadas. Efetuou-se uma descrição visual das características principais das cerâmicas, voltada especialmente para a identificação dos tipos de queima, e a avaliação pormenorizada foi realizada em exames sob lupa. Os padrões cromáticos das peças foram catalogados com código Munsell. Após os exames, elaborou-se um esboço esquemático contendo as principais características de queima identificadas nas pastas cerâmicas. As análises arqueométricas apontaram as diferenças entre as porções oxidadas ou reduzidas. A espectroscopia Mössbauer revelou que em uma das peças esse fenômeno foi muito intenso. Os resultados demonstraram que uma das possibilidades interpretativas é a de que os grupos humanos que produziram esses artefatos provavelmente não conheciam bem a área litorânea, embora detivessem um conhecimento elevado sobre a produção cerâmica, pois, mesmo sem terem domínio sobre as influências ambientais, como o período ideal de secagem das peças, conseguiram produzir cerâmicas com alta resistência e qualidade.

 

ABSTRACT

Research on archaeological pottery is directly linked to association with the cultural characters of groups and artisans. In area where traditional principles of archeology can not be applied, especially regarding the context of the site itself, the study of traces wins renewed role for the development of knowledge about those human groups that  inhabited, passed and encamped these spaces. Such is the panorama of the site Lagoa do Portinho I, located in an area of freshwater, namesake pond, located in the northern of Piauí, more precisely on the border between the municipalities of Luís Correia and Parnaíba. Therefore, the approach to finding identifying traits that may elucidate more comprehensively the experience of the men who were there, turned to the use of examination techniques and archaeometric analyzes, energy dispersive X-ray fluorescence, X-ray diffraction and 57Fe Mössbauer spectroscopy. The pottery artifacts were not found in its whole structure, being collected only fragments, representing its entirety. All samples were grouped according to whether they belong to the same piece, and then its optical characteristics described particularly focused on identifying types of burns. The shades were found all defined according to the international code of colors, called Munsell, thus providing a reference for these data can be compared anywhere. A scheme was drawn up burning behaviors as well as the description of the parts to the naked eye and under the magnifying glass. Corroborating the observed data, the archaeometric analyzes showed the differences between the phases that were oxidized and reduced, besides demonstrating with Mössbauer, that one of the pieces in this phenomenon was very intense. The results showed that one of the possible interpretations is that those who produced these artifacts probably did not know the area very well, but had a high knowledge of pottery production, because even without the knowledge about the environmental behavior, such as the ideal period of drying the pieces, they managed to produce pottery with high strength and quality.

Keywords: Archaeological pottery; types of burns; Lagoa do Portinho; Archaeometry.






Palavras-chave


Cerâmica arqueológica; tipos de queima; Lagoa do Portinho; Arqueometria

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, M. 1984. “Reflexões em torno da utilização do antiplástico como elemento classificatório da cerâmica pré-histórica”. Clio – Arqueológica (6), 109-112. https://www.youtube.com/watch?v=Z-YCqUMQ29U.

______. 1985. “Utilização de radiologia em cerâmica arqueológica”. Clio – Arqueológica (7), 145-155.

______. 1990. “Processo de manufatura e intemperismo pós-deposicional na análise cerâmica”. Clio série arqueológica vol. 1 (6), 81-91.

______. 1991. “Recomposição de forma na cerâmica Tupiguarani”. Clio – Arqueológica (4), 121-123.

ALVES, C. 1991. “A cerâmica pré-histórica no Brasil: avaliação e proposta”. Clio – Arqueológica, vol. 1 (7), 11-88.

______. et al. 1994. “Técnica cerâmica pré-histórica”. Clio – Arqueológica, vol. 1 (10), 47-59.

ALVES, M. A. 1997. “Estudo de cerâmica pré-histórica no Brasil: das fontes de matéria-prima ao emprego de microscopia petrográfica, difratometria de raios X e microscopia eletrônica”. Clio – Arqueológica, vol. 1 (12), 27-87.

ARIAS, A. E. P. 2011. Las Aldeas Wankarani – Patrones de residência y de asentamiento: nuevas perspectivas. La Paz: Gloria.

ARIAS, A. E. P.; ESPAÑA, V. V. M. 2011. Glosario arqueológico – Términos más utilizados em Arqueología. La Paz: Reyes.

AYORA-CAÑADA, M. J.; DOMÍNGUEZ-ARRANZ, A.; DOMINGUEZ-VIDAL, A. 2012. “Raman Microspectroscopic study of Iberian pottery from the La Vispesa archaeological site, Spain”. Journal of Raman Spectroscopy, vol. 43 (2), 317-322.

BANDEIRA, A. M. 2008. “O Povoamento da América visto a partir dos sambaquis do litoral equatorial amazônico do Brasil”. Fumdhamentos (7), 430-468.

BICHO, N. F. 2006. Manual de arqueologia pré-histórica. Lisboa: Edições 70.

BORGES, J. F. 2006. Sob os areais: arqueologia, história e memória. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Piauí, Teresina, Brasil.

BRITO, M. A. M. L. 2010. Caracterização química de vestígios cerâmicos pré-históricos do Piauí. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Piauí, Teresina, Brasil.

BROCHADO, J. P. 1991. “Um modelo ecológico de difusão da cerâmica e da agricultura no leste da América do Sul”. Clio – Arqueológica (4), 85-88.

CALZA, C. et al. 2007. “Fluorescência de raios X aplicada à arqueometria”. Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação, vol. 1 (6), 338-342.

CAVALCANTI, A. P. B. 2000. Impactos e condições ambientais da Zona Costeira do Estado do Piauí. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, Brasil.

CEREZER, J. F. 2011. Cerâmica Guarani: manual de experimentação arqueológica. Erechim: Habilis.

CHIARA, V. 1998. “Viagem ao redor do pote”. Clio série arqueológica, vol. 1 (13), 95-126.

CPRM – SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Ministério de Minas e Energia, Secretaria de Minas e Metalurgia. 2003. Mapa de pontos d’água de Luís Correia. Luís Correia.

______. Ministério de Minas e Energia, Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral. 2006. Mapa geológico do Estado do Piauí. Teresina.

DIAS, A. S. 2007. “Novas perguntas para um velho problema: escolhas tecnológicas como índices para o estudo de fronteiras e identidades sociais no registro arqueológico”. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, vol. 2 (1), 59-76.

DUNNELL, R. C. 2006. Classificação em Arqueologia. São Paulo: EDUSP.

ETCHEVARNE, C. A. 1991. Sítios dunares: contribuição à Arqueologia do sub-médio São Francisco. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

FERREIRA, A. B. H. 1999. Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

FONTES, M. A. F. 2003. A cerâmica pré-histórica da Área Arqueológica do Seridó/RN. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil.

HOMEM, P. M. 2006. As cerâmicas arqueológicas e os estudos de proveniência de matérias-primas e transformações tecnológicas: o contributo do estudo textural da fracção não-plástica e respectiva distribuição nas pastas. In Departamento de Ciências e Técnicas do Patrimônio e Departamento de História (Org.). “Estudos em homenagem ao Professor Doutor José Amadeu Coelho Dias”. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. v. II, 259-272.

LIMA, T. A. 2011. “Cultura material: a dimensão concreta das relações sociais”. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, vol. 6 (1), 11-23.

MARANCA, S. 1991. “Agricultores e ceramistas da Área de São Raimundo Nonato”. Clio – Arqueológica (4), 95-97.

MARTIN, G. 2013. Pré-história no Nordeste do Brasil. 5. ed. Recife: Ed. Universitária da UFPE.

MAZZ, J. M. L. 2008. “Para uma etnoarqueologia da Cerâmica Mati”. Revista de Arqueologia (21), 45-60.

MENDES JÚNIOR, J. Q. 2012. Os ocupantes da Lagoa do Portinho, Piauí, Brasil: os artefatos em ambiente dunar. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Piauí, Teresina, Brasil.

MENEZES, J. A.; SOUZA, W. B.; SANTANA, G. P. 2013. “Caracterização de óxidos de ferro presentes em fragmentos cerâmicos de Terra Preta de Índio”. Scientia Amazonia, vol. 2 (3), 4-10.

MILLER, D. 2013. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar.

NASCIMENTO, A.; ALVES, C.; LUNA, S. “A cerâmica pré-histórica no Nordeste brasileiro”. Clio – Arqueológica, vol. 1 (6), 103-112.

NASCIMENTO, A.; LUNA, S. 1994. “Procedimentos para a análise da cerâmica arqueológica”. Clio – Arqueológica, vol. 1 (10), 7-19.

______. 1997. “A cerâmica arqueológica dos sítios dunares no Rio Grande do Norte – Brasil”. Clio – Arqueológica (12), 17-25.

OLIVEIRA, L. M. 1999. A produção cerâmica como reafirmação de identidade étnica Maxakali: um estudo etnoarqueológico. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

OLIVEIRA, C. A. 2001. “Abordagens teóricas dos grupos pré-históricos e ceramistas no Nordeste”. Canindé - Revista do Museu Arqueológico de Xingó (1), 10-36.

ORTON, C.; TYERS, P.; VINCE, A. 1997. Pottery in Archaeology. 4. ed. Cambridge: Cambridge University Press.

PROUS, A. 1992. Arqueologia Brasileira. Brasília: UNB Editora.

PROUS, A. 2007. O Brasil antes dos brasileiros: a pré-história do nosso país. 2. ed. Rio de Janeiro: ZAHAR Editora.

PROUS, A.; LIMA, T. A. (Org.). 2008. Os ceramistas Tupiguarani. Belo Horizonte: SIGMA.

RIEDERER, J. 2004. “Thin section microscopy applied to the study of archaeological ceramics”. Hyperfine Interactions (154), 143-158.

ROBRAHN-GONZÁLEZ, E. M. 1998. “Teoria e métodos na análise cerâmica em Arqueologia”. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (8), 287-294.

ROSSELLÓ, J. G.; TRIAS, M. C. 2006. “Análisis de las evidencias macroscópicas de cocción en la cerámica pré-histórica: una propuesta para su estúdio”. Mayurqa (31), 83-112.

SANTOS, A. G. 2013. Sítios litorâneos da Lagoa do Portinho, Piauí, Brasil: tecnologia cerâmica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Piauí, Teresina, Brasil.

SCATAMACCHIA, M. C. M.; CAGGIANO, M. A.; JACOBUS, A. L. 1991. “O aproveitamento científico de coleções museológicas: proposta para a classificação de vasilhas cerâmicas da tradição tupi-guarani”. Clio – Arqueológica (4), 89-94.

SCHIFFER, M. 1972. “Contexto arqueológico y contexto sistémico”. American Antiquity vol. 37 (2), 156-165.

SILVA, A. F. S. 2010. Lagoa do Portinho (PI): prospecção arqueológica e cadastramento de sítios. Relatório de Iniciação Científica do PIBIC/CNPq. Universidade Federal do Piauí, Teresina, Brasil.

SILVA, F. A. et al. 2004. “A arqueometria e a análise de artefatos cerâmicos: um estudo de fragmentos cerâmicos etnográficos e arqueológicos por fluorescência de raios X (EDXFR) e transmissão gama”. Revista de Arqueologia (17), 41-61.

SOUSA, N. G. 2013. “Os cachimbos cerâmicos procedentes de sítios da Lagoa do Portinho, Piauí, Brasil: uma análise morfo-técnica”. Monografia de Graduação, Universidade Federal do Piauí, Teresina, Brasil.

TENORIO, D. et al. 2000. “Archaeometry of pre-hispanic pottery fom San Luis Potosi, México”. Hyperfine Interactions (128), 381-396.

TOYOTA, R. G. 2009. “Caracterização química da Cerâmica Marajoara”. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

TRIGGER, B. G. 2004. História do pensamento arqueológico. São Paulo: Odysseus Editora.

VIANA, V.; SOARES, K.; SOUZA, L. D. 2007. “Os antigos habitantes da praia de Jericoacoara, Ceará: arqueologia, história e ambiente”. Clio – Arqueológica, vol. 1 (22), 177-202.




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.v30i2p189-240

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev