PERFIL CONSTRUTIVO DAS FORTIFICAÇÕES PORTUGUESAS DA CAPITANIA DE PERNAMBUCO APÓS 1654: Após a capitulação holandesa

Manuela Xavier Gomes de Matos, Paulo Martin Souto Maior

Resumo


A pesquisa da qual se origina este artigo, o último de uma série de três dos quais dois já se publicaram aqui na Revista Clio Arqueológica, integra um trabalho abrangente que estudou as fortificações construídas na Capitania de Pernambuco entre os séculos XVI e XVII. Este texto abarca especificamente a terceira fase, ou seja, o perfil construtivo de fortificações da antiga Capitania de Pernambuco da segunda metade do século XVII, período após a capitulação holandesa, em 1654. A análise das estruturas das quatro fortificações remanescentes desse período, (Forte de Santa Cruz de Itamaracá - 1654, Forte do Brum - 1654, Forte São Tiago da Cinco Pontas – 1684 e Forte Santo Inácio de Loyola de Tamandaré 1654), revelaram que essas construções foram influenciadas por modelos descritos em tratados de fortificação europeus da época. A pesquisa ainda expôs que houve adaptações à realidade de material, mão de obra, recursos e uma postura colonizadora que impôs restrições e adaptações a partir dos modelos europeus. Identificar essas transformações foi o objetivo principal.


CONSTRUCTIVE PROFILE OF PORTUGUESE FORTIFICATIONS IN CAPITANIA OF PERNAMBUCO AFTER 1654: After the dutch capitulation


ABSTRACT

The research from which this article originates, the last in a series of three of which two have already been published here in Clio Arqueológica magazine, integrates a comprehensive work that studied the fortifications built in the Captaincy of Pernambuco between the 16th and 17th centuries. This text specifically covers the third phase, that is, the constructive profile of fortifications of the former Captaincy of Pernambuco in the second half of the 17th century, period after the Dutch capitulation, in 1654. The analysis of the structures of the four remaining fortifications of that period, (Forte de Santa Cruz de Itamaracá - 1654, Fort do Brum - 1654, Fort São Tiago da Cinco Pontas - 1684 and Fort Santo Inácio de Loyola de Tamandaré 1654), revealed that these buildings were influenced by models described in European fortification treaties of the time. The research also exposed that there were adaptations to the reality of material, labor, resources and a colonizing posture that imposed restrictions and adaptations based on European models. Identifying these transformations was the main objective.

Keywords: Fortifications; 17th century; Pernambuco


Palavras-chave


Fortificações; século XVII; Pernambuco

Texto completo:

PDF

Referências


BASSALA, George. La evolucion de la tecnologia. Barcelona: Editorial Crítica, 1991. 249p.

BOXER, C. R. O império colonial português (1415-1825). São Paulo: Edições 70, 1969. 406p.

BRANDÃO, Augusto Pereira. O Oriente. In: História das fortificações portuguesas no mundo. Rafael Moreira (org). Lisboa: Publicações Alfa, 1989. p. 159-187.

CAVALCANTI, Vanildo Bezerra. Recife do Corpo Santo. 2ª. ed. Recife: Bagaço, 2009.397p.

COELHO, Duarte de Albuquerque. Memórias diárias da guerra do Brasil: 1630-1638. 2ª. ed. Recife, Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 1982. 366p.

DANTAS, José Robinson Alcoforado; LIMA FILHO, Clóvis. Síntese da Geologia de Pernambuco. Departamento Nacional de Produção Mineral. 4º Distrito, Pernambuco. 2006. Acessado em 18/08/2014 pelo site http://www.dnpm-pe.gov.br/Sint_PE/Indice.php.

DOGEN, Matthias. L’Architectura Militair e Moderne ou Fortification. Amsterdã, 1648. 548p

GALLAY, Alain. A arqueologia amanhã. Tradução de Emílio Fogaça do original L’archéologie demain. Paris: Pierre Belfont Ed., 1986. 324p.

GAMA, Ruy. A tecnologia e o trabalho na história. São Paulo: Nobel: Editora da Universidade de São Paulo, 1986. 207p.

GOLDMAN, Nicolas. La Nouvelle Fortification. Leiden, 1645. 224p. Guia de inventário – Fortificações medievais e modernas. Sacavém: IHRU/SIPA, 2015.120p.

MENEZES, José Luiz Mota. RODRIGUES, Maria do Rosário Rosa. Fortificações portuguesas no Nordeste do Brasil. Séculos XVI, XVII e XVIII. Recife: Pool. Editorial S/A, 1986. 158p.

OLIVEIRA, Bernardo J. de. Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002. 277p.

QUINTANILLA, Miguel Ángelo. Tecnología: un enfoque filosófico y outros ensayos de filosofia de la tecnologia. México: FCE, 2005. 296p.

RENFREW, Collin. Towards a cognitive archaeology. In: The ancient mind.: p.3-11.2001.

SCAMOZZI, Vicenzo. L’ Idea della Architettura Universale. Veneza, 1615. 391p. Schumann, 1972: p. 34).

TONERA, Roberto. O Sistema Defensivo da Ilha de Santa Catarina – Brasil: Criação, Abandono e Recuperação. Conferência proferida no 1er. Seminario regional de ciudades amuralladas – 6 e 7 de abril de 2005, Montevideo, Uruguay. http://www.fortalezas.ufsc.br/6seminario/index.php

WEHLING, Arno. WEHLING, Maria José C. M. Formação do Brasil colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. 401p.




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.V35N1p105-142

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev