A LUTA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO DO CAMPO DE QUALIDADE DAS MENINAS QUILOMBOLAS

Maria Elizabeth Souza Gonçalves, Luciano Ventim Bonfim

Resumo


Identificar desafios que se impõem ao direito das meninas quilombolas de ter educação do campo de qualidade dá lastro ao objetivo desta pesquisa. Tendo como lócus a comunidade quilombola de Lage dos Negros, no município de Campo Formoso, Bahia, buscou-se trazer para a análise o intercruzamento do direito à educação de qualidade com as questões de gênero, raça, idade e geopolítica. A pesquisa transdisciplinar intercruzou análise documental, observação participante, escuta etnográfica e os registros da autora que foi Secretária Municipal de Educação de Campo Formoso.  Os resultados apontam que ainda perduram déficits educacionais decorrentes das desigualdades históricas das escolas do campo no Brasil, no que tange à infraestrutura física, formação de professores, entre outros insumos e processos, somando-se a condição de ser menina em terra cobiçada pelos tentáculos do colonialismo e o patriarcado.


Palavras-chave


Direito à Educação do Campo. Feminismo Descolonial. Meninas quilombolas. Plano Nacional de Educação

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, M. G. Os Movimentos Sociais e a construção de Outros currículos. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Editora UFPR, n. 55, p. 47-68, jan./mar. 2015.

BIDASECA, Karina. Perturbando el texto colonial. Los Estudios (Pos)coloniales en América Latina, Buenos Aires: Ediciones SB, 2010.

____________. Mujeres blancas buscando salvar a mujeres color café: desigualdad, colonialismo jurídico y feminismo postcolonial. Ciudad de México: Andamios, Revista de Investigación Social, volumen 8, número 17, septiembre-diciembre, 2011, pp. 61-89. Disponible en http://www.redalyc.org/pdf/628/62821337004.pdf

BRASIL. Lei 9394/96 de 23 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em 28/06/2016.

_________. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 01/2002, de 3 de abril de 2002 – Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília, 2002. Acesso em 28/06/2016.

________. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 02/2008, de 28 de abril de 2008 – Estabelece Diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação do Campo. Acesso em: 28/06/2016.

_________. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 08/2008, de 20 de dezembro de 2008. Dipõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica.

_________. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 8/2010 de 05 de maio de 2010. Estabelece normas para aplicação do inciso IX do artigo 4º da Lei 9394/96(LDB), que trata dos padrões mínimos de qualidade de ensino para a Educação Básica pública.

_________. Emenda Constitucional nº 59 de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI.

_________. Ministério da Educação. Resolução FNDE/MEC n° 33/2013, de 09 de agosto de 2013. Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes operacionais e regulamentares do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), a escolas públicas municipais, estaduais e distritais da educação básica, localizadas no campo, a fim de garantir abastecimento de água em condições apropriadas para consumo e esgotamento sanitário nas unidades escolares beneficiadas.

________. Plano Nacional de Educação/PNE – Lei 13.005 de 25 de junho de 2014.

________. Emenda Constitucional nº95/2016 de 16 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências.

________. INEP/MEC. Relação de alunos em idade incompatível. Censo Escolar 2018. Documento disponibilizado pela Secretaria Muncipal de Educação de Campo Formoso-Bahia, maio de 2018.

_________. INEP/MEC. Relatório de alunos por localidade. Censo Escolar 2018. Documento disponibilizado pela Secretaria Muncipal de Educação de Campo Formoso-Bahia, maio de 2018.

_________. INEP/MEC. Relatório de alunos por Turmas Multisseriadas – Série/Etapa – 2018. Documento disponibilizado pela Secretaria Muncipal de Educação de Campo Formoso-Bahia, maio de 2018.

CALDART, Roseli Salete. Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In KOLLING, Edgar Jorge. CERIOLI Paulo Ricardo. CALDART, Roseli (organizadores). Educação do campo: identidades e políticas públicas. Brasília, DF: articulação nacional por uma educação do campo, 2002. Coleção Por uma Educação do Campo, volume 4.

CARNEIRO, Suely. Ennegrecer El feminismo. Conferencia presentada en Durban, 2002. Disponível em http://www.penelopes.org/Espagnol/ xarticle.php3?id_article=24. Acesso em 06 de junho de 2017.

CRENSHAW, Kimberlé W. Cartografiando los Márgenes – interseccionalidad, políticas identitarias, y violencia contra las mujeres de color. In PLATERO, Raquel. (coord.). Intersecciones: cuerpos y sexualidades em la encrucijada. España: Bellaterra, 2012, pp 87-122.

FUNDAÇÃO PALMARES. Comunidades Certificadas. Disponível em http://www.palmares.gov.br/?page_id=37551. Acesso em 03 de junho de 2018.

GONÇALVES, Maria Elizabeth S. DIREITO À EDUCAÇÃO DO CAMPO DE QUALIDADE – desafios dos Planos Municipais de Educação para o decênio 2015-2025. In Compartilhando saberes: um panorama sobre a produção acadêmica em múltiplas abordagens teórico-metodológicas. Curitiba: CRV Editora, 2018, pp. 44-60.

LUGONES, Maria. Colonialidad Y Género. Tábula Rasa, Num. 9, Julio-Diciembro, Bogotá: Universidad Colégio Mayor Cundinamarca, 2008, pp 73-101. Disponível em http://clacsovirtual.org/. Acesso em 22 de maio de 2017.

MOLINA, Monica C. Desafios para os educadores e as educadoras do campo. In Educação do campo: identidades e políticas públicas. Edgar Jorge Kolling, Paulo Ricardo Cerioli e Roseli Caldart (organizadores). Brasília, DF: articulação nacional por uma educação do campo, 2002. Coleção Por uma Educação do Campo, volume 4.

PETROLINA, PERNAMBUCO. Lei Municipal nº 2985/2017. Proíbe as atividades pedagógicas que visem a reprodução de conceitos de ideologia de gênero na grade de ensino da rede municipal e da rede privada de ensino.

PINTO, José M. de Resende. Novas fontes de financiamento e o Custo Aluno-Qualidade (CAQ). In Justiça pela qualidade na educação/ABMP, Todos pela Educação (organização). São Paulo: Saraiva, 2013.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do Poder e clasificação social. In Santos, Boaventura de Souza & Meneses, Maria Paula. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010, pp 84-130.

QUINO. Toda a Mafalda: da primeira à última tira. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

SANTOS, Boaventura de S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In Santos, B. S., & Meneses, M. P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo, SP: Cortez, 2010, pp. 71-94.

SILVA, Raimunda P. da. SENA, I. P F. de Souza. Educação do campo, experiência e formação docente numa perspectiva política emancipadora. In Revista Brasileira de Educação do Campo. v.1, n.2, p. 231-254, dez, 2016. Disponível em . Acesso em: 17 maio, 2018.

XIMENES, Salomão Barros. Custo Aluno-Qualidade: um novo paradigma para o direito à educação. In Justiça pela qualidade na educação/ABMP, Todos pela Educação (organização). São Paulo: Saraiva, 2013.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2019.v2.n5.p110-136



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.