CARTOGRAFIAS INDISCIPLINARES

Daniel Medeiros de Freitas, Marcela Silviano Brandão Lopes, Natacha Araújo Rena

Resumo


O artigo, por meio de pressupostos teóricos-metodológicos adotados pelo grupo de pesquisa Indisciplinar, apresenta algumas das experiências extensionistas do grupo junto às lutas urbanas. Procura-se demonstrar o modo como os processos destituintes – aqueles contra o urbanismo neoliberal em suas múltiplas dimensões expropriadoras do patrimônio público, neoliberalização e produção biopolítica do espaço urbano – e os processos constituintes – aqueles engendrados pela coletividade e autonomia cidadã em defesa do comum – atuam no ponto cego das lutas urbanas, imbricando as resistências locais e de ocorrência pontual às múltiplas determinações de ordem econômica, política, cultural relacionadas à produção do espaço; as estratégias de militância e de ativismo; e os potenciais da tecnologia e das artesanias. Apresenta-se no centro da discussão as possibilidades de aplicação do método cartográfico nos processos de luta e resistência aos projetos urbanos neoliberais.


Palavras-chave


: extensão universitária, método cartográfico, ativismo

Texto completo:

PDF

Referências


DELEUZE, G. O que é um dispositivo?. In: DELEUZE, G. O mistério de Ariana. Lisboa: Ed.Vega-Passagens, 1996.

FRASER, N. (2018). Do Neoliberalismo progressista a Trump – e além. Texto publicado no site da Revista Movimento em 28 de fevereiro de 2018. Disponível em https://movimentorevista.com.br/2018/02/do-neoliberalismo-progressista-a-trump-e-alem-nancy-fraser/. Acesso em 10 de março de 2019.

FREITAS, D. M. Campo de Poder dos Grandes Projetos Urbanos da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Annablume, 2017.

GOHN, M. G. Novas teorias dos movimentos sociais. São Paulo, Edições Loyola, 2014.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. Rio de Janeiro, Record, 2001.

KASTRUP, V.; BARROS, R. B. Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 76-91

NEVES, B.; BRANDÃO, M.; MARQUES, L. H.; RENA, N.. Lutas territoriais: resistências ao avanço do urbanismo neoliberal. In: ROLNIK, R. et al (org.). Cidade Estado Capital: reestruturação urbana e resistência em Belo Horizonte, Fortaleza e São Paulo. São Paulo, FAUUSP, 2018.

RENA, N.; BRANDÃO, M. S.; RENA, A.; NEVES, B.. Cartografia enquanto método de investigação: Uma conversa com Virgínia Kastrup. Revista Indisciplinar, n.2, v.2, 2016. p.17-20.

RENA, N.; MAYER, J.; NEVES, B.; ALVES, J.. Cartografando os movimentos multitudinários em Belo Horizonte: as jornadas de junho e depois. Revista Indisciplinar, n.3, v.2, 2016. p.9-26.

RENA, N. S. A.; FREITAS, D. M. F.; SÁ, A. I. A.; BRANDAO, M. S.. (Orgs.). Anais do I Seminário Internacional Urbanismo Biopolítico. 1. ed. Belo Horizonte, Fluxos, 2018.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2020.v3.n11.p230-259



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.