ALICERCES ÀS AULAS: PRINCÍPIOS, CONCEITOS E CATEGORIAS GEOGRÁFICAS

Adriana Maria Andreis, Helena Copetti Callai

Resumo


A noção e a dimensão espacial, nas pesquisas e no ensino, são objetos de análise em diferentes áreas do conhecimento. Neste artigo, colocamos em discussão as relações entre princípios, conceitos e categorias, para afirmar o espaço como corpus que sustenta a análise espacial pelo viés geográfico. Construímos argumentos que propõem esses processos como enlaces com as temáticas propostas nas aulas e, também, como possibilidade prospectiva e criativa. Metodologicamente, o texto, organizado em três partes que focam essas noções, é configurado como estudo bibliográfico resultante de pesquisas teóricas que dialogam com nossas vivências de professoras. A investigação permite inferir, conjugando o natural e o social, que os princípios são leis elaboradas, os conceitos são generalizações e as categorias são modos de abordar. São possibilidades de realização da análise espacial, assumida pela arguição envolvendo a singularidade e a associação entre essas noções, e essas sistematizações são possibilidades à imaginação criadora.


Palavras-chave


Ensino de Geografia. Princípios geográficos. Aportes teóricos. Aprendizagem. Construção de conhecimentos.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ANDREIS, Adriana Maria. La producción de significados y representaciones del espacio por la Geografía escolar: posibilidades y limitaciones en los mapas. Revista Geográfica de América Central. Nº 45, II Semestre 2010 p. 15–29.

______Ensino de Geografia: fronteiras e horizontes. Porto Alegre: ComPasso Lugar Cultura, 2012.

______. Cotidiano: uma categoria geográfica para ensinar e aprender na escola. Tese (Doutorado), Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ, Ijuí/RS, 2014.

BACHELARD, Gaston. La poética del espacio. México: FCE, 1975.

BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro & João editores, 2010.

BERNARDES, Antônio. Quanto às categorias e aos conceitos. Revista Formação Online, n. 18, v. 2, p. 165-171, jul./dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2013.

BULAVKA, Ludmila; BUZGALIN, Aleksander. Os próximos cem anos de Mikhail Bakhtin: a dialética do diálogo versus a metafísica do pós-modernismo. Revista Novos Rumos. Ano 20, n. 44, 2005 p.4-14. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2013.

CALLAI, Helena Copetti (org). Educação geográfica: Reflexão e prática. Ijuí/RS: Editora da UNIJUI, 2011.

______. A formação do profissional da Geografia: o professor. Ijuí/RS: Editora da UNIJUI, 2013.

CRUZ, Valter do Carmo. Uma proposta metodológica para o uso/operacionalização dos conceitos na pesquisa em geografia. ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS – ENG, 16., Porto Alegre, 2010. Porto Alegre, 2010. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2013.

GERALDI, João Wanderley. A aula como acontecimento. São Carlos/SP: Pedro & João Editores, 2010.

GALLO, Silvio. Filosofia e o exercício do pensamento conceitual na educação básica. In: Revista Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 22, n. 44, p. 55-78, jul./dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2013.

GARCÍA RUIZ, Antonio Luis; JIMÉNEZ, José Antonio; RODRÍGUEZ, Efrén. Bases teóricas do modelo de princípios científico-didáticos para o ensino de Geografia e História. Revista Paradigma, v. XXX, n. 1, jun. 2009, p. 31-61. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2012.

GARCÍA RUIZ, Antonio Luis; JIMÉNEZ, José Antonio. Los principios científico-didácticos (PCD): nuevo modelo para la enseñanza de la geografía y de la historia. Granada, España: Universidad de Granada, 2006.

HAESBAERT, Rogério. Espaço como categoria e sua constelação de conceitos: uma abordagem didática. In: TONINI, I. et al. O ensino de Geografia e suas composições curriculares. Porto Alegre: UFRGS, 2011. p. 109-120.

MAIA, Adriano C; ALVES, Flamarion D. Categorias e epistemologia: reflexões teórico-metodológicas na ciência geográfica. V Encontro de grupos de Pesquisa. Grupo de pesquisa em educação e território. Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, 25-27 nov. 2009. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2013.

MAFFESOLI, Michel. A terra fértil do cotidiano. Revista Famecos, Porto Alegre, n. 36, p. 5-9, ago. 2008, quadrimestral. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2012.

MARQUES, Mario Osorio. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. Petrópolis: Vozes, 2008.

MORA, José Ferrater. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martin Fontes, 1998.

MOREIRA, Ruy. Para onde vai o pensamento geográfico? Para uma epistemologia crítica. São Paulo: Contexto, 2008.

MÜLLER, Max; HALDER, Alois. Breve diccionario de filosofía. Barcelona: Editorial Herder, 1976.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2004.

______. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Edusp, 2008a.

______. Por uma geografia nova. São Paulo: Edusp, 2008b.

______. Da totalidade ao lugar. São Paulo: EDUSP, 2008c.

VEIGA-NETO, Alfredo. É preciso ir aos porões. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 50, maio/ago. 2012, p. 267-282. Disponível em: . Acesso em: 2 abr. 2013.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. El desarrollo de los procesos psicológicos superiores. Barcelona: Gráfica Salvá, 1979.

______. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

______. Obras Escojidas IV. Madrid: Visor, 1993-1997.

______. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. La imaginación y la arte en la infancia. Madrid: Akal, 2012.

WERTSCH, James. Voces de la mente: un enfoque sociocultural para el estudio de la acción mediada. Madrid: Visor, 1993.




DOI: https://doi.org/10.38187/regeo2019.v2n3id243921



INDEXADORES E BASE DE DADOS