ESTUDOS DA PAISAGEM NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM À CONSTRUÇÃO DO SABER GEOGRÁFICO NO ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Hudson Nascimento de Sousa Filho, Reges Sodré da Luz Silva Dias

Resumo


RESUMO

Esse artigo tem por objetivo relatar a construção de metodologias libertadoras no processo ensino-aprendizagem de Geografia durante a realização da disciplina de Estágio Supervisionado no Ensino Médio da educação escolar básica na cidade de Araguaína-TO. Propomos apresentar a metodologia de análise em geossistema da paisagem produzida por Georges Bertrand (2004), como recurso auxiliar no entendimento de determinados problemas/conteúdos ambientais geográficos. Entendemos que a(s) paisagem(ns) apresentam-se ou/e por nós podem ser apreendidas como verdadeiras heranças da fusão de processos pretéritos com processos da história do presente. Tal metodologia pôde ser exemplificada no tratamento da paisagem do córrego do prata, localizado próximo da escola e que os alunos conheciam. Este córrego teve sua dinâmica natural remodelada para nós, gerações do presente, enquanto herança. Antes as pessoas banhavam sem o medo de serem atropeladas quando iam acessar as águas do córrego. Ou quando havia muito mais peixes para pescar do que hoje. Ou quando as águas do córrego não eram poluídas pelo lixo e demais dejetos gerados por pessoas que trafegam nas vias da BR-153 com seus veículos automotivos.

Palavras-Chave: metodologia; paisagem; ensino.


Palavras-chave


metodologia; paisagem; ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

AB’SÁBER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. 7 ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2012.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global. Esboço metodológico. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, v. 8, dez. 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2016.

______. Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Tocantins – SEDUC. Proposta Curricular do Ensino Médio: versão preliminar. 2º reimp. Tocantins: SEDUC, 2009.

CARVALHO, M. B. A natureza na geografia do ensino médio. In: OLIVEIRA, A. U. (org.). Para onde vai o ensino de Geografia? 9 ed. 2 reimpr. São Paulo: Contexto, 2010, p. 81-108.

COUTINHO, Maria Tereza da Cunha. Psicologia da educação: um estudo dos processos psicológicos de desenvolvimento e aprendizagem humanos, voltado para a educação: ênfase na abordagem construtivista. Belo Horizonte: Editora Lê, 1992.

CUNHA, L. H.; COELHO, M. C. N. Política e gestão ambiental. In: CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. (orgs.). A questão ambiental: diferentes abordagens. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005, p. 43-79.

GOETTEMS, A. A.; JOIA, A. L. Geografia: leituras e interação. 2º ed. São Paulo: Leya, 2016.

GONÇALVES, C. W. P. A Luta pela Apropriação e Reapropriação Social da Água na América Latina. Observatório Latinoamericano de Geopolítica. 2008. Disponível em: . Acesso em: 14/10/2018.

______. Os (des)caminhos do meio ambiente. 2 ed. São Paulo: Contexto, 1990.

LIMA, H. R. O estudo da paisagem no ensino de geografia: uma proposta de abordagem no ensino fundamental e médio. Revista de ensino da escola. Olhares & Trilhas, v. 2, n. 2, p. 21-32, 2001.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez Editora, 2006.

LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. 21ª reimpr. São Paulo: Cortez Editora, 1994.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

NASCIMENTO, F. R.; SAMPAIO, J. L. F. Geografia física, geossistemas e estudos integrados da paisagem. Revista da casa da Geografia de Sobral, Sobral, v. 6/7, n. 1, p. 167-179, 2004/2005.

NAVARRO, A. L. La Geografia del paisaje y del medio ambiente: teorias y educacion. Observatório Geográfico América Latina. [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 23/10/2018.

OLIVEIRA, A. U. Educação e ensino de Geografia na realidade brasileira. In: OLIVEIRA, A. U. (org.). Para onde vai o ensino de Geografia? 9 ed. 2 reimpr. São Paulo: Contexto, 2010, p. 135-144.

PUNTEL, G. A. A paisagem no ensino da geografia. Ágora, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 283-298, jan./jun. 2007.

RUFFINO, P. H. P.; SANTOS, S. A. Utilização do Conceito de Bacia Hidrográfica para Capacitação de Educadores. In: SCHIAVETTI, A.; CAMARGO, A. F. M. Conceitos de bacias hidrográficas: teorias e aplicações. Ilhéus (BA): EDITUS, 2002, p. 111-123.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4 ed. 9 reimpr. São Paulo: EDUSP, 2017.

______. Do meio natural ao meio técnico-científico-informacional. In: ______. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4 ed. 9 reimpr. São Paulo: EDUSP, 2017a, p. 233-260.

______. O lugar e o cotidiano. In: ______. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4 ed. 9 reimpr. São Paulo: EDUSP, 2017b, p. 233-260.

SOUZA, Vanilton Camilo de. Fundamentos teóricos, epistemológicos e didáticos no ensino de Geografia. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 47-67, jan./jun., 2011.

VESETINI, J. W. Geografia crítica e ensino. In: OLIVEIRA, A. U. (org.). Para onde vai o ensino de Geografia? 9 ed. 2 reimpr. São Paulo: Contexto, 2010, p. 30-38.




DOI: https://doi.org/10.51539/2594-9616.2020.244935

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.