BIOESTRATIGRAFIA DO LIMITE CRETÁCEO-PALEÓGENO DA BACIA DA PARAÍBA COM BASE NA PALINOLOGIA

Marcella Andrade de Oliveira Alves, Paulo Roberto Silva Santos, Mário Lima Filho

Resumo


Esse trabalho apresenta os resultados dos estudos palinoestratigráficos, com ênfase nos miós-poros e cistos de dinoflagelados. Foram avaliados oito afloramentos de uma seção carbonática (pedreiras Nassau, Poty, Cipasa, Zebu, Cimepa, Cigra, Engenho Garapu e São Clemente), localizados entre as cidades de Recife e João Pessoa, na bacia da Paraíba, nordeste do Brasil. A pedreira Poty é considerada a seção de referência da passagem K-Pg, em baixas latitudes do hemisfério sul, expondo um registro relativamente completo desse evento. Esses afloramentos são representantes das formações Gramame (Maastrichtiano) e Maria Farinha (Paleoceno), essa última caracterizada na pedreira Poty. Foram identificadas a superzonoza Crassitricolpo-rites brasiliensis e Zona Gabonisporis vigourouxii, de miósporos, além das zonas Dinogym-nium spp. e Yolkinigymnium lanceolatum, de cistos de dinoflagelados, datando a seção maas-trichtiana, na área de estudo. Representando o Paleógeno, foram reconhecidas a superzona Proxapertites operculatus, zona Echitricolpites communis, de miósporos, e zona Cerodinium diebelii, de cistos de dinoflagelados. A passagem Cretáceo-Paleógeno foi delimitada, na pe-dreira Poty, entre 16,2 e 17,1 m, no intervalo que corresponde às camadas C a F.

Palavras-chave


Limite Cretáceo-Paleógeno (K-Pg), Bacia da Paraíba, Bioestratigrafia, Palinologia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.