MAPEAMENTO GEOLÓGICO DE PORÇÃO DA BORDA NORTE DA BACIA DO ARARIPE, NORDESTE DO BRASIL

Cláudio Ângelo Silva Neto, Letycia Oliveira Venancio, Dominick Sávio Rocha Cunha, Eduardo Ernesto Uvula, Nildo Cassul Miranda, Cynthia Romariz Duarte

Resumo


Em função do interesse científico e industrial, a Bacia do Araripe é constante alvo de pesquisas. A borda norte da bacia, por apresentar menor produção de gipsita e calcário para a construção civil, ainda carece de trabalhos em maior escala de detalhe. Neste contexto, este trabalho apresenta os resultados do mapeamento geológico em escala 1:25.000 de uma porção da borda norte da Bacia do Araripe, no Nordeste do Brasil, entre os municípios de Nova Olinda e Santana do Cariri, estado do Ceará. Durante o desenvolvimento do mapeamento geológico foram identificadas seis unidades litoestratigráficas, uma delas pertencentes ao embasamento da bacia formado por rochas gnáissicas com foliação de alto ângulo de trend NE-SW, sugerindo influência do Lineamento Patos na sua estruturação. As unidades sedimentares incluem a Formação Mauriti, composta por orto e paraconglomerados de ambiente deposicional fluvial entrelaçado, com fluxo unidirecional para NE; a Formação Crato, composta por calcários laminados, margas, folhelhos e arenitos, possui marcas de raízes em geometria de rede, implicando em um ambiente deposicional próximo à borda do paleolago, com exposição subaérea; a Formação Romualdo, composta por arenitos e folhelhos; a Formação Exu, composta por arenitos; e os depósitos aluviais constituídos por terrenos argilosos. De forma geral, a área de estudo apresentou sequências típicas do empilhamento estratigráfico da Bacia do Araripe. A presença de fraturas preenchidas por calcita e texturas indicativas de sismitos na Formação Crato sugerem uma possível influência tectônica no contexto deposicional deste conjunto de litotipos. Mudanças bruscas de direção das drenagens sugerem possível influência neotectônica na área. O mapa geológico desta porção da borda norte da Bacia do Araripe, contribui para um melhor entendimento de seu contexto deposicional e pós-deposicional e servindo como base para a execução de futuros trabalhos mais aprofundados na região.

Palavras-chave


Mapeamento de Terrenos Sedimentares; Bacias Interiores do Nordeste; Ambientes Deposicionais; Estratigrafia.

Texto completo:

PDF

Referências


Assine, M. L. 2007. Bacia do Araripe. Boletim de Geociências da Petrobras, 15 (2): 371-389.

Assine, M. L; Perinotto, J. A. J.; Custódio, M. A.; Neumann, V. H.; Varejão, F. G.; Mescolotti, P. C. 2014. Sequências deposicionais do andar Alagoas da Bacia do Araripe, nordeste do Brasil. Boletim de Geociências da Petrobras, 22 (1): 3-28.

Barros, S. D. S; Santos, R. B.; Horn, B. L. D.; Rocha, D. E. G. A.; Amaral, C. A. 2017. Projeto Gesso na Bacia do Araripe, Noroeste de Pernambuco, NE do Brasil. In: 27º SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO NORDESTE, João Pessoa, 2017. Anais, João Pessoa.

Beurlen, K. 1962. A geologia da Chapada do Araripe. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 34 (3): 365-370.

Brito Neves, B. B; Santos, E. J.; Van Schmus, W. R. 2000. Tectonic history of the Borborema Province, Northeastern Brazil. In: Cordani, U. G.; Milani, E.J.; Thomaz Filho, A.; Campos, D. A. (ed.). Tectonic Evolution of South America. Rio de Janeiro, 31º International Geological Congress, 31, p. 151-182.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.