Interdisciplinaridade na arquitetura: A maquete como instrumento articulador no processo de ensino-aprendizagem.

Nicole Ferrer, Luíza Reithler

Resumo


O desenvolvimento de um repertório projetual próprio no aluno é um dos principais objetivos no Ensino Superior de Arquitetura e Urbanismo. Para tanto, uma das formas mais vantajosas de fornecer essa capacidade de análise é através da utilização da maquete, já que, para o bom desenvolvimento do protótipo, o acadêmico, além de juntar todas as informações necessárias, deve organizá-las de maneira a reproduzi-las na ordem correta. Deste modo, o presente trabalho tem por objetivo levantar uma discussão pedagógica-metodológica através de uma experiência de interdisciplinaridade entre disciplinas de teoria e prática em conjunto com o uso de ferramentas tradicionais de representação do espaço. Através de um laboratório de pesquisa, a maquete física configurou-se como ferramenta essencial na articulação da concepção do espaço, fazendo com que esta sirva como contribuição ao processo de projeto.


Palavras-chave


maquete física; interdisciplinaridade; ensino da arquitetura.

Texto completo:

PDF

Referências


BELTRAMIN, R. M. G. Caracterização e sistematização de quatro modelos

de análise gráfica: Clark, Pause, Ching, Baker e Unwin. Dissertação

(mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia

Civil, Arquitetura e Urbanismo. Campinas, SP: [s.n.], 2015. 168p.

COSTA, Lúcio. Considerações sobre arte contemporânea (1940). In: Lúcio

Costa, Registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995. 608p.il.REVISTA GEOMETRIA GRÁFICA, Ano 2018, Vol. 2, n.1. ISSN 2595 – 0797 92

CHING, Francis D. K. Arquitetura – forma, espaço e ordem. Editora: Martins

Fontes, 2008.

DELORS, Jacques. Educação um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez,

288p.

DUNN, Nick. Architectural Modelmaking. Barcelona: Blume, 2010.

FARRELLY, Lorraine. Técnicas de representação. Porto Alegre: Bookman,

176p.

GOLDBERGER, Paul. A relevância da arquitetura. (trad. Roberto Grey). São

Paulo: BEI Comunicações, 2011.

LAWSON, Bryan. Como arquitetos e designers pensam. Editora: Oficina de

Textos, 2011. 296 p.

MASSIRONI, Manfredo. Ver pelo desenho. Lisboa: Edições 70, 2010. 208p.

PINA, Sílvia A. M. G.; BORGES FILHO, Francisco; MARANGONI, Renata F.

Maquetes e modelos como estímulo à criatividade no projeto

arquitetônico. In: KOWALTOWSKI, Doris. O Processo de Projeto Em

Arquitetura da Teoria À Tecnologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

RÊGO, Rejane de Moraes. Educação gráfica e projetação arquitetônica: as

relações a capacidade visiográfica-tridimensional e a utilização da

modelagem geométrica 3D. São Paulo: Blucher Acadêmico, 2011.

ROCHA, Paulo Mendes da. Maquetes de papel. Curitiba: Cosac Naify, 2007.

ROCHA-PEIXOTO, Gustavo; BRONSTEIN, Laís; OLIVEIRA, Beatriz Santos de;

LASSANCE, Guilherme. Às coisas mesmas: conversas com o objeto. In:

ROCHA-PEIXOTO, Gustavo (Org.). Leituras em teoria da Arquitetura, 3:

objetos. Rio de Janeiro: Rio Book’s, 2011. 246p.

RUBIN, Débora. O profissional que o mercado quer. Revista IstoÉ.

Atualizado em: 21/01/2016. Disponível em:

/>. Acesso em: 24/08/2018.

THIESEN, Juares da Silva. A interdisciplinaridade como um movimento

articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de

Educação, 2008. Disponível em:

. Acesso em:

/08/2018.

ZEVI, Bruno. Saber ver a arquitetura. 6a. ed. São Paulo: Editora WMF Martins

Fontes, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.