Ensino de desenho com uso de elementos da linguagem visual voltado à educação ambiental para surdos

Alix Ribeiro da Silva, Vania Ribas Ulbricht

Resumo


Este trabalho é um recorte de uma pesquisa de mestrado que objetivou desenvolver a partir do ensino de desenho com uso de elementos da linguagem visual, uma comunicação alternativa sobre Educação Ambiental para pessoas surdas. Na metodologia da pesquisa fez-se um estudo de caso realizado com seis alunos surdos pertencentes ao Atendimento Educacional Especializado da Escola de Educação Básica Nossa Senhora da Conceição, município de São José – Santa Catarina. O tema Educação Ambiental foi trabalho com os alunos por meio de diversas atividades didáticas, onde foram levantadas palavras-chave que foram usadas nas atividades de desenho. Para criação dos desenhos, trabalhou-se com elementos da linguagem visual (forma, linha, ponto e cor) por meio de atividades de coordenação motora.  Conclui-se que, para os surdos o desenho pictográfico é uma forma de comunicação visual acessível que os auxilia a ter uma vida com autonomia. 


Palavras-chave


desenho; linguagem visual; pessoas surdas; comunicação visual.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C. C. M.; LACERDA, C. B. F. Linguagem e desenho no desenvolvimento da criança surda: implicações histórico-culturais. Psicologia em estudo - Maringá, v. 15, n. 4, p. 695-703, 2010.

BRASIL. Lei nº 9.795, que dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília: 1999.

____ . Constituição da República: Capítulo XI do meio ambiente, art. 225 – Brasília, 1988.

BRUNO, M. M. G.; COELHO, L. L. Discourses and Practices in the Inclusion of Deaf Indians in Differentiated Indigenous Schools. Revista Educação e Realidade, vol.41. Porto Alegre – 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2175-62362016000300681&script=sci_arttext&tlng=en>. Acesso em: 22 ago. 2019.

BUENO, J.; ULBRICHT, V. R.; SPINILLO, G. C.; GARCÍA, L. S. Crianças surdas e ouvintes: um estudo comparativo sobre as preferências de cor, forma e estilo de desenho. Anais do 6th Information Design International Conference, vol. 1 num. 2, São Paulo, 2014.

COUTO, R. C. A Escolarização da linguagem visual: uma leitura dos documentos ao professor. Dissertação de Mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Educação da UFMG, 2000.

COSTA, J. S; ALBUQUERQUE, T. C. C; CARNEIRO-LEÃO A. M. A. Letramento visual e formação de professores: habilidade de leitura de imagens para o ensino de conceitos biológicos. XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis – 2017.

COX, M. Desenho da Criança. 3ª Ed. - São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DERDYK, E. Formas de pensar o desenho: desenvolvimento do grafismo infantil. 5ª ed. - Porto Alegre, RS: Zouk, 2015.

DONDIS, D. A. Sintaxe da linguagem visual. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

DUARTE, M. L.; PIEKAS, M. I. Vocabulário pictográfico para a educação inclusiva. Parte 1 - Animais. Curitiba: Insight, 2013.

GOLDFELD, M. Linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. São Paulo: Plexus, 2002.

GRAVEL, J. S.; O’GARA, J. Communication options for children with hearing loss. Mental Retardation and Developmental Disabilities Research Reviews. Vol. 9, ed. 4, p. 243–251, 2003.

MARINHO, M. L. O ensino da biologia: o intérprete e a geração de sinais. 2007. 144 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Letras, Departamento de Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Universidade de Brasília, Brasília, 2007

MERSELIAN, K. T.; VITALIANO, C. R. Análise sobre a trajetória histórica da educação dos surdos. IX Congresso Nacional de Educação, PUC-PR. 2009.

PERLIN, G.; STROBEL, K. L. Fundamentos da Educação de Surdos. CCE – UFSC, Florianópolis, 2006.

PIEKAS, M. I. Elementos da linguagem visual e ensino de desenhos para crianças cegas. Tese de Doutorado. Florianópolis: UDESC, 2017.

REILY, L. Escola inclusiva: linguagem e mediação. São Paulo: Papirus, 2006.

RIBAS, A. C. Diretrizes para desenvolvimento de ícones digitais acessíveis ao público surdo. Tese de Doutorado apresentado ao Programa de Pós Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, 2018.

SASSAKI, R. K. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão. Versão atualizada, 2011. Disponível em: . Acesso em 13 out. 2019.

NOBRE, R. S. Processo de grafia da língua de sinais uma análise fono-morfológica da escrita em signwriting. Dissertação de Mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em linguística aplicada da UFSC - 2011.

SILVA, J. F. C. O ensino de física com as mãos: libras, bilinguismo e inclusão. 2013. 219 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

SONZA, A. P. Acessibilidade e tecnologia assistiva: pensando a inclusão sociodigital de pessoas com necessidades especiais. Bento Gonçalves: BBB, 2013, 368 p.

STUMPF, M. R. Aprendizagem de escrita de língua de sinais de pelo sistema signwriting: linguas de sinais no papel e no computador. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação da UFRGS - 2005.

WANDERLEY, D. C. Aspectos da leitura e escrita de sinais: estudos de caso com alunos surdos da educação básica e de universitários surdos e ouvintes. Dissertação de Mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em linguística aplicada da UFSC - 2012.

WONG, Wucius. Princípios de forma e desenho. 2. Tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed., Porto Alegre: Bookman, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.