O ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA BAHIA: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA A MELHORIA DA EFICIÊNCIA PÚBLICA

Lindomar Pinto ds Silva, Jocely Santos Caldas Almeida, Neudenir de Sena Filho, Claudio Figueredo Rocha

Resumo


Este trabalho discute a importância do ensino em administração pública (AP) a partirda verificação da existência de cursos e disciplinas de administração pública em nível degraduação no Estado da Bahia. Procurou-se também identificar aspectos presentes na administração pública do estado para reforçar a necessidade de ampliar o ensino de Administração Pública na Bahia e no Brasil. O referencial teórico abordou o ensino de administração pública e especificidades do gestor público na visão de Mintzberg (2006) e Bourgault (2006). Os dados foram coletados em sites das Instituições de ensino superior e do tribunal de contas dos municípios na Bahia. A análise de conteúdo foi utilizada( BARDIN, 2012). Os dados indi- cam uma carência de cursos específicos de graduação nas instituições de ensino superior. Indicam ainda que não há disciplinas em número suficiente que contemplem uma formação adequada do gestor público. Também indicam que há demanda em quantidade significativa no estado para a implementação de cursos de graduação em administração pública, a exemplo
do número significativo de cargos gerenciais e elevado número de incorreções nos processos analisados pelo tribunal de contas. Por fim, discute-se que a valorização desta área de ensino favoreceria a melhoria da gestão do Estado.

Palavras-chave


Ensino de Administração Pública. Gestor Público. Eficiência. Gestão Pública.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2012.

BOURGAUT, J. manager pour le public: introduction et vue d’ensemble. In: MINTZBERG,

H.; BOURGAULT, J. manager em public. Toronto: L’Institut d’Administration Publique du Canada,

, pp.1-10

COELHO, F. Uma Radiografia do Ensino de Graduação em Administração Pública no

Brasil (1995-2006). XXXII Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro. 2008a

___________Revisitando as Origens do Ensino de Graduação em Administração Pública

no Brasil. EnAPG, Salvador, 2008b

___________A Problemática Atual do Ensino de Graduação em Administração Pública

no Brasil. I Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. Recife, 2007.

COELHO, F.; OLENSCKI, A.;CELSO,R. Da Letargia ao Realento: notas sobre o ensino de

graduação em Administração pública no Brasil no entremeio da crise do Estado e da rede-

mocratização no país (1983-1994). EnAPG. Vitória, 2010. COELHO, F. S. ; NICOLINI, A. M. .

Como tudo começou? Apontamentos Históricos sobre a Implantação do Ensino de Graduação

em Administração Pública no Brasil (1952-1965). Temas de administração pública (UNESP.

Araraquara), v. 2, p. 1-15, 2011

EISENHARDT, Kathleen M. Agency Theory: An Assessment and Review. The Academy

of Management Review, Vol. 14, No. 1 (Jan., 1989), pp. 57-74

FADUL, Elvia. M. C. ; SILVA, Lindomar P. da . Retomando o Debate sobre a Reforma do

Estado e a Nova Administração Pública. In: Encontro Nacional da Associação dos Programas

de Pos-Graduação em Administração, 2008, Rio de Janeiro. XXXII EnANPAD. Rio de Janeiro:

ANPAD, 2008.

FISCHER, Tânia. Depoimento sobre as Trajetórias da Qualificação para a Administração

Pública no Brasil e Itinerários Baianos. Cadernos da Fundação Luis Eduardo Magalhães, n.6,

, p. 75-88

FISCHER, T.; NICOLINI, A. Trajetória e tendências do ensino de Administração pública

no Brasil: a hora e a vez do dirigente público. XXXI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, 2007.

FISCHER, Tânia. Administração pública como área de conhecimento e ensino: a trajetória

brasileira. Rio de Janeiro: FGV, v. 24, n. 4, out-dez. 1984.

GAETANI, Francisco. O ensino da administração pública no Brasil em um momento de

inflexão. In: Revista de Administração do Setor Público. Rio de Janeiro, n.4, out./dez. 1999.

GREMAUD, A. P.; VASCONCELLOS, M. A. de S; TONETO Jr, R. Economia brasileira

contemporânea. 5a ed. São Paulo: Atlas, 2004. KEINERT, T.M.M. Administração Pública no

Brasil: crises e mudanças de paradigmas. 2a ed. São Paulo: Annablume, 2000.

MINTZBERG H.. Criando Organizações Eficazes: estrutura em cinco configurações. Ed.

Atlas, 2003

NEWCOMER, K. E. A preparação dos gerentes públicos para o século XXI. Revista do

Serviço Público. Brasília.v.50, n.2, abr.-jun, 2002

_________. Développement d’um modele de management public. In: MINTZBERG, H.;

BOURGAULT, J. manager em public. Toronto: L’Institut d’Administration Publique du Canada,

, pp. 11-29

SILVA, H.; CARNEIRO, M. C.R. História da república brasileira: o governo provisório

-1933. São Paulo: Editora Três, 1975.

TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS. Disponível em:< http://www.tcm.ba.gov.br

> Acesso em : 10 mar.2013

TOLBERT, Pamela S.; ZUCKER, Lynne G. A Institucionalização da Teoria institucional.

In: CLEGG, Stewart R; Hardy, Cynthia; NORD, Walter R. Handbook de Estudos Organizacionais:

modelos de análises e novas questões em estudos organizacionais.3 ed. v.1, São Paulo: Atlas, 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. Graduação em administração. Disponível em

Acesso em: 8 mar. 2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ. Apresentação. disponível em:<

www.uesc.br/cursos/graduacao/bacharelado/administracao/index.php> acesso em: 8 mar.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA. Apresentação. Disponível em:

uneb.br/salvador/dch/administracao/apresentacao/>. Acesso em: 9 mar 2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SATANA. Disponível em:

br/portal/colegiados/administracao/menus/informacoes-gerais> Acesso em: 8 mar. 2013

UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA BAHIA(UESB). Informações Gerais. Curso

Administração. Disponível em . Acesso em:

mar 2013.

ZUCKER, Lyne G. The Role of Institituinalização in Cultural Persistence. In: POWEEL,

Walter W.; DiMMÁGGIO, Paul J. The New Institutionalism in Organi


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B4; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B5; COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO: B5; ECONOMIA: B5; INTERDISCIPLINAR: B5; SOCIOLOGIA: B4. 

 

Publicação e Apoio:

 

 

RGP está indexada em:

 

Instituições de referência para a RGP: