Flexibilização da jornada de trabalho em uma instituição federal de ensino superior: análise da percepção de diferentes atores envolvidos no processo

Ana Teresa Athayde Colnago, Maria de Fátima Bruno Faria

Resumo


Este estudo tem como objetivo a identificação de facilitadores e dificultadores da implementação do processo de flexibilização da jornada de trabalho na Universidade de Brasília, na percepção de diversos atores que atuam na Instituição (dirigentes, gestores, membros do sindicato dos técnicos administrativos e servidores técnico-administrativos). A partir da revisão de literatura, pode-se constatar que o conceito utilizado nesta experiência da Universidade foi o de flexibilização na modalidade de redução de jornada. Com relação às diferentes abordagens teóricas identificadas na revisão de literatura, optou-se pela adoção da abordagem sociológica, representada pela adaptação a novas situações, bem como pela melhoria nas condições laborais e na qualidade de vida dos trabalhadores. Desta forma, foi realizada uma pesquisa aplicada, de natureza descritiva qualitativa, com uso de análise documental e entrevistas individuais semiestruturadas. Foi empregada a técnica de análise de conteúdo para a criação de categorias que expressassem facilitadores e dificultadores deste processo de implementação de flexibilização de jornada, na percepção desses quatro grupos de profissionais. Categorias essas que refletiram fatores relacionados a esse processo de flexibilização e revelaram diversos aspectos que necessitam ser observados na sua gestão para que o processo alcance o êxito esperado.

Texto completo:

PDF

Referências


BELL, Judith. Projeto de pesquisa: guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais.

ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

BILHIM, João Abreu de Faria. Questões Actuais de Gestão de Recursos Humanos. Lisboa. Instituto Superior

de Ciências Sociais e Políticas, 2001, cap. 1.

BOSCH, Gerhard; LEHNDORFF, Steffen. Working-time reduction and employment: experiences in Europe

and economic policy recommendations. Cambridge Journal of Economics, n. 25, p. 209-243, 2001.

BRASIL. Consolidação das Leis do Trabalho. Saraiva, 2007.

BRASIL. Decreto 1.590, de 10 de agosto de 1995. Dispõe sobre a jornada de trabalho dos servidores da Administração

Pública Federal direta, das autarquias e das fundações públicas federais, e dá outras providências. Diário Oficial

da República Federativa do Brasil. Poder Executivo. Brasília, DF, 11 out. 1995.

BRASIL. Decreto 4.836, de 9 de setembro de 2003. Altera a redação do art. 3º do Decreto nº 1.590, de 10

de agosto de 1995, que dispõe sobre a jornada de trabalho dos servidores da Administração Pública Federal direta,

das autarquias e das fundações públicas federais.

Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Poder Executivo. Brasília, DF, 10 set. 2003.

CARNEIRO, T. L.; FERREIRA, M. C. Redução da jornada melhora a qualidade de vida no trabalho? A experiência

de uma organização pública brasileira. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho. Brasília, v. 7, n. 1, p. 131-

, 2007.

CASTILHO, Mario Luiz Balster Moreira de. Reflexos positivos da flexibilização do direito do trabalho no emprego.

BuscaLegis.ccj.ufsc.br. Disponível em: HTTP://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/23409-23411-1-PB.pdf.

Acesso em: 24 nov. 2011.

CETTE, G.; TADDEI, D. Réduire Le temps de travail: de La théorie à La pratique. Paris: Le Livre de Poche,

DAL ROSSO, Sadi. A Jornada de Trabalho na Sociedade: o castigo de Prometeu. São Paulo: LTR, 1996.

DAL ROSSO, Sadi. Jornada de trabalho: duração e intensidade. Revista Ciência e Cultura (SBPC), v. 58, p.

-34, 2006.

DASTMALCHIAN, A.; BLYTON, P. Workplace flexibility and the changing nature of work: an introduction.

Canadian Journal of Administrative Sciences, United Kingdom, Halifax, v. 18, n. 1, p. 1-4, 2001.

FARMER, T. et al. Developing and implementing a triangulation protocol for qualitative health research. Qua-

litative Health Research, v. 16, n. 33, p. 377-394, 2006.

FRACALANZA, Paulo Sérgio. Limites das abordagens microeconômicas da redução da jornada de trabalho.

Revista de Economia. Editora UFPR, v. 34, n. 2 (ano 32), p. 29-47, mai./ago. 2008.

FROEMMING, Lurdes Marlene Seide et al. Inventário de artigos científicos na área de marketing no Brasil. Revista

de Administração Contemporânea. v. 4, n. 2, p. 159-173, maio/ago. 2000.

GASKELL, George. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George (Ed.). Pesquisa

Qualitativa com Texto, Imagem e Som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis, RJ:

Vozes, 2002.

HIRATA, Helena; PRÉTECEILLE, Edmond. Trabalho, exclusão e precarização socioeconômica: o debate das

ciências sociais na França. Caderno CRH, Salvador, n. 37, p. 47-80, jul./dez. 2002.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. 2001.

Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LEWIS, S. Restructuring workplace cultures: the ultimate work-family challenge? Gender in Management, United

Kingdom, Bradford, v.25, n.5, p. 355-365, 2010.

MOCELIN, Daniel Gustavo. Redução da jornada de trabalho e qualidade dos empregos: entre o discurso, a teoria

e a realidade. Revista Sociologia Política, Curitiba, v. 19, n. 38, p. 101-119, fev. 2011.

MUMFORD, Michael D. Managing creative people: strategies and tactics for innovation. 2000.

Human Resource Management Review, v. 10, n. 3, p. 313-351, 2000.

PEREIRA, Rodrigo; GONZAGA, Gustavo. A partilha do trabalho e a dinâmica por trabalhadores e horas. Revista

Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 55, n.1, p. 5-32, jan./mar. 2001.

RICHARDSON, Roberto Jarry; colaboradores PERES, José Augusto de Souza et al. Pesquisa Social: métodos e

técnicas. 3. ed. 11. reimpr. São Paulo: Atlas, 2010.

SARAIVA, Elaine Cristina; GARCIA, Tânia Maria Azevedo; GOMES, Watson Aila. A flexibilização das normas coletivas

de trabalho na redução de salário e da jornada de trabalho. Revista do Curso de Direito da Faculdade de Humanidades

e Direito, v. 6, n. 6, 2009.

STIER, Haya; LEWIN-EPSTEIN, Noah; BRAUN, Michel. Work-family conflict in comparative perspective: the

role of social policies. Research in Social Stratification and Mobility, v. 30, p. 265-279, 2012.

TONELLI, Maria José et al. Produção acadêmica em recursos humanos no Brasil: 1991-2000. RAE - Revista de

Administração de Empresas, p. 105-122, jan./mar. 2003.

VIGNOLI, Vanessa de Almeida. Flexibilização da jornada de trabalho: importância e limitações. São Paulo, 2010.

p. Dissertação (Mestrado em Direito). Faculdade de Direito. Universidade de São Paulo.

ZUPIROLI, Daniela Bonamigo. Jornadas flexíveis: conceito, aplicabilidade e contraditoriedade. Revista Eletrônica

Gestão e Sociedade, v. 1, n. 2, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B4; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B5; COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO: B5; ECONOMIA: B5; INTERDISCIPLINAR: B5; SOCIOLOGIA: B4. 

 

Publicação e Apoio:

 

 

RGP está indexada em:

 

Instituições de referência para a RGP: