Gestão pública do meio ambiente no âmbito de instituições de ensino federais: percepções sobre a atuação da Universidade Federal de São Carlos, Brasil

Analucia Cerri-Arruda, Rodolfo Antônio de Figueiredo

Resumo


As Instituições Públicas devem ser conhecedoras das leis e cumpridoras das mesmas, utilizando os seus aparatos institucionais para a execução das políticas ambientais. Dessa forma, este trabalho objetiva realizar um levantamento das atividades e propostas na Universidade Federal de São Carlos campus de Araras (SP), referentes à gestão e ao uso dos recursos ambientais. Entrevistas semiestruturadas foram realizadas com servidores, além de consultas às fontes bibliográficas e outros documentos oficiais. Verificou-se que a gestão ambiental conta com um órgão instituído oficialmente desde 1993, a Coordenadoria Especial para o Meio Ambiente, e que o mesmo necessitava de reestruturação para sua atuação multicampi. Em relação à percepção dos entrevistados sobre a gestão ambiental no campus de Araras, pode-se observar que essa se resumiu às ações específicas e localizadas ao longo dos anos, mas que recentemente contou com comissões instituídas para cuidar dos assuntos ambientais. A maioria das ações foi realizada em função de autuações de órgãos ambientais ou através de atividades isoladas. Evidencia-se que o êxito das propostas dependerá da adoção de um projeto comum e do engajamento de todos os servidores da instituição, uma vez que em meados de 2013 foi criada a Secretaria Geral de Gestão Ambiental e Sustentabilidade na Universidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. (2009). Agenda ambiental na administração pública. Brasília: MMA.

COIMBRA, J. A. A. Linguagem e percepção ambiental. In: A. Philippi Jr; M. A. Romero; G. C. Bruna (Eds.), Curso de

gestão ambiental, 2009, p. 525-570. São Paulo: Manole.

FIALHO, F. A. P.; MONTIBELLER-FILHO, G.; MACEDO, M.; MITIDIERI, T. C. Gestão da sustentabilidade na era

do conhecimento. Florianópolis: Visual books, 2008. p. 160.

FIGUEIREDO, R. A. Elementos para gestão ambiental urbana: Direito ambiental e urbanístico, políticas públicas e

planejamento ambiental. Análise, 2003, v.4, n. 7, p. 26-34.

FIORILLO, C. A. P. Curso de direito ambiental brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2001, p. 308.

FREITAS, D.; OLIVEIRA, H. T. Universidade Federal de São Carlos (Brasil). In: E. ARBAT, & A. M. GELLI (Eds.)

Ambientalización curricular de los estudios superiores. Girona: Universitat di Girona, 2002, p. 89-108.

FREITAS, D.; OLIVIERA, H. T.; COSTA, G.; KLEIN, P. Diagnóstico do grau de ambientalização curricular no ensino,

pesquisa, extensão e gestão na Universidade Federal de São Carlos – Brasil. In: A. M. GELI, M. JUNYENT, & S.

SÁNCHEZ (Eds.) Ambientalización curricular de los estudios superiores. 3 - Diagnóstico de la ambientalización

curricular de los estudios superiores. Girona: Universitat de Girona, 2003, P. 167-204.

GANDOLFI, S. Impactos das alterações no Código Florestal. In: IV Simpósio de Restauração Ecológica: Desafios

Atuais e Futuros. São Paulo: Instituto de Botânica, 2001, p. 21-25.

GOMES, M. S. Z. Política ambiental como subsídio à gestão do campus da UFSCar, São Carlos (SP), 1999. 92 p.

Dissertação (Mestrado em Ecologia e Recursos Naturais), Universidade Federal de São Carlos, 1999.

LEITE-LOPES, J. S. Sobre processos de “ambientalização” dos conflitos e sobre dilemas da participação. Horizontes

Antropológicos, 2006, v. 12, n. 25, p. 31-64.

MANTOVANI, W. Somos conservadores? Mudanças já! A sociedade, o clima e o Código Florestal. In: IV Simpósio de

Restauração Ecológica: Desafios Atuais e Futuros. São Paulo: Instituto de Botânica, 2011, p. 229-244.

MORIN, E. Ciência com consciência. 13º ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010, p. 341.

NOGUEIRA, M. A. Sofrimento organizacional, democracia e gestão universitária. In: Tovoli, E.M.G; Segatto, J.A;

Nogueira, M.A (orgs.). Gestão Universitária. FCL/UNESP, Araraquara: Cultura Acadêmica, 2005.

OLIVEIRA, H. T.; TEIXEIRA, B. A. N. A temática ambiental na Universidade Federal de São Carlos. Revista Medio

Ambiente AUGM, 1995, v. 1, n. 1, p. 88-94.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL-PDI 2004, Universidade Federal de São Carlos.

PHILIPPI Jr, A.; ROMERO, M. A.; BRUNA, G. C. Curso de gestão ambiental. São Paulo: Manole, 2009. p. 1045.

SCHENINI, P. C.; NASCIMENTO, D. T.; CAMPOS, E. T. Planejamento, gestão e legislação territorial urbana: Uma

abordagem sustentável. Florianópolis: FEPESE, 2006, p. 134.

SILVA, A. D. V. A universidade sustentável. Disponível em: http://www.comscientianimad.ufpr.br/2006/02/acervo_cientifico/

outros_artigos/artigo_alberto.pdf, Acesso em 02 de fevereiro de 2011

SILVA, J. A. A.; NOBRE, A. D.; MANZATTO, C. V.; JOLY, C. A.; RODRIGUES, R. R.; SKORUPA, L. A.; NOBRE, C.

A.; AHRENS, S.; MAY, P. H.; SÁ, T. D. A.; CUNHA, M. C.; RECH FILHO, E. L. O Código Florestal e a ciência:

Contribuições para o diálogo. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/site/arquivos/codigo_florestal_e_a_

ciencia.pdf. Acesso em 16 de novembro de 2011.

UFSCAR. História Centro de Ciências Agrárias. Disponível em: http://www.cca.ufscar.br/historia. Acesso em: 20 de outubro

de 2011


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B4; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B5; COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO: B5; ECONOMIA: B5; INTERDISCIPLINAR: B5; SOCIOLOGIA: B4. 

 

Publicação e Apoio:

 

 

RGP está indexada em:

 

Instituições de referência para a RGP: