Gestão de P&D+i em uma Empresa Pública do Setor Elétrico Brasileiro: decisão estratégica ou imposição regulatória?

Ruy de Quadros Carvalho Carvalho, Glicia Vieira dos Santos, Manoel Clementino de Barros Neto de Barros Neto

Resumo


O objetivo deste paper é mostrar as condições e o potencial para a melhora da eficiência, eficácia e efetividade do programa de P&D regulado pela ANEEL. A metodologia utilizada é a pesquisa-ação: o modelo proposto e testado é fruto da reflexão e resolução de questões organizacionais críticas, aplicadas em uma empresa pública do setor de energia elétrica. A Lei no. 9.991 de 24/06/ 2000 dispõe sobre a obrigatoriedade por parte das empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor de energia elétrica, de investirem parte de sua receita operacional em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Para o efetivo cumprimento das obrigações legais, as empresas elaboram seus Programas Anuais de P&D, composto de projetos que visam desenvolver soluções inovadoras para seus processos, aumentando a eficiência empresarial. No entanto, a urgência de cumprir as determinações contratuais, aliada à pequena experiência da maioria das empresas na condução de atividades e projetos de P&D, levou à paulatina constituição de um modo de implementação e gestão da P&D que não favorece sua otimização e alinhamento aos objetivos das empresas concessionárias e ao próprio desenvolvimento tecnológico do setor elétrico. A abordagem proposta neste trabalho consiste na estruturação dos processos e ferramentas relacionados à gestão da P&D orientada à inovação (P&- D+i) 1 e alinhada à estratégia empresarial. Esses processos compreendem a adoção de procedimentos e ferramentas estruturados e integrados para gerenciar os fluxos decisórios envolvidos no processo de inovação

Texto completo:

PDF

Referências


ANEEL – AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA (2008). Manual do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento

do Setor de Energia Elétrica. Brasília: ANEEL. 67p..

BURGELMAN, R.A.; MAIDIQUE, M.A.; WHEELWRIGHT, S. (2003). Strategic Management of Technology and Innovation.

McGraw-Hill/Irwin Press, New York.

CHERCHIGLIA, L. C. L.; MEIRA, D. M. (2008). Geração de Projetos de Inovação Tecnológica nas Distribuidoras Brasileiras

de Energia Elétrica. Trabalho apresentado no XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia ElétricaSENDI

, 06 a 10 de outubro, Olinda - Pernambuco – Brasil. 12p.;

DINIZ, J. H.; CHERCHIGLIA, L. C. L.; CARVALHO, A. M.; QUADROS, S. V. T. de; TURRA, J. E. M. G.; ABREU, M.

de S. (1999). Trabalho apresentado no XV SNPTEE - Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia

Elétrica. 17 a 22 de outubro de 1999. Foz do Iguaçu – Paraná – Brasil. 6p.;

DODGSON, M. (2000) The Management of Technological Innovation; An International and Strategic Approach, OUP,

Oxford.

FREEMAN, C. (1995) The ‘National System of Innovation’ in Historical Perspective, in Cambridge Journal of Econom-

ics, vol. 19, n. 1, February 1995, pp. 5-24.

KLINE, S. J. e ROSENBERG, N. (1986), “An Overview of Innovation”, in R. Landau e N. Rosenberg (eds.), “The Positive

Sum Strategy – Harnessing Technology for Economic Growth”, Washington, DC, National Academy Press.

LIMA, L. O. S. de; MARTINS-FILHO, M. A. R. (2008). Proposta de Avaliação de Resultados de Programas de P&D na

Eletronorte. Monografia apresentada ao curso de especialização em Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica no

Setor de Energia Elétrica. 35p.;

LUNDVALL, B. (1992) National Systems of Innovation - Towards a Theory of Innovation and Interactive Learning,

Pinter, London.

NELSON, R. (ed.). (1993) National Innovation Systems: A Comparative Analysis. New York: Oxford University Press.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. (1997). Criação do Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Elsevier. 358p.

NOOTEBOOM, B. (2004), Inter-firm collaboration, learning & networks - An integrated approach, Routledge, London.

OECD (1996) The Knowledge-Based Economy, [OCDE/GD(96)102], Paris, OECD.

QUADROS, R.; VIEIRA, G. (2008). Gestão Estratégica da P&D na CEB – Companhia Energética de Brasília. III Relatório

Quadrimestral. 47p.

QUADROS, R. (2008). Aprendendo a inovar: padrões de gestão da inovação tecnológica em empresas brasileiras. Texto

apresentado na VIII Conferência Nacional da ANPEI, 30 p..

QUADROS, R; VILHA, A. M. (2006). Tecnologias de Informação no Gerenciamento do Processo de Inovação. Revista

Fonte – PRODEMGE – Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais, Ano 3, Nº. 6, Minas

Gerais, jul/dez, pp. 129-133.

RODRIGUES, N.; FRADE, L. C. S.; CARVALHO, J. M. de; SANTOS, A. M. da C. (2008). Prêmio Muiraquitã de Inova-

ção Tecnológica da Eletronorte - Uma ação de Incentivo à Criatividade e Inovação. Trabalho apresentado no XVIII

Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica- SENDI 2008, 06 a 10 de outubro, Olinda - Pernambuco

– Brasil. 12p.

SOARES, F. R.; QUADROS, R. (2007). Avaliação do Processo de Gerenciamento de Portfolio de Projetos de P&D: Caso

CEMIG. Trabalho apresentado no XII Seminário de Gestión tecnológica ALTEC 2007, Buenos Aires, outubro. 16 p.

TIDD, J., BESSANT, J.; PAVITT, Keith. (2005) Managing Innovation: integrating. technological, managerial organizational

change. 3 ed. McGraw-Hill, New York.

VASCONCELLOS, E. (Org.) (1992). Gerenciamento da tecnologia: um instrumento para a. competitividade empresarial.

Editora Edgard Blucher, São Paulo. 330p


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B4; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B5; COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO: B5; ECONOMIA: B5; INTERDISCIPLINAR: B5; SOCIOLOGIA: B4. 

 

Publicação e Apoio:

 

 

RGP está indexada em:

 

Instituições de referência para a RGP: