A corrupção no estado: Uma análise histórica e institucionalista a partir das contribuições de Raymundo Faoro e Sérgio Buarque de Holanda

Herton Castiglioni Lopes

Resumo


O objetivo do trabalho é fazer uma análise histórica e institucionalista da corrupção no estado a partirdas interpretações do Brasil de Raymundo Faoro e Sérgio Buarque de Holanda. Ao longo do trabalhoprocura-se demonstrar que a corrupção está relacionada à concepção de Estamento Burocrático deFaoro e Homem Cordial de Holanda. No primeiro caso, o estamento translada de Portugal ao Brasilcom nossos colonizadores e faz com que o estado nacional seja composto por pessoas que colocam osinteresses privados à frente dos interesses públicos. No segundo, a corrupção é explicada pela ideia dehomem cordial, que penetra no estado brasileiro e faz com que as relações pessoais sobreponham-seàs impessoais, incentivando práticas que não são compatíveis com um estado eficiente. A partir dasinterpretações históricas de Faoro e Holanda e com o referencial de Veblen demonstra-se que a corrupçãoé uma instituição enraizada em nossa sociedade e, por isso, de tão difícil erradicação.

Texto completo:

PDF

Referências


CENTRO DE REFERÊNCIA DO INTERESSE PÚBLICO. Relatório do projeto cor-rupção, democracia e interesse público.

Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

CONCEIÇÃO. O.A.C. A contribuição das abordagens institucionalistas para a consti-tuição de uma teoria econômica das

instituições. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 23, n. 1, p. 77-106 2002.

____________. Além da Transação: Uma Comparação do Pensamento dos Instituciona-listas com os Evolucionários e

Pós-Keynesianos. Revista Anpec, 2007. Disponível em http://www.anpec.org.br/revista/vol8/vol8n3p621_642.pdf. Acesso

/ de março de 2012.

DEWEY, J. (1922). Human Nature and Conduct: an introduction to social psycholo-gy. New York: Henry Holt and Company.

FAORO, R. Os Donos do Poder: formação do patronato político brasileiro. 3ª ed. São Paulo: Globo, 2001.

FIESPE. Relatório Corrupção: custos econômicos e propostas de combate. Fiespe, 2012. Disponível em http://www.fiesp.

com.br/competitividade/downloads/custo%20economico%20da%20corrupcao%20-%20final.pdf. Acesso 20 de Março

de 2012.

FRAGOSO, J; BICALHO, M. F.; GOUVEA, M.F. O antigo regime dos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa. Rio de

Janeiro: Civilização brasileira, 2001.

FREIRE, G. Casa Grande & Senzala. 34º ed. Rio de janeiro: Record, 1998.

HODGSON. G. M. From micro to macro: the concept of emergence and the role of in-stitutions. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL

INSTITUIÇÕES E DESEN-VOLVIMENTO ECONÔMICO: UMA PERSPECTIVA COMPARATIVA

SO-BRE A REFORMA DO ESTADO, 1997, Rio de Janeiro. Anais do Seminário Internacional Instituições e Desenvolvimento

Econômico: uma perspectiva comparativa sobre a reforma do estado. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

_____. The hidden persuaders: institutions and individuals in economic theory. Cam-bridge Journal of Economics, Oxford,

v. 27, n. 2, p. 159-75, mar. 2002.

______. Downward causation - some second thoughts. Watford (UK), 2011. Disponí-vel em:

info/downward-causation.htm>. Acesso em: 26 ago. 2011.

_____. Choice, Habit and Evolution. Journal of Evolutionary Economics. 20(1), Jan-uary 2010, p. 1-18

______. Institucional economics: surveying the “old” and the “new”. Metroeconomica, Oxford [s. l.], v. 44, n. 1, p. 1-28,

HODGSON, G.M. Institutions and individuals: interaction and evolution. Organization Studies, Thousand Oaks (USA),

v. 28, n. 1, p. 95-116, 2007.

HODGSON, G.M; JIANG, S. La economía de la corrupción y la corrupción de la eco-nomía: una perspectiva institucionalista.

Revista de Economía Institucional. Vol. 10, nº 18, primeiro semestre de 2008, p. 55-80

HOLANDA. S. B. Raízes do Brasil. 26ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro, 2012. Disponí-vel em:

sgspub/localizarseries/localizarSeries.do? me-thod=prepararTelaLocalizarSeries>. Acesso em: 10 de Março de 2011.

NOGUERÓL. L. P. Instituições da América Portuguesa: uma herança maldita? Texto para discussão. Disponível em

www.ufrgs.br/ppge. Acesso em 10 de Fevereiro de 2008.

OSER, J. Prefácio da classe ociosa. In: VEBLEN, T. B. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições.

São Paulo: Abril Cultural, 1983.

TRANSPARENCY INTERNATIONAL. Corruption Perceptions Index (CPI). Dis-ponível em http://www.transparency.

org/policy_research/surveys_indices/cpi. Acesso 15 de Março de 2012.

VEBLEN, T. B. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

__________(1919). The place of science in modern civilization and other essays. New York : Huebsch.

VEJA. O tamanho do rombo nos cofres públicos: R$ 5.850.000.000,00. Disponível em http://www.terra.com.br/noticias/

infograficos/ranking-corrupcao/ranking-corrupcao-0. Acesso em 05 de Março de 2012.

WEBER, M. Coleção Grandes Cientistas Sociais. Coor. Florestan Fernandes. 7ª ed. Editora Ática, 2005


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B4; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B5; COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO: B5; ECONOMIA: B5; INTERDISCIPLINAR: B5; SOCIOLOGIA: B4. 

 

Publicação e Apoio:

 

 

RGP está indexada em:

 

Instituições de referência para a RGP: