AS DESPESAS MUNICIPAIS EM SAÚDE IMPACTAM A ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE DOS MUNICÍPIOS MINEIROS?

Lucas Maia dos Santos, Márcio Augusto Gonçalves, Cleopatra Charles

Resumo


Este artigo tem o objetivo de avaliar o impacto das despesas municipais em saúde na Atenção Básica à Saúde(AB) dos municípios de Minas Gerais. Propomos um modelo teórico para avaliação das políticas públicas deAB por meio de um conjunto de painéis com efeitos fixos, usando dados dos anos de 2000 a 2013. Os resultadosmostraram que os gastos municipais com saúde impactaram a expansão do acesso à AB e outros níveis de atenção àsaúde. Apresentamos evidências de que o Ministério da Saúde vem aumentado a responsabilidade dos municípiosna gestão da atenção básica da saúde no Estado de Minas Gerais por meio da alocação de recursos financeiros, oque por sua vez, implica na consolidação da AB como estratégia de reorganização das Redes de Atenção à Saúde(RAS).

Texto completo:

PDF

Referências


ALFRADIQUE, Maria Elmira; BONOLO, Palmira de Fátima; DOURADO, Inês; LIMA-COSTA, Maria Fernanda; MACINKO, James;

MENDONÇA, Claunara Schilling; OLIVEIRA, Veneza Berenice; SAMPAIO, Luís Fernando Rolim; SIMONI, Carmen de; TURCI,

Maria Aparecida. Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para

medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP - Brasil). Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n.6, 1337-1349p., 2009.

BILLOR, Nedret; HADI, Ali S.; VELLEMAN, Paul F. BACON. Blocked adaptive computationally efficient outlier nominators.

Computational Statistics & Data Analysis, v. 34, 279-289p., 2000.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado

Federal, 1988, 292p.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria Executiva. Departamento de apoio à Descentralização. Coordenação-Geral de Apoio à

Gestão Descentralizada. Diretrizes operacionais dos Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Coordenação-Geral de Apoio

à Gestão Descentralizada – Brasília, 2006, 76p, ISBN 85-334-0960-5.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de

Atenção Básica. 4 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/

prt0648_28_03_2006.html>. Acesso em: 05de mar. 2006.BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento. Avaliação Econômica em

Saúde: desafios para a gestão no Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2008a, 104p. ISBN 978-85-334-1443-3.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 221, de 17 de Abril de 2008. Lista Brasileira de Internações

por Condições Sensíveis à Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2008b. Disponível em:

PORTARIAS/Port2008/PT-221.htm>. Acesso em: 05 de março 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e

Tecnologia. Diretrizes Metodológicas: estudos de avaliação econômica de tecnologias em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009,

p, ISBN 978-85-334-1574-4.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Base de cálculo e aplicação mínima pelos entes federados em ações e serviços

públicos de saúde. Brasília: Coordenação-Geral de Economia de Saúde, 2012a. Acesso em:

pdf/2013/outubro/02/basedecalculoeaplicacao-021013.pdf>. Disponível em: 02 fev. 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE. DEPART AMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA.

Política Nacional da Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012b. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/

gm/2011/prt2488_21_10_2011.html>. Acesso em: 05 de março 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Economia da Saúde, investimentos e Desenvolvimento. Despesas

com ações e serviços públicos de saúde financiadas por recursos próprios. Brasília: Ministério da Saúde, 2012c. Disponível em:

. Acesso em: 10 fev. 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria Executiva. Base de cálculo e aplicação mínima pelos entes federados em ações e

serviços públicos de saúde. Brasília: Coordenação-Geral de Economia de Saúde, 2012e. Acesso em: < http://portalsaude.saude.gov.br/

images/pdf/2013/outubro/02/basedecalculoeaplicacao-021013.pdf >. Disponível em: 02 fev. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Comissão Intergestores Tripartite. Resolução nº 5, de 19 de junho de 2013. Dispõe

sobre as regras do processo de pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores para os anos de 2013, com vistas ao fortalecimento

do planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) e a implementação do Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde (COAP).

Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2013/res0005_19_06_2013.html.

Acesso em: 28 fev. 2015. 16:00:00.

CARVALHO-FILHA, Franscidalma Soares Sousa; NOGUEIRA, Lídya Tolstenko; MEDINA, Maria Guadalupe. Avaliação do controle

de hipertensão e diabetes na Atenção Básica: perspectiva de profissionais e usuários. Saúde Debate, v.38, especial, 265-278p., 2014.

CASTRO, Ana Luisa Barros; MACHADO, Criatiani Vieira Machado. A política federal de atenção básica à saúde no Brasil nos anos

Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.22, n.2, 447-506p., 2012.

CONILL, E.M. Ensaio histórico-conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e

da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.24, n.1, S2-S27p., 2008.

CRESWELL, J. W. Research design: Qualitative, quantitative, and mixed methods approaches (4th ed.).Thousand Oaks, CA: Sage,

DONABEDIAN, Avedis. The Quality of Care: how can it be assessed?. The Journal of the American Medical Association, v. 260, n.

, p. 1743-1748, 1988.

FARIA, C. A. P. A política da avaliação de políticas públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 20, n. 59, p. 97-

, out. 2005.

FONTENELLE, L. F. Estratégia Saúde da Família e Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária (CSAP): revisão

sistemática da literatura. 2011. Dissertação (Mestre em Medicina) - Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de

Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo: 2011. 44f.GIOVANELLA, L. A atenção primária à saúde nos países da União Européia: configurações e reformas organizacionais na

década de 1990. Caderno de Saúde Pública, v.22, n.5, 951-963p., 2006.

HENRIQUE, F.; CALVO, M.C.M. Grau de implantação do Programa Saúde da Família e indicadores sociais. Ciência e Saúde

Coletiva, v.14, n.1, 1359-1365p., 2009.

IBAÑEZ, N.; ROCHA, J.S.Y.; CASTRO, P.C.; RIBEIRO, M.C.S.A.; FORSTER, A.C.; NOVAES, M.H. VIANA, A.L.A. Avaliação do

desempenho da atenção básica no Estado de São Paulo. Ciência e Saúde Coletiva, v.11, n.3, 683-703p., 2006.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2010.

MENDES, Luiz Villarinho Pereira; LUIZA, Vera Lucia; CAMPOS, Mônica Rodrigues. Uso racional de medicamentos entre

indivíduos com diabetes mellitus e hipertensão arterial no município do Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v.19,

n.6, 1673-1684p., 2014.

NEDEL, Fúlvio B.; FACCHINI, Luiz A.; MARTÍN-MATEO, Miguel; VIEIRA, Lúcia A, S.; THUMÉ, Elaine. Programa Saúde da

Família e condições sensíveis à atenção primária em Bagé (RS). Revista de Saúde Pública, v. 42, n. 6, 1041-52p., 2008.

POLGRIANE, Rúbia Bastos Soares; LEAL, Maria do Carmo; AMORIM, Maria Helena Costa; ZANDONADE, Eliana; SANTOS

NETO, Edson Theodoro. Adequação do processo de assistência pré-natal segundo critérios do Programa de Humanização do Prénatal

e Nascimento e da Organização Mundial de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v.19, n.7, 1999-2010p., 2014.

RAMOS, M. P., SCHABBACH, L. M. O estado da arte da avaliação de políticas públicas: conceituação e exemplos de avaliação no

Brasil. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 5, 1271-1294, 2012.

SANCHO, Leyla Gomes; DAIN, Sulamis. Avaliação em Saúde e Avaliação Econômica em Saúde: introdução ao debate sobre seus

pontos de interseção. Ciência & Saúde Coletiva, v.173, n.3, 765-774p., 2012.

STARFIELD, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco Brasil, Ministério

da Saúde, 2004.

STATACORP, STATA: RELEASE 13, Statistical Software, College Station, TX: StataCorp LP, 2013.

TREVISAN, A.P.; BELLEN, H.M. Avaliação de políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. Revista de

Administração Pública, v.42, n.3, 529-50p., maio/junho, 2008.

VIELLAS, Elaine Fernandes; DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira; DIAS, Marcos Augusto Bastos; GAMA, Silvana Granado

Nogueira; THEME FILHA, Mariza Miranda; COSTA, Janaina Viana; BASTOS, Maria Helena; LEAL, Maria do Carmo. Assistência

pré-natal no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.30, suplementar, S85-S100p., 2014.

WEBER, Sylvain. Bacon: an effective way to detect outliers in multivariate data using Stata (and Mata). The Stata Journal, v.10,

n.3, 331-338p., 2010.

WOOLDRIDGE, J.M. Introductory Econometrics: a modern approach, ISSBN 13-978-1-111-53104-1, Mason: Cengage Learning,2012. 912p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B4; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B5; COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO: B5; ECONOMIA: B5; INTERDISCIPLINAR: B5; SOCIOLOGIA: B4. 

 

Publicação e Apoio:

 

 

RGP está indexada em:

 

Instituições de referência para a RGP: