PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS EM ORGANIZAÇÕES MILITARES: VIABILIDADE ECONÔMICA E BENEFÍCIOS AMBIENTAIS NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS DE ENERGIA SOLAR

Alberto Jorge de Souza Júnior, Wanderlei José Ghilardi, Samia Mercado Alvarenga, Sérgio Rossi Madruga

Resumo


Frente ao contexto de gradação ambiental e escassez de recursos naturais, as energias renováveis emergem como uma alternativa ambientalmente limpa. Nesse sentido, no Brasil, a crise hídrica e o aumento das emissões de gases de efeito estufa faz com que a energia solar ganhe espaço inclusive no setor público. Este trabalho objetiva quantificar os custos com a implantação de um sistema fotovoltaico de modo a analisar a viabilidade econômica bem como os benefícios ambientais decorrente da instalação de projetos de geração de energia solar nas Organizações Militares de Santa Maria – RS. Para tanto, adotou-se o método descritivo de caráter quantitativo que envolve a coleta a análise de dados assim como cálculos de viabilidade de projetos, estimavas de tempo de retorno do investimento e projeções relativas as emissões gases de efeito estufa. Os principais resultados sugerem que a economia de energia gerada após a instalação dos projetos, pode no longo prazo, compensar os custos iniciais com investimentos. No que se refere ao tempo de retorno, quando considerada a vida útil do equipamento, a viabilidade econômica foi corroborada. Por fim, as projeções apontam para níveis consideravelmente menores de poluentes.


Palavras-chave


Energia solar; Viabilidade; Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABINEE, June. Propostas para inserção da energia solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira. Site da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Avaible in http://www. abinee. org. br/informac/arquivos/profotov. pdf, 2012.

ABRAMOVAY, Ricardo. Desenvolvimento sustentável: qual a estratégia para o Brasil?. Novos estudos-CEBRAP, n. 87, p. 97-113, 2010.

ASSAF NETO, Alexandre. Finanças corporativas e valor. São Paulo: Atlas, 2003.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA– ANEEL. Resolução Normativa n. 482, de 17 de abril de 2012. Estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica, o sistema de compensação de energia elétrica. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em . Acesso: em 24 jun. 2017.

BRASIL. Portaria n.1.138-CmtEx, de 22 de novembro de 2010 – Estabelece a Política de Gestão Ambiental do Exército Brasileiro

CASARO, Marcio Mendes; MARTINS, Denizar Cruz. Processamento eletrônico da energia solar fotovoltaica em sistemas conectados à rede elétrica. Revista Controle & Automação, v. 21, n. 2, p. 159-172, 2010.

DOS SANTOS, Talía Simões et al. Análise da eficiência energética, ambiental e econômica entre lâmpadas de LED e convencionais. Eng Sanit Ambient, v. 20, n. 4, p. 595-602, 2015.

DUTRA, José Carlos do Nascimento et al. Uma Análise do Panorama das Regiões Missões e Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul sob o Prisma da Energia Eólica e Solar Fotovoltaica como Fontes Alternativas de Energia. Revista Paranaense de Desenvolvimento-RPD, v. 34, n. 124, p. 225-243, 2013.

ELETROPAULO, AES. Bandeiras tarifárias. Disponível em:

. Acesso em: 31 out. 2017.

ESPOSITO, Alexandre Siciliano; FUCHS, Paulo Gustavo. Desenvolvimento tecnológico e inserção da energia solar no Brasil. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, n. 40, p. 85-113, 2013.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, v. 5, n. 61, p. 16-17, 2002.

GRÄTZEL; 2001 Photoelectrochemical cells . Nature 2001, 114-338.

GREENPEACE. Greenpeace Brasil. Aquarela energética, 2012. Disponível em:

%81tica.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2017.

HIRSCHFELD, Henrique. Engenharia econômica e análise de custos: aplicações práticas para economistas, engenheiros, analistas de investimentos e administradores. 7. ed.5. reimp. São Paulo: Atlas, 2009.

HOUGHTON, John; JENKINS, Geoffrey; EPHRAUMS, J. IPCC First Assessment Report 1990, Scientific Assessment of Climate Change: Report of Working Group 1. 1990.

INSTITUTO BRASILEIRO DE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS – IBP. Crescimento da produção de petróleo na América Latina, 2016. Disponível em:

. Acesso em: 18 jul. 2017.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. In: Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 2011.

PATERNIANI, José Euclides Stipp et al. Desinfecção de efluentes com tratamento terciário utilizando energia solar (SODIS): avaliação do uso do dispositivo para concentração dos raios solares. Engenharia Sanitária e Ambiental, 2005.

YIN, Robert et al. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ROSA, Victor Hugo da Silva. Energia elétrica renovável em pequenas comunidades no Brasil: em busca de um modelo sustentável. 2010.

SILVA, Rutelly Marques da. Energia solar no Brasil: dos incentivos ao desafios. 2015.

SOLARIS, Brasil. Implantação de um sistema fotovoltaico, 2015. Disponível em:

. Acesso em: 16 jun. 2017.

SOUZA, Acilon Batista. Projetos de investimentos de capital: elaboração. Análise e Tomada de Decisão. São Paulo: Atlas, 2003.A. B. Projetos de investimentos de capital: elaboração, análise, tomada de decisão. São Paulo: Atlas, 2003.

VICHI, Flavio Maron et al. Energia, meio ambiente e economia: o Brasil no contexto mundial. Química Nova, v. 32, n. 3, p. 757-767, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B4; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B5; COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO: B5; ECONOMIA: B5; INTERDISCIPLINAR: B5; SOCIOLOGIA: B4. 

 

Publicação e Apoio:

 

 

RGP está indexada em:

 

Instituições de referência para a RGP: