A Emergência do Manguebeat e as Classificações de Gênero

Tatiana Lima

Resumo


O trabalho aborda o uso do gênero de uma perspectiva midiática, no campo da música popular massiva. Toma como exemplos os álbuns de estréia das bandas Mundo Livre S/A e Chico Science & Nação Zumbi, intitulados Samba esquema noise e Da Lama ao Caos, respectivamente. Inicialmente é abordado o conceito de música popular massiva e como as classificações de gênero são empregadas nessa esfera. Em seguida, é realizado um estudo de caso abordando como os dois grupos pernambucanos foram rotulados na época de sua emergência midiática – a primeira metade da década de 1990. Discute-se quais são os pontos de convergência e quais são as distinções sonoras entre os álbuns Samba esquema noise e Da Lama ao Caos. Em seguida, verifica-se como o Mundo Livre S/A e Chico Science & Nação Zumbi foram rotulados no âmbito das diversas instâncias da comunidade musical: gravadoras e selos, lojas de disco, rádios, crítica musical, ouvintes e músicos. Nas considerações finais é realizada uma breve conceituação de cena musical, que dá suporte a um comparativo entre a configuração da cena e do gênero na música popular massiva.

Palavras-chave


manguebeat; música popular massiva; gênero; cena musical

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Marco A. Lampirônicos iluminam novo pop baiano. Publicada em: 24/09/2001.

Disponível em:

BIN, Marcos Paulo. Universo Musical. Disponível em: . Acesso em: 20/01/2007.

CARDOSO FILHO, Jorge, JANOTTI JR, Jeder Silveira. A música popular massiva, o mainstream e o underground: trajetórias e caminhos da música na cultura midiática, 2006 (mimeo).

DIAS, Márcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo Editorial, 2000.

FABBRI, Franco. Tipos, categorias, generos musicales. ¿Hace falta una teoria? Conferência de abertura da International Association for the Study of Popular Music (IASPM). Havana: 2006 (mimeo).

FABBRI, Franco. A Theory of Musical Genres: Two Applications. In HORN, David e TAGG, Philip (org.). Popular Music Perspectives. Londres e Göteborg: IASPM, 1982.

FRITH, Simon. La industria de la musica popular. In: FRITH, Simon, STRAW, Will, STREET, John (org). La outra historia Del rock. Barcelona: Ediciones Robinbook, 2006. p 53-86.

FRITH, Simon. La constituición de la música rock como industria transnacional. In: PUIG, Luis, TALENS, Jenaro (eds.). Las culturas del rock. Madri: Pre-textos; Fudación Bancaja, 1999. p.11-30.

FRITH, Simon. Performing Rites: on the value of popular music. Massachusetts: Havard University Press, 1996.

JANOTTI JR., Jeder Silveira. À procura da batida perfeita: a importância do gênero musical para a análise da música popular massiva. In: Eco-Pós. Vol. 6, nº 2. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

JANOTTI JR., Jeder Silveira. Dos Gêneros Textuais, Dos Discursos e Das Canções: uma proposta de análise da música popular massiva a partir da noção de gênero midiático. In: XIV Encontro Anual da Compós, 2005b, Niterói. Textos dos GTs da XIV Compós, 2005.

JANOTTI JR., Jeder Silveira. Mídia e música popular massiva: dos gêneros musicais aos cenários urbanos inscritos nas canções. In: PRYSTHON, Ângela (org). Imagens da cidade: espaços urbanos na comunicação e cultura contemporâneas. Porto Alegre: Sulina, 2006b. p.131-147.

LIMA, Tatiana. Manguebeat – da cena ao álbum: performances midiáticas de Mundo Livre S/A e Chico Science & Nação Zumbi. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Salvador: FACOM/UFBA, 2007.

LINS, Renato. A maré encheu. Mangue Beat: breve histórico do seu nascimento. Disponível em: . Acesso em: 20/01/2007.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos Meios às Mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2. ed. Trad. Ronald Polito e Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003.

NEGUS, Keith. Los gêneros musicales y la cultura de las multinacionales. Barcelona: Paidós, 2005.

NETO. Moisés. A rapsódia afrociberdélica. Recife: Comunicarte, 2000.

NETO. Moisés. Chico Science, Zeroquatro & Faces do Subúrbio: a cena recifense. Recife: edição do autor, 2004.

SÁ, Simone Pereira de. Funk - música popular eletrônica!?. In: XVI Encontro da COMPÒS, 2007, Curitiba. Anais da XVI COMPÓS. Curitiba : Universidade Tuiuti Paraná, 2007

SANTOS, José Henrique de Freitas. Afroplagicombinadoresciberdélicos: afrociberdelia e plagicombinação nas letras de Chico Science & Nação Zumbi. Salvador: Quarteto, 2006.

STRAW, Will. Comunities and scenes in popular music. In: GELDER, Ken e

THORNTON, Sarah (org). The Subcultures Readers. Londres: Routledge, 1997. p. 494-505.

TELES, José. Do Frevo ao Manguebeat. São Paulo: Editora 34, 2000.

THÉBERGE, Paul. ‘Conectados’: la tecnologia e la musica popular. In: FRITH, Simon, STRAW, Will, STREET, John (org). La outra historia Del rock. Barcelona: Ediciones Robinbook, 2006. p 25-52

TROTTA, Felipe. Música e mercado: a força das classificações. In: Revista Contemporânea, vol. 3, nº 2, Salvador: Edufba, 2005. p. 181-196.

VALENTE, Heloísa de Araújo Duarte. As Vozes da Canção na Mídia. São Paulo: Via Lettera; Fapesp, 2003.

VICENTE, Ana Valéria. Maracatu rural - o espetáculo como espaço social: um estudo sobre a valorização do popular através da imprensa e da mídia. Recife: Ed. Associação Reviva, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Diretórios e Indexadores: Sumários, LivRe/CNEN, Periódicos UFPE, .periódicos. CAPES (em atualização).

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil