Políticas Editoriais

Foco e Escopo

A Idéias é a mais famosa publicação dos alunos da Faculdade de Direito do Recife e iniciou sua publicação no ano de 1967 por iniciativa própria do corpo discente da instituição.
 
Nesse período, sua periodicidade era mensal e procurava refletir os mais diversos temas jurídicos em voga, em especial pelo contexto da Ditadura Militar no Brasil.
 
Sua publicação foi suspensa no ano de 1971 e, em 2017, o DADSF, em iniciativa conjunta com a Biblioteca Setorial de Direito-UFPE e o Programa de Pós-graduação em Direito da UFPE, está dando continuidade a sua publicação.
 
 
 

 

Políticas de Seção

Expediente

Dados catalográficos e técnicos da Revista.

Não verificado Submissões abertas Não verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Artigos

Política padrão de seção

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

Toda submissão passa por três etapas de avaliação:

(1) Avaliação preliminar, a qual se restringe em uma análise da formatação do texto e analise superficial do conteúdo para evitar plágios e submissões com formatação inadequada.

(2) Double peer review. São selecionados dois avaliadores do conselho de pareceristas ad hoc, convidados pela equipe editorial. Os avaliadores são convidados conforme sua qualificação e afinidade com o artigo submetido.

(3) Decisão editorial. A decisão editorial é tomada em conjunto do comite editorial da revista e baseada na análise preliminar, nos pareceres dos avaliadores e no escopo da IDÉIAS.

Todo o procedimento é feito pela paltaforma do periódico e auxiliado por e-mail institucional da Idéias. 

Os trabalhos serão recebidos como já autorizados para a publicação, sem qualquer ônus para a revista ou para a Instituição, tendo em vista o seu caráter científico. Os trabalhos deverão ser submetidos em nosso portal

 

Periodicidade

Anual

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

Diretrizes Editoriais da IDÉIAS

São Diretrizes da IDÉIAS como periódico comprometido com a Ciência:

 

I Estudo ético e integro.

Consideramos como um estudo ético e integro aquele que obedece as diretrizes básicas do CNPQ, quais são:

  1. O autor deve sempre dar crédito a todas as fontes que fundamentam diretamente seu trabalho.
  2. Toda citação in verbis de outro autor deve ser colocada entre aspas.
  3. Quando se resume um texto alheio, o autor deve procurar reproduzir o significado exato das ideias ou fatos apresentados pelo autor original, que deve ser citado.
  4. Quando em dúvida se um conceito ou fato é de conhecimento comum, não se deve deixar de fazer as citações adequadas.
  5. Quando se submete um manuscrito para publicação contendo informações, conclusões ou dados que já foram disseminados de forma significativa (p.ex. apresentado em conferência, divulgado na internet), o autor deve indicar claramente aos editores e leitores a existência da divulgação prévia da informação.
  6. Se os resultados de um estudo único complexo podem ser apresentados como um todo coesivo, não é considerado ético que eles sejam fragmentados em manuscritos individuais.
  7. Para evitar qualquer caracterização de autoplágio, o uso de textos e trabalhos anteriores do próprio autor deve ser assinalado, com as devidas referências e citações.
  8. O autor deve assegurar-se da correção de cada citação e que cada citação na bibliografia corresponda a uma citação no texto do manuscrito. O autor deve dar crédito também aos autores que primeiro relataram a observação ou ideia que está sendo apresentada.
  9. Quando estiver descrevendo o trabalho de outros, o autor não deve confiar em resumo secundário desse trabalho, o que pode levar a uma descrição falha do trabalho citado. Sempre que possível consultar a literatura original.
  10. Se um autor tiver necessidade de citar uma fonte secundária (p.ex. uma revisão) para descrever o conteúdo de uma fonte primária (p. ex. um artigo empírico de um periódico), ele deve certificar-se da sua correção e sempre indicar a fonte original da informação que está sendo relatada.
  11. A inclusão intencional de referências de relevância questionável com a finalidade de manipular fatores de impacto ou aumentar a probabilidade de aceitação do manuscrito é prática eticamente inaceitável.
  12. Quando for necessário utilizar informações de outra fonte, o autor deve escrever de tal modo que fique claro aos leitores quais ideias são suas e quais são oriundas das fontes consultadas.
  13. O autor tem a responsabilidade ética de relatar evidências que contrariem seu ponto de vista, sempre que existirem. Ademais, as evidências usadas em apoio a suas posições devem ser metodologicamente sólidas. Quando for necessário recorrer a estudos que apresentem deficiências metodológicas, estatísticas ou outras, tais defeitos devem ser claramente apontados aos leitores.
  14. O autor tem a obrigação ética de relatar todos os aspectos do estudo que possam ser importantes para a reprodutibilidade independente de sua pesquisa.
  15. Qualquer alteração dos resultados iniciais obtidos, como a eliminação de discrepâncias ou o uso de métodos estatísticos alternativos, deve ser claramente descrita junto com uma justificativa racional para o emprego de tais procedimentos.
  16. A inclusão de autores no manuscrito deve ser discutida antes de começar a colaboração e deve se fundamentar em orientações já estabelecidas, tais como as do International Committee of Medical Journal Editors.
  17. Somente as pessoas que emprestaram contribuição significativa ao trabalho merecem autoria em um manuscrito. Por contribuição significativa entende-se realização de experimentos, participação na elaboração do planejamento experimental, análise de resultados ou elaboração do corpo do manuscrito. Empréstimo de equipamentos, obtenção de financiamento ou supervisão geral, por si só não justificam a inclusão de novos autores, que devem ser objeto de agradecimento.
  18. A colaboração entre docentes e estudantes deve seguir os mesmos critérios. Os supervisores devem cuidar para que não se incluam na autoria estudantes com pequena ou nenhuma contribuição nem excluir aqueles que efetivamente participaram do trabalho.  Autoria fantasma em Ciência é eticamente inaceitável.
  19. Todos os autores de um trabalho são responsáveis pela veracidade e idoneidade do trabalho, cabendo ao primeiro autor e ao autor correspondente responsabilidade integral, e aos demais autores responsabilidade pelas suas contribuições individuais.
  20. Os autores devem ser capazes de descrever, quando solicitados, a sua contribuição pessoal ao trabalho.
  21. Todo trabalho de pesquisa deve ser conduzido dentro de padrões éticos na sua execução, seja com animais ou com seres humanos.

Presumimos que todos os artigos submetidos são feitos em consonancia a essas diretrizes e que qualquer infração, a princípio, não fora feita de má fé.

II. Do procedimento editorial da RAFDR e conflito de interesse.

A IDÉIAS garante a todos os autores um procedimento TRANSPARENTE, JUSTO e OBJETIVO na avaliação dos manuscritos.

Nenhum Editor ou avaliador deve participar do procedimento se verificar Conflito de Interesses com o manuscrito.

Consideramos conflito de interesse o comprometimento da capacidade de julgar de forma isenta e objetiva um manuscrito pela existência de:

a) interesse particular do Editor com os autores, seja este financeiro ou não;

b) o avaliador ter auxiliado na elaboração do manuscrito que está avaliando.

 

III.Plágio e autoplágio.

Consideramos plágio o uso não referenciado de idéias publicadas e não publicadas, configurando ato de apropriação indevida de ideia de terceiro.

Consideramos autoplágio o uso não referenciado de ideias próprias publicadas em outro meio, configurando ato de esquecimento de prévia publicação. Se configurado dolo no auto-plágio, este será considerado plágio.

Verificado a existência de plágio em uma submissão esta será imediatamente rejeitada e o usuário bloqueado do sistema da RAFDR, sendo considerado persona non grata para nosso periódico.

Verificado a existência de plágio em um artigo publicado por nossa Revista, este será imediatamente retirado do site e o autor da ideia plagiada será informado pela equipe editorial da Revista sobre o ocorrido para proceder com os devidos tramites legais para punicão do plagiador.

Verificada a existência de autoplágio em uma submissão está será imediatamente rejeitada e o usuário sera ADVERTIDO pela RAFDR sobre o ato de esquecimento e os prejuízos que geram para os editores tal ato de esquecimento.

Autores que reiteradamente cometerem autoplágio, serão bloqueados do sistema da Revista a partir do 04 (quarto) ato de esquecimento.

Todo o procedimento é confidencial e não será tornado público, salvo solicitação dos interessados ou de órgãos oficiais.


IV. Má-conduta e fraude 

Considera-se má-conduta o ato que, intencionalmente, procura prejudicar a IDÉIAS ocasionado prejuízos ao periódico no que tange a sua qualidade e reputação como periódico científico.

Considera-se fraude o ato que, intencionalmente, procura prejudicar a IDÉIAS ocasionando prejuízos ao periódico no que tange a sua qualidade, reputação e causando danos financeiros.

Atos aqui definidos podem ser causados por autores, avaliadores e editores.

Os atos aqui definidos são configurados, exemplificativamente, pelo não cumprimento das condições de submissão do manuscrito, pela omissão da existência de conflito de interesses e na utilização de parametros puramente ideologicos-políticos na avaliação e decisão editorial.

As medidas de punição para má-conduta/fraude serão conforme a gravidade da conduta, podendo variar de simples advertência até a exclusão do autor, editor, avaliador da Revista.

V. Referências

Para elaboração das presentes diretrizes, foram consultados o guia COPE e as diretrizes do CNPQ.