Lélia Gonzalez e o papel da educação para o feminismo negro brasileiro

Michely Peres de ANDRADE

Resumo


Durante a década de 1980, o movimento negro brasileiro se afirmou como importante sujeito político no processo de redemocratização do país. Junto aos demais companheiros de militância, as mulheres negras elegeram o acesso à educação como uma das principais bandeiras de emancipação política, por considerá-la importante não apenas na conquista de direitos e melhores condições de vida, mas devido ao seu potencial no processo de reconhecimento étnico-racial e descolonização cultural e epistemológica. Nesse cenário, destaca-se a contribuição da intelectual e ativista do feminismo negro Lélia Gonzalez, cujo engajamento foi fundamental para o questionamento das variadas formas de colonialidade e como estas se expressam na cultura brasileira. A partir da pesquisa realizada por Nilma Lino Gomes (2017) sobre o movimento negro educador, além de reflexões de autoras e autores latinoamericanos sobre colonialidade e educação decolonial, o artigo busca analisar os significados atribuídos à educação por intelectuais e ativistas do feminismo negro, em especial, Lélia Gonzalez. Referência na luta contra as opressões de gênero, raça e classe no Brasil, além de propor uma descolonização da educação, sua produção acadêmica e militância tomaram como principais alvos de questionamento e denúncia a universalidade da categoria mulher, construída no interior do movimento feminista e, por outro lado, o machismo e as desigualdades de gênero presentes no movimento negro.

Educação. Colonialidade. Feminismo Negro. Lélia Gonzalez.

 

Lélia Gonzalez: the meanings attributed to education by intellectuals and activists of black feminism

Abstract

 During the 1980s, the Brazilian black movement affirmed itself as an important political subject in the process of redemocratization of the country. Along with the other members of the militancy, black women chose access to education as one of the main flags of political emancipation, considering it important not only in the conquest of rights and better conditions of life, but because of its potential in the recognition process ethno-racial and cultural and epistemological decolonization. In this scenario, the contribution of the feminist activist and black feminist Lélia Gonzalez stands out, whose engagement was fundamental for the questioning of the various forms of coloniality and how these are expressed in Brazilian culture. From the research carried out by Nilma Lino Gomes (2017) on the black educator movement, in addition to the contributions and reflections of Latin American authors and authors on coloniality and decolonial education, the article seeks to analyze the meanings attributed to education by intellectuals and activists of black feminism, in particular, Lélia Gonzalez. Reference in the struggle against the oppressions of race, gender and class in Brazil, besides proposing a decolonization of education, its academic production and militancy took as main targets of questioning and denunciation the universality of the category woman, built within the feminist movement and, on the other hand, the machismo and the gender inequalities present in the black movement.

Education. Coloniality. Black Feminism. Lélia Gonzalez


Texto completo:

PDF

Referências


BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

CANDAU, Vera. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, n.01, abr. 2010. p.15-40

CARDOSO, Cláudia. Outras falas: Feminismos na perspectiva de mulheres negras. Tese de doutorado, salvador, Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2012.

______. Contribuições críticas do feminismo negro para o empoderamento das mulheres. In: Feminismos Plurais. Coleção Gênero, Cultura e Mudança. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2016.

DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. São Paulo: Editora Boitempo, 2016. FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FELISBERTO, Fernanda. Escritoras negras e seu fortalecimento intelectual. Ed. 70, 2012.

FIGUEIREDO, Eurídice. Os brasileiros retornados à África. Cadernos de Letras da UFF - Dossiê: Diálogos Interamericanos, n. 38, 2009. p. 51-70

GOMES, Nilma Lino. Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educ. Soc. Campinas: v. 33, n. 120, jul-set. 2012. p. 727-744

______. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo Sem Fronteiras. v. 12, 2012. p. 98-109

GONZALEZ, Lelia. O movimento negro na última década. In: Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982.

______. Por um feminismo Afro-latino-americano. Arquivo Círculo Palmarino, 1988.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: A educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

LUGONES, Maria. Colonialid y Genero. Tabula Rasa. Bogotá, Colombia, n.9: 73-101, julio-diciembre, 2008.

______. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas. Florianópolis, 22(3): 320, setembro-dezembro, 2014.

MIGNOLO, W. Histórias locais – projetos globais: colonialidade, saberes subalternizados e pensamento liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

MUNANGA, Kabengele. Educação e diversidade cultural. Cadernos PENESB, v. 10, p. 37-54, 2010.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro. São Paulo: Editora Perspectiva, 2017.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. CLACSO. Buenos Aires: 2005.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Coleção Feminismos Plurais, Belo Horizonte: Editora Letramento, 2017.

RIOS, Flávia; RATTS, Alex. GONZALEZ, Lélia. Retratos do Brasil Negro. São Paulo: Selo Negro, 2010.

SANTOS, Boaventura. Uma Sociologia das ausências e uma Sociologia das emergências. In: A gramática do tempo. São Paulo: Cortez, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.