Identificação de conflitos de uso e cobertura da terra na área de proteção ambiental – APA do lago de sobradinho, Bahia

Saulo Medrado dos Santos, Rosemary Matos da Silva, Iug Lopes, Eden Cavalcanti de Albuquerque Junior

Abstract


A bacia do Rio São Francisco está sofrendo um intenso processo de degradação ambiental provocado pelo desenvolvimento desordenado e pela falta de políticas ambientais. No vale do submédio São Francisco, a vegetação existente nas margens dos rios foi gradativamente eliminada pelo processo extrativista e parte dela convertida em áreas agrícolas. O objetivo desse estudo foi mapear as Áreas de Preservação Permanente (APPs) na Área de Proteção Ambiental (APA) do Lago de Sobradinho e identificar a ocorrência de conflitos do uso e ocupação do solo, mediante a utilização de tecnologias da geoinformação. O total das APPs mapeadas corresponde a 4,95% da área da APA. Os usos mais conflitantes correspondem às áreas utilizadas para agricultura de sequeiro ou pastagem e às áreas irrigadas, que ocorrem em 41,58% das APPs. Constatou-se ainda, que as áreas antropizadas estão localizadas principalmente às margens do Lago de Sobradinho, o que pode contribuir com a redução da qualidade da água e do solo e com o surgimento de processos erosivos.

Keywords


Área de Preservação Permanente; Geoinformação; Código Florestal Brasileiro

References


ARCOVERDE, S. N. S.; SALVIANO, A. M.; OLSZEVSKI, N. MELO, S. F. de; CUNHA, T. J. F.; GIONGO, V.; PEREIRA, J. de. S. Qualidade física de solos em uso agrícola na região semiárida do estado da Bahia. Rev. Bras. Ciênc. Solo. v. 39, n. 5, Viçosa, MG, set./out. 2015.

ARRUDA, R.C de. Agrotóxicos e saúde na versão da medicina tradicional chinesa: O caso da agricultura irrigada do açude Epitácio Pessoa. (dissertação). João Pessoa-PA: Universidade Federal da Paraíba, 2008.

BOIN, M. N. Áreas de Preservação Permanente: uma visão prática. In: CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE URBANISMO E MEIO AMBIENTE (org.). Manual Prático da Promotoria de Justiça do Meio Ambiente. São Paulo: Impressa Oficial do Estado de São Paulo, 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2016.

BORGES, L. A. C.; REZENDE, J. L. P. de; PEREIRA, J. A. A.; COELHO JÚNIOR, L. M. D.; BARROS, A. de. Áreas de preservação permanente na legislação ambiental brasileira. Ciência Rural, Santa Maria, v. 41, n. 7, p. 1202-1210, jul. 2011.

BRASIL. Lei Federal nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis n. 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória n. 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2016.

CARDOSO, C. A.; DIAS, H. C. T.; MARTINS, S. V.; SOARES, C. P. B Caracterização hidroambiental da bacia hidrográfica do Rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 2, p. 249-256, 2006.

CHESF. Companhia Hidroelétrica do São Francisco. 2001. Registro Ambiental do Lago de Sobradinho. Diretoria de Engenharia e Construção – DE; Superintendência de Planejamento da Expansão – SPE, Departamento de Meio Ambiente – DMA, Recife, 2001.

COELHO, A. L. N. ; CUNHA, S. B. ; DEINA, M. A., 2014. Transbordamento das águas do Rio Doce na planície deltaica em dezembro de 2013. Revista Geonorte , v. 10, p. 490-496.

COSTA, F. H. S.; PETTA, R. A.; LIMA, R. F. S.; MEDEIROS, C. N. Determinação da vulnerabilidade ambiental na bacia potiguar, região de Macau (RN), utilizando sistemas de informações geográficas. Revista Brasileira de Cartografia, v. 58, n. 2, p. 119-127, 2006.

COSTA, T. C. C.; SOUZA, M. G.; BRITES, R. S. Delimitação e caracterização de áreas de preservação permanente, por meio de um sistema de informações geográficas (SIG). VIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. São José dos Campos, SP: MCT/INPE, Natal, RN, p. 121-127, 1996.

CUNHA, T. J. F.; GIONGO, V.; SÁ, I. B.; ALVAREZ, I. A.; NETO, M. B. de O. Estado atual de degradação das terras nas margens do Rio São Francisco nos municípios de Petrolina, Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista. Petrolina: Embrapa Semiárido. Documentos, 234, 12p., 2010.

EUGENIO, F. C.; SANTOS, A. R.; LOUZADA, F. L. R. O.; PIMENTEL, L. B.; MOULIN, J. V. Identificação das áreas de preservação permanente no município de Alegre utilizando geotecnologia. Cerne, Lavras, MG, v. 17, n. 4, p.563-571, 2011.

ESRI. ArcGIS Desktop: release 10. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute, 2015.

IBRAHIM, F. I. D. Introdução ao geoprocessamento ambiental. São Paulo: Erica, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Bases cartográficas. Malhas digitais 2016. Disponível em: < http://mapas.ibge.gov.br/bases-e-referenciais/bases-cartograficas/malhas-digitais.html>. Acesso em: 2 nov. 2015.

INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS/BA (INEMA). Plano de gestão da área de proteção ambiental do lago de Sobradinho. Juazeiro, BA: Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná – FUPEF, 2015.

JACOMINE, P. K. T.; CAVALCANTI, A. C.; RIBEIRO, M. R.; MONTENEGRO, J. O.; BURGOS, N.; MELO FILHO, H. F. R.; FORMIGA, R. A. Levantamento exploratório: reconhecimento de solos da margem esquerda do Rio São Francisco, Estado da Bahia. v. 1. Recife, PE: SUDENE-DRN, 404 p., 1976.

LUPPI, A. S. L.; SANTOS, A. R.; EUGENIO, F. C.; FEITOSA, L. S. Utilização de geotecnologia para o mapeamento de áreas de preservação permanente no município de João Neiva, ES. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 1, p. 13-22, 2015.

MAHMOOD, K. Reservoir sedimentation: impact, extent and mitigation. Technical Paper, n. 71. Washington D.C., EUA: The World Bank, 1987. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2016.

METZGER, J. O Código Florestal tem base científica? Conservação e Natureza, Curitiba, PR, v. 8, n. 1, p. 92-99, 2010.

MOREIRA, T. R.; SANTOS, A. R.; DALFI, R. L.; CAMPOS, R. F.; SANTOS, G. M. A. D.; EUGENIO, F. C. Confronto do uso e ocupação da terra em APPs no município de Muqui, ES. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 2, p. 141-152, 2015.

NEOCORP DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS E SERVIÇOS; COMPANHIA HIDROELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO (CHESF). Plano ambiental de conservação e uso do entorno do reservatório artificial da usina hidrelétrica de Sobradinho (BA) PACUERA. 6º relatório técnico. 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2015.

OLIVEIRA, J. G.; NOWATZKI, A.; SANTOS, L. J. C., 2017. Utilização de atributos topográficos no mapeamento de suscetibilidade erosiva na área rural do município de Paranavaí - PR. Revista Cerrados, v. 15, p. 201.

ONS - OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO. Volume útil dos principais reservatórios. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2016.

REIS, L. C.; REIS, T. E. S.; SAAB, O. J. G. A. Diagnóstico das áreas de preservação permanente das microbacias hidrográficas do município de Bandeirantes, Paraná. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 30, n. 3, p. 527- 536, 2009.

SILVA, E. D. da. Desterritorialização sob as águas de sobradinho: ganhos e desenganos. (dissertação). Salvador, BA: Universidade Federal da Bahia - UFBA, 2010.

SILVA, C. R.; SILVA, A. P.; MENEZES, F. J. S.; MENDES, A. M. S.; SILVA, P. T. S. Avaliação da qualidade da água para fins de irrigação na região do entorno do lago de Sobradinho. Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, 27, Goiânia, 2011.

ROVANI, F. F. M.; CASSOL, R. Áreas de preservação permanente e conflitos ambientais no município de Barão de Cotegipe, RS: uma análise com auxílio das geotecnologias. Boletim Goiano. Geogr. Goiânia, GO, v. 32, n. 2, p. 51-70, jul./dez. 2012.




DOI: https://doi.org/10.29150/jhrs.v8.2.p67-77

Copyright (c) 2018 Journal of Hyperspectral Remote Sensing

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Indexadores / Base de Dados:

 

Google Scholar

 

Journal of Hyperspectral Remote Sensing - eISSN: 2237-2202