ANÁLISE DA PERFORMANCE AMBIENTAL DE UM ASSENTAMENTO RURAL NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

Maykon Targino da Silva

Abstract


As atividades agrícolas estão diretamente relacionadas ao desenvolvimento sustentável, por serem desenvolvidas em contato com o meio ambiente, onde podem ocasionar fortes impactos nele. Nesse sentido, deve-se buscar uma relação harmoniosa entre as atividades produtivas e a conservação do meio ambiente, para garantir ao produtor rural a rentabilidade de seus investimentos e sustentabilidade ambiental das atividades produtivas. Nesse contexto, está inserida a área de estudo no município de Baraúnas/RN no semiárido potiguar. Assim, o objetivo geral deste trabalho foi estimar o índice de (sustentabilidade) performance ambiental do Assentamento Associação Familiar da Agricultura da Primavera, Baraúnas/RN, através da metodologia desenvolvida pelo Banco do Nordeste do Brasil. Para alcançar esse objetivo foram aplicados questionários com os produtores dessa comunidade. Os produtores fazem uso de algumas medidas benéficas ao meio ambiente (uso de adubos orgânicos; uso de equipamentos de proteção quando é aplicado os agrotóxicos; medidas de proteção dos solos, entre outros), contudo, práticas existentes como a utilização de água salobra na irrigação, a queima indiscriminada de resíduos sólidos e a não utilização de energias alternativas acabam diminuindo o desempenho ambiental. O desempenho ambiental do assentamento foi classificado como médio, há a necessidade de assistência técnica aos produtores para que sejam eliminadas as práticas danosas ao meio ambiente e, por conseguinte, aumente o desempenho ambiental.


Keywords


Agricultura, sustentabilidade, meio ambiente

References


Barbieri, J.C., 1997. Desenvolvimento e Meio Ambiente: as estratégias de mudanças da agenda 21. Vozes, Petrópolis.

Banco do Nordeste., 1999. Guia do Meio Ambiente para o Produtor Rural. Banco do Nordeste, Fortaleza.

Banco do Nordeste., 2008. Manual de Impactos Ambientais: orientações básicas sobre aspectos ambientais na atividade produtiva. Fortaleza, Banco do Nordeste.

BRASIL., 1997. Política Nacional de Recursos Hídricos, n° 9433.

BRASIL., 1998. Lei de Crimes Ambientais, n° 9605.

Bellen, H.M., 2006. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Ed. FGV, Rio de Janeiro.

Bouni, C., 1996. Indicateurs de développement durable: l’enjeu d’organiser une information hétérogène pour préparer une décision multi-critère. In: COLLOQUE INTERNATIONAL SUR INDICATEURS DE DÉVELOPPEMENT DURABLE.

Carneiro Neto, J.A., 2005. Índice de sustenta-bilidade ambiental para os perímetros irrigados Ayres de Sousa e Araras Norte. Dissertação (Mestrado). Fortaleza, UFC. Disponível em: . Acesso em: 6 jan. 2012.

Caporal, F.R., Costabeber, J.A., 2002. Agroe-cologia. Enfoque científico e estratégico. Agro-ecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável 3, 13-16.

Dias, P., 2009. Gestão Ambiental: responsabili-dade social e sustentabilidade. São Paulo, Atlas.

Firmino, R.G., Fonseca, M.B., 2008. Uma vi-são econômica dos impactos ambientais causa-dos pela expansão da Agricultura. In: Encontro de Extensão 10. UFPB-PRAC.

Gadotti, M., 1998. Pedagogia da terra: Ecope-dagogia e educação sustentável. In: Torres, A (Org.), Paulo Freire y la agenda de la educación latinoamericana en el siglo XXI, pp. 81-132. Disponível em: http://168.96.200.17/ar/libros/torres/gadotti.pdf. Acesso em: 09 nov. 2018.

Guivant, J.S., 2001. A agricultura sustentável na perspectiva das ciências sociais. In: Viola, E.J. (orgs). Meio ambiente, desenvolvimento e cidadania: desafios para as ciências sociais. Cortez, São Paulo, pp. 99-155.

Gil, A.C., 2010. Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas, São Paulo.

Gomes, E.G., Melo, J.C.C.B.S., Mangabeira, A.F.C., 2009. Estudo da sustentabilidade agrícola em um município amazônico com análise envoltória de dados. Pesquisa Operacional 1, 23-42.

Hatchuel, G., Poquet, G., 1992. Indicateurs sur la qualité de vie urbaine et sur l’environnement. Credoc, Paris.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística., 2010. Censo Demográfico 2010: Sinopse.

IDEMA. Instituto de Defesa do Meio Ambiente. 2010. Perfil do seu município: Baraúna.

Lima, F.J.R., 2007. Indicadores para analisar e promover o desenvolvimento regional sustentável. Revista de Economia e Relações Internacionais 5, 43-58.

Magalhães Júnior, A.P., 2007. Indicadores ambientais e recursos hídricos: realidade e perspectivas para o Brasil a partir da experiência francesa. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro.

Marzall, K., Almeida. J., 2000. Indicadores de sustentabilidade para Agroecossistemas: estado da arte, limites e potencialidades de uma nova ferramenta para avaliar o desenvolvimento sustentável. Cadernos de Ciência & Tecnologia 1, p.41-59.

Santos, M.F.R.F., Xavier, L.F., Peixoto, J.A.A., 2008. Estudo do indicador de sustentabilidade “Pegada Ecológica”: Uma abordagem teórico-empírico. Revista Gerenciais 1, p.29-37.

SICHE, R. Agostinho, F., Ortega, E., Romeiro, A., 2007. Índices Versus Indicadores: Precisões Conceituais Na Discussão da Sustentabilidade De Países. Ambiente & Sociedade 2, 137-148.

Passos, H.D.B., Pires, M.M., Rita, L.M.S. 2007. O uso de Indicadores Ambientais para Agroecossistemas. In: VII Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica, Fortaleza.

Tayra, F., Ribeiro, H., 2006. Modelos de indi-cadores de sustentabilidade: síntese e avaliação crítica das principais experiências. Saúde e Sociedade 15, 84-95.

Veiga, I.E., 2003. Agricultura. In: Trigueiro, A. (org.) Meio Ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas áreas de conhecimento. Sextante, Rio de Janeiro, pp. 199-214.

WWF BRASIL. World Wide Fund for Nature. Site institucional. Disponível em: . Acessado em: 07 jan. 2018.




Copyright (c) 2019 Journal of Hyperspectral Remote Sensing

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Indexadores / Base de Dados:

 

Google Scholar

 

Journal of Hyperspectral Remote Sensing - eISSN: 2237-2202