Analysis of the natural vulnerability of soil loss in the Uruburetama Massif/CE

EDUARDO VIANA FREIRES, Cláudio Ângelo Silva Neto, Maykon Targino Silva, Cynthia Romariz Duarte, César Ulisses Vieira Veríssimo, Daniel Dantas Moreira Gomes

Abstract


O conhecimento das características físicas é determinado como essencial para garantia. Nesse sentido, o levantamento das variáveis morfométricas é fundamental para orientar o planejamento do uso da terra. Diante do exposto, uma pesquisa que teve como alvo uma vulnerabilidade natural à degradação do solo do vertigem do maciço de Uruburetama / CE, com o apoio da avaliação das variáveis morfométricas extraídas do modelo de ensino digital (MDE) ALOS PALSAR. Para as diretrizes de orientação, horizontal e vertical, foram integradas em um ambiente SIG, com base em uma análise multicritério, onde foram incluídos pesos em percentagens para cada variável e notas de 10 a 10 para suas aulas de aulas temáticas.O mapa de vulnerabilidade natural à perda de solos gerados, verificou-se que todas as virtudes do continente declaram que o maciço de vulnerabilidade é muito alto. As encostas dos maciços leste-oeste, norte-nordeste e norte-nordestino com maior incidência de vulnerabilidade são mais altas que as de tais regiões. Esta relação tem uma relação de relevo, já que estas áreas estão na porção de barlavento do maciço. As classes de vulnerability são muito baixas e distribuídas principalmente na área da vertigem úmida, que são à prova de sertaneja, e em alguns setores de valores, onde o processo de pedogênese é superior à morfogênese.Verificou-se que todas as virtudes do encadeamento do talude úmido do maciço tiveram uma vulnerabilidade média a muito alta. As encostas dos maciços leste-oeste, norte-nordeste e norte-nordeste com a maior incidência de vulnerabilidade são mais altas que as chuvas nessas setores. Esta facto tem relação com a prestação de relevo, já que estas áreas estão na porção de barlavento do maciço. As classes de vulnerabilidade são muito baixas e distribuídas principalmente na área da vertigem úmida, que correspondem à depressão sertaneja, e em alguns setores de valores, onde o processo de pedogênese é superior à morfogênese. Verificou-se que todas as virtudes do encadeamento do talude úmido do maciço tiveram uma vulnerabilidade média a muito alta.As encostas dos maciços leste-oeste, norte-nordeste e norte-nordeste com a maior incidência de vulnerabilidade são mais altas que as chuvas nessas setores. Esta facto tem relação com a prestação de relevo, já que estas áreas estão na porção de barlavento do maciço. As classes de vulnerabilidade são muito baixas e distribuídas principalmente na área da vertigem úmida, que correspondem à depressão sertaneja, e em alguns setores de valores, onde o processo de pedogênese é superior à morfogênese. Os maciços norte-sul e especialmente nordeste-sudoeste são a maior ocorrência de vulnerabilidade muito alta nas maiores indústrias.Esta facto tem relação com a prestação de relevo, já que estas áreas estão na porção de barlavento do maciço. As classes de vulnerabilidade são muito baixas e distribuídas principalmente na área da vertigem úmida, que correspondem à depressão sertaneja, e em alguns setores de valores, onde o processo de pedogênese é superior à morfogênese. Os maciços norte-sul e especialmente nordeste-sudoeste são a maior ocorrência de vulnerabilidade muito alta nas maiores indústrias. Esta facto tem relação com a prestação de relevo, já que estas áreas estão na porção de barlavento do maciço.As classes de vulnerabilidade são muito baixas e distribuídas principalmente na área da vertigem úmida, que correspondem à depressão sertaneja, e em alguns setores de valores, onde o processo de pedogênese é superior à morfogênese.


Keywords


MDE, ALOS PALSAR, geomorphometric variables, GIS.

References


Bispo P. C; Almeida, C. M; Valeriano, M. M; Me-deiros, J. S; Crepani, E., 2011. Análise da sus-cetibilidade aos movimentos de massa em São Sebastião (SP) com o uso de métodos de infe-rência espacial. Geociências (UNESP) 30, 467-478.

Brandão, R.L., 2003. Zoneamento Geoambiental da região de Irauçuba/CE. Texto explicativo. Carta Geoambiental. Fortaleza: CPRM.

Brandão, R.L; Freitas, L.C.B., 2014. Geodiversidade do estado do Ceará. Fortaleza: CPRM, 214 p.

Carmo, A. M.; Souto, M. V. S.; Duarte, C. R., 2015. Análise qualitativa e comparativa das variáveis morfométricas da região serrana da porção sul do maciço central do Ceará geradas através dos MDE: SRTM, ASTER GDEM E TOPODATA. Revista Brasileira de Cartografia 67, 603-620.

Crepani, E.; Medeiros, J.S. de; Azevedo, L.G. de; Hernandez Filho, P.; Florenzano, T.G.; D.V., 1996. Curso de sensoriamento remoto aplicado ao zoneamento ecológico-econômico. Metodologia desenvolvida para subsidiar o Zoneamento Ecológico-Econômico e capacitar os técnicos dos Estados da Amazônia Legal. INPE, São Jose dos Campos. 18p.

Coelho Netto, A.L., 2005. Hidrologia de encosta na interface com a geomorfologia. In: Guerra, A.J.T.; Cunha, S. B. Geomorfologia – Uma atualização de bases e conceitos. 6ª ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp.149 – 209.

Dylik, J., 1968. Notion du versant em geomorphologie. Bulletin de l’Académie Polonaise des Scienses 16, 125-132.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2009. Sistema brasileiro de classificação de solos. EMBRAPA-SPI, Rio de Janeiro. 367 p.

Guerra, A.J.T., 2005. Processos erosivos nas encostas. In: Guerra, A.J.T.; Cunha, S. B. Geomorfologia – Uma atualização de bases e conceitos. 6ª ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp.149 – 209.

Hilberts, A.G.J.; Loona, E.E.V.; Trocha, P.A.; Paniconi, C., 2004. The hillslope-storage Bous-sinesq model for non-constant bedrock slope. Journal of Hydrology 291, 160-173.

Jorge, M.C.O; Guerra, A.J.T., 2013. Erosão dos solos e movimentos de massa: recuperação de áreas degradadas com técnicas de bioengenharia e prevenção de acidentes. In: Guerra, A J.T; Jorge, M.C.O. Processos erosivos e recuperação de áreas degradadas. Oficina de Textos, São Paulo, pp.7-30.

Lei 12.651/2012, dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 15 de maio de 2019.

Loureiro, H.A.S; Ferreira, S.M., 2013. O papel das geotecnologias no estudo de feições erosivas e de movimentos de massa no Brasil. In: Guerra, A J.T; Jorge, M.C.O. Processos erosivos e recuperação de áreas degradadas. Oficina de Textos, São Paulo, pp.95-125.

Pradhan, B., 2010. Remote sensing and GIS-based landslide hazard analysis and cross-validation using multivariate logistic regression model on three test areas in Malaysia. Advances in Space Research 45, 1244-1256.

Ross, J.L.S., 2004. Geomorfologia aplicada aos EIAs-RIMA. In: Guerra, A.J.T.; Cunha, S.B. Geomorfologia e meio ambiente. 5ª ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp.291 - 335.

Silva Neto, J.C.A., 2013. Avaliação da vulnerabi-lidade à perda de solos na bacia do rio Salobra, MS, com base nas formas do terreno. Revista Geografia (Londrina) 22, 05-25.

Souza, M.J.N; Oliveira, V.P.V., 2006. Os enclaves úmidos e sub-úmidos do semi-árido do Nordeste Brasileiro. Mercator - Revista de Geografia da UFC 9, 85-102.

Torres, F.T.P; Marques Neto, R.; Menezes, S.O., 2012. Introdução à Geomorfologia. Cengage Learning, São Paulo.

Tricart, J., 1977. Ecodinâmica. IBGE, Rio de Janeiro.

Valeriano, M.M., 2008. Topodata: guia para utilização de dados geomorfológicos locais. INPE, São José dos Campos.




DOI: https://doi.org/10.29150/jhrs.v9.3.p116-130

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexadores / Base de Dados:

 

Google Scholar

 

Journal of Hyperspectral Remote Sensing - eISSN: 2237-2202