Identificação de rotas para implementação de corredores ecológicos entre unidades de conservação

Giselle Lemos Moreira, José Antônio Aleixo da Silva, Rinaldo Luiz Caraciolo Ferreira, Géssyca Fernanda de Sena Oliveira, José Jorge Monteiro Junior, Máida Cynthia Duca de Lima

Abstract


A Mata Atlântica é um dos ecossistemas mais fragmentados e mais explorados do Brasil. Os principais impactos negativos dessa fragmentação incluem a dificuldade de dispersão e locomoção da biota, redução do fluxo gênico e da variabilidade genética e risco de extinção de espécies. Este estudo teve como objetivo identificar, com o auxílio de geotecnologias, possíveis rotas para implementação de corredores ecológico (CEs) que possam ampliar a conectividade entre Unidades de Conservação (UCs) em uma região de Mata Atlântica no Nordeste do Brasil. O estudo foi conduzido na Bacia Hidrográfica do Rio Gurjaú (BHRG), utilizando como base cartográfica: a rede hidrográfica e rodoviária, as UCs, o uso e ocupação da terra do ano de 2018, e o Modelo Digital de Elevação Topodata da região em estudo. Foram identificadas, por meio da técnica de análise de caminhos de menor custo, possíveis rotas para a implementação de CEs entre as cinco UCs presentes na BHRG. Após o processamento de dados foram obtidas duas rotas distintas, com quatro CEs cada uma. Os CEs propostos pela rota 1 somam uma área que correspondem a 4,60% da extensão total da BHRG, enquanto que os CEs propostos pela rota 2 correspondem a aproximadamente 5,04%. A partir dos resultados obtidos, conclui-se que a rota 1 é o trajeto mais favorável a implantação dos CEs, visto que, necessita de menor área de implantação e, consequentemente, menor conflito de uso e ocupação de terra, além de possuir aproximadamente 13% da área em APPs, o que facilita sua criação e manutenção.


Keywords


Mata Atlântica; geotecnologias; fragmentação florestal

References


Araújo, L. S.; Komonen, A.; Lopes-Andrade, C. 2015. Influences of landscape structure on diversity of beetles associated with bracket fungi in Brazilian Atlantic Forest. Biol. Conserv., v. 191, p. 659-666.

BRASIL. Resolução Conama n° 9, de 24 de outubro de 1996. Define corredor de vegetação entre remanescentes como área de trânsito para a fauna. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 07 de novembro de 1996.

BRASIL. Lei Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Presidência da república. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 julho de 2000.

BRASIL – Ministério do Meio Ambiente. 2006. O Corredor Central da Mata Atlântica: uma nova escala de conservação da biodiversidade. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 46p.

BRASIL - Ministério do Meio Ambiente. 2019. Atlas da Mata Atlântica: dados mais recentes. Disponível em: . Acesso em: 13 de Novembro 2019.

Environmental Systems Research Institute - ESRI. 2016. ArcGIS Professional GIS for the desktop, versão 10.5®.

Freire, A. D. S. M.; Fajardo, C. G.; Chagas, K. P. T.; Pinheiro, L. G.; Lucas, F. M. F.; Vieira, F. A. 2019. Diversidade genética em populações florestais em unidades de conservação da Mata Atlântica, Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias (Agrária), v. 14, n. 2, p. 5640.

Louzada, F. L. R.; Santos, A. R.; Oliveira, O. M.; Oliveira, G. G.; Paulo, S. V.; Batista Esteves, P. J. 2012. Proposal of ecological corridors for interconection of State Parks by using geotecnology, Espírito Santo (ES) - Brazil. Rev. Geogr. Venez., v. 53, p. 239-254.

Luppi, A. S. L.; Santos, A. R.; Eugenio, F. C.; Feitosa, L. S. Utilização de geotecnologia para o mapeamento de áreas de preservação permanente do município de João Neiva, ES. Floresta e Ambiente, v.22, n. 1, p. 13-22, 2015.

Mitchell, M. G. E.; Bennett, E. M.; Gonzalez, A. 2013. Linking landscape connectivity and ecosystem service provision: current knowledge and research gaps. Ecosystems, New York, v. 16, n. 5, p. 894-908. http://dx.doi.org/10.1007/s10021-013-9647-2

Nardini, R.C.; Campos, S.; Gomes, L. N.; Moreira, K. F.; Piza, M. W. T. 2012. Analysis of land use and occupancy in Preservation Permanent Areas according to the hydrography of Ribeirão Água Fria-Bofete, SP-Brazil. Revista Engenharia Agrícola. v. 32, n. 5, p. 944-950. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69162012000500013.

Peluzio, T. M. O.; Santos, A. R.; Fielder, N. C. 2010. Mapeamento de áreas de preservação permanente no ArcGIS 9.3.; Alegre: CAUFES. 58p.

Projeto MapBiomas. Coleção 4.0 da Série Anual de Mapas de Cobertura e Uso de Solo do Brasil. Disponível: . Acessado em 01 de Nov. 2019.

Reis, A. A. et al. Land use and occupation analysis of Permanent Preservation Areas in Lavras county, MG. Ciência e Agrotecnologia, v.36, n.3, p.300-308 2012.

Saaty, T. L. A. 1977. Scaling method for priorities in hierarchical structures. Journal of mathematical psychology, v. 15, p. 234-281.

Santos, J. S.; Leite, C. C. C.; Viana, J. C. C.; et al. 2018. Delimitation of ecological corridors in the Brazilian Atlantic Forest. Ecological Indicators, v. 88, p. 414-424.

Santos, A. R.; Chimalli, T.; Peluzio, J. B. E.; da Silva, A. G.; dos Santos, G. M. A. D. A.; Lorenzon, A. S.; Teixeira, T, R; Castro, N. L. M.; Soares Ribeiro, C. A. A. 2016. Influence of relief on permanent preservation areas. Science of The Total Environment, v. 541, p. 1296-1302. doi:10.1016/j.scitotenv.2015.10.026

Silva, D. C. C.; Sales, J. C. A.; Albuquerque Filho, J. L.; Lourenço, R. W. 2016. Caracterização morfométrica e suas implicações no acúmulo de sedimentos em reservatórios: O caso da Represa Hedberg, Iperó/SP. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, v. 36, p. 225-245.

Sousa, T. R.; Costa, F. R. C.; Bentos, T. V.; Leal Filho, N.; Mesquita, R. C. G.; Ribeiro, I. O. 2017. The effect of forest fragmentation on the soil seed bank of Central Amazonia. For. Ecol. Manage., n. 393, p. 105-112.




DOI: https://doi.org/10.29150/jhrs.v10.2.p69-76

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexadores / Base de Dados:

 

Google Scholar

 

Journal of Hyperspectral Remote Sensing - eISSN: 2237-2202