Avaliação estatística entre as estimativas de precipitação do satélite TRMM e estações de superfície: uma análise á Mesorregião sul Amazonense

Jonilson Michel Fontes Galvão, Miqueias Lima Duarte, Amazonino Lemos de Castro, Tatiana Acácio da Silva, Keith Soares Valente

Abstract


A compreensão da variabilidade espacial e temporal da captura é uma importância dos setores agrícola e industrial, e dos setores sociais, econômicos e ambientais. O comportamento é apresentado pela pluviometria, com aparelhos utilizados para tal atividade. Os resultados, em locais com territórios demais, nem sempre são satisfatórios. Este problema é detectado em regiões como o Estado do Amazonas, em particular sobre uma parte dos municípios do estado. Observado como problemático, oferecendo como objetivo deste trabalho, uma análise dos dados do satélite TRMM e estações de superfície estimadas de precipitação para a Região Sul Amazônica. Nesse sentido, são usados três modelos estatísticos: coeficiente de correlação, BIAS e RMSE.Somados ao método da IDW, interpolação, são discutidos pontos essenciais sobre a classificação escalada da região, identificando os municípios que estão identificados na área de estudo. Os resultados apontados por quem ou o TRMM possuem boas respostas ao estudo de desempenho de captura, no entanto, valores de superfície com falhas, correlação baixa, valores distantes em Polarização e RMSE exibindo valores altos. Das estações analisadas, apenas Lábrea não mostra dados tão falhos. O respeito da série temporal de 18 anos de análise de registros de municípios de Tapuá, Manicoré, Novo Aripuanã e Borba possui taxas superiores a 2.000 mm. Com menos de 1.600 mm, encontra-se nos municípios de Lábrea Lábrea e Canutama.Intermediários a esses valores, encontra-se nos municípios de Pauiní, Canutama, Humaitá e Apuí. identificando os municípios que estão localizados na área de estudo. Os resultados apontados por quem o TRMM possui boa resposta ao estudo sobre o desempenho de captura, no entanto, os valores de superfície com falhas, com correlação baixa, valores distantes em Bias e RMSE exibindo valores altos. Das estações analisadas, apenas Lábrea não apresentou dados tão falhos. O respeito da série temporal de 18 anos de análise que registra os municípios de Tapuá, Manicoré, Novo Aripuanã e Borba possui taxas superiores a 2.000 mm. Com menos de 1.600 mm, encontra-se nos municípios de Lábrea Lábrea e Canutama. Intermediários a esses valores, encontra-se nos municípios de Pauiní, Canutama, Humaitá e Apuí. identificando os municípios que estão localizados na área de estudo. Os resultados apontados por quem o TRMM possui boa resposta ao estudo sobre o desempenho de captura, no entanto, os valores de superfície com falhas, com correlação baixa, valores distantes em Bias e RMSE exibindo valores altos. Das estações analisadas, apenas Lábrea não apresentou dados tão falhos. O respeito da série temporal de 18 anos de análise que registra os municípios de Tapuá, Manicoré, Novo Aripuanã e Borba possui taxas superiores a 2.000 mm. Com menos de 1.600 mm, encontra-se nos municípios de Lábrea Lábrea e Canutama. Intermediários a esses valores, encontra-se nos municípios de Pauiní, Canutama, Humaitá e Apuí. Os resultados apontados por quem o TRMM possui boa resposta ao estudo sobre o desempenho de captura, no entanto, os valores de superfície com falhas, com correlação baixa, valores distantes em Bias e RMSE exibindo valores altos. Das estações analisadas, apenas Lábrea não apresentou dados tão falhos. O respeito da série temporal de 18 anos de análise que registra os municípios de Tapuá, Manicoré, Novo Aripuanã e Borba possui taxas superiores a 2.000 mm. Com menos de 1.600 mm, encontra-se nos municípios de Lábrea Lábrea e Canutama. Intermediários a esses valores, encontra-se nos municípios de Pauiní, Canutama, Humaitá e Apuí. Os resultados apontados por quem o TRMM possui boa resposta ao estudo sobre o desempenho de captura, no entanto, os valores de superfície com falhas, com correlação baixa, valores distantes em Bias e RMSE exibindo valores altos. Das estações analisadas, apenas Lábrea não apresentou dados tão falhos. O respeito da série temporal de 18 anos de análise que registra os municípios de Tapuá, Manicoré, Novo Aripuanã e Borba possui taxas superiores a 2.000 mm. Com menos de 1.600 mm, encontra-se nos municípios de Lábrea Lábrea e Canutama. Intermediários a esses valores, encontra-se nos municípios de Pauiní, Canutama, Humaitá e Apuí. Apenas Lábrea não apresentou dados tão falhos. O respeito da série temporal de 18 anos de análise de registros de municípios de Tapuá, Manicoré, Novo Aripuanã e Borba possui taxas superiores a 2.000 mm. Com menos de 1.600 mm, encontra-se nos municípios de Lábrea Lábrea e Canutama. Intermediários a esses valores, encontra-se nos municípios de Pauiní, Canutama, Humaitá e Apuí. Apenas Lábrea não mostra dados tão falhos. O respeito da série temporal de 18 anos de análise de registros de municípios de Tapuá, Manicoré, Novo Aripuanã e Borba possui taxas superiores a 2.000 mm. Com menos de 1.600 mm, encontra-se nos municípios de Lábrea Lábrea e Canutama. Intermediários a esses valores, encontra-se nos municípios de Pauiní, Canutama, Humaitá e Apuí.

Keywords


Amazônia, Precipitação, Tropical Rainfall Measuring Mission

References


ALBUQUERQUE, M. F.; SOUZA, E. B.; OLEIVEIRA, M. C. F.; JUNIOR, J. A. S. Precipitação nas Mesorregiões do Estado do Pará: climatologia, variabilidade e tendências nas últimas décadas (1978-2008). Revista Brasileira de Climatologia, v. 6, p. 151-168. 2010. http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v6i0.25606

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M.; SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507

ARAÚJO, N. A.; GUETTER, A. K. Validação da chuva estimada por satélite “CMORPH” na modelagem hidrológica do Alto Iguaçú. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 12, n. 3, p. 189-198, 2007. https://doi.org/10.21168/rbrh.v12n3.p189-198

BEZERRA, R. B.; DANTAS, R. T.; TRINDADE, A. G.; Caracterização temporal da precipitação pluvial do município de porto velho/ RO no período de 1945 a 2003. Sociedade & Natureza, n. 22, p. 609-623, 2010.

COLLISCHONN, B. Uso de precipitação estimada pelo satélite TRMM em modelo hidrológico distribuído. Dissertação (Mestrado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental) – Instituto de Pesquisas Hidráulicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, p. 193. 2006.

COLLISCHONN, B.; ALLASIA, D. TUCCI, C. E. M.; COLLISCHONN, W. Desempenho do satélite TRMM na estimativa de precipitação sobre a bacia do Paraguai superior. Revista Brasileira de Cartografia, n. 59, v. 1. p. 93-99. 2007.

DERECZYNSKI, C. P.; OLIVEIRA, J. S.; MACHADO, C. O. Climatologia da Precipitação no município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 24, n.1, p.24-38, 2009. https://doi.org/10.1590/S0102-77862009000100003

DONIGIAN, A. S., IMHOFF, J. C., BICKNELL, B. R. Predicting water quality resulting from agricultural nonpoint source pollution via simulation—HSPF. Agricultural management and water quality, Iowa State University Press, Ames, Iowa, p. 200-249, 1983.

DUARTE, M. L.; SILVA e FILHO, E. Estimativa da erosividade da chuva na bacia hidrográfica do rio Juma com base em dados do satélite TRMM. Caderno de Geografia. v. 29, n 56. p. 45-60. https://doi.org/10.5752/P.2318-2962.2019v29n56p45

FISCH, G.; MARENGO, J. A.; NOBRE, C A. Uma revisão geral sobre o clima da Amazônia. Acta Amazônica, vol.28, n.2, pp.101-126. 1998. https://doi.org/10.1590/1809-43921998282126

LIEW, M. W. V.; VEITH, T. L.; BOSCH, D. D.; ARNOLD, J. G. Suitability of SWAT for the Conservation Effcts Assessment Project: Comparison on USDA Agricultural Research Service Watersheds. Journal of Hydrologic Engineering, v. 12, n. 2, p.173-189, março de 2007. https://doi.org/10.1061/(ASCE)1084-0699(2007)12:2(173)

MARCUZZO, F. F.N.; ANDRADE, L. R.; MELO, D. C. R.; Métodos de Interpolação Matemática no Mapeamento de Chuvas do Estado do Mato Grosso. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 4. 2011., p. 793-804. https://doi.org/10.26848/rbgf.v4.4.p793-804

OLIVEIRA JÚNIOR, J. F.; DELGADO, R. C.; GOIS, G.; LANNES, A; DIAS, F. O.; SOUZA, J. C.; SOUZA, M. Análise da Precipitação e sua Relação com Sistemas Meteorológicos em Seropédica, Rio de Janeiro. Revista Floresta e Ambiente. v. 21, n. 2, p. 140-149, 2014. https://doi.org/10.4322/floram.2014.030

SERRÃO, E. F. O.; WANZELER, R. T. S.; SANTOS, C. A.; GONÇALVES, L. J. M.; LIMA, A. M. M.; ROCHA, E. S. P. Avaliação estatística entre as estimativas de precipitação da constelação GPM com satélite TRMM: uma análise a bacia hidrográfica do Rio Solimões. Revista Brasileira de Climatologia. v.18, p.256-275, 2016. http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v18i0.43059




DOI: https://doi.org/10.29150/jhrs.v10.2.p108-116

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexadores / Base de Dados:

 

Google Scholar

 

Journal of Hyperspectral Remote Sensing - eISSN: 2237-2202