Governo, Oposição, Líderes e Minoria: Poderes Institucionais o Brasil Em Perspectiva Comparada

Sergio Simoni Junior

Resumo


O poder legislativo e suas relações com o poder executivo ocupam papel central no debate sobre a consolidação e o funcionamento das democracias latino-americanas. A despeito de considerável avanço teórico e empírico no conjunto da literatura, diferentes posições analíticas compartilham equívoco semelhante, a saber, a indistinção entre as clivagens governo/oposição e liderança/minoria. Assume-se, de modo geral, que poderes e força do governo (oposição) equivalem a poderes e força da liderança partidária (minoria). Neste artigo, por meio de uma discussão teórica-conceitual, da análise dos dispositivos constitucionais e regimentais do Brasil em comparação com demais países da América do Sul, e de uma releitura de estudos sobre processo decisório, orçamentário e de fiscalização e controle do caso brasileiro, defendo a importância da separação analítica das duas clivagens para melhor compreensão do funcionamento do presidencialismo multipartidário.   


Palavras-chave


relações executivo-legislativo; poderes do executivo; presidencialismo; legislativo; constituições.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEMÁN, Eduardo (2006). “Policy Gatekeepers in Latin American Legislatures”. Latin American Politics and Society, vol. 48, no. 3, pp. 125–155.

AMORIM NETO, Octavio. (2006). Presidencialismo e Governabilidade nas Américas. Rio de Janeiro, Fundação Adenauer/FGV.

ARAÚJO, Victor (2017). “Mecanismos de alinhamento de preferências em governos multipartidários: controle de políticas públicas no presidencialismo brasileiro”. Opinião Pública, vol. 23, no. 2, pp. 429-458.

BATISTA, Mariana (2015). “A conexão ministerial: governo de coalizão e viés partidário na alocação de emendas parlamentares ao orçamento (2004-2010)”. Revista Ibero-americana de estudos legislativos, no. 4, pp. 3-16.

BRASIL (2019). Regimento Interno da Câmara dos Deputados.

CHASQUETTI, Daniel (2011). “Democracia, Multipartidarismo y coaliciones en America Latina: evaluando la difícil combinación”. em Tipos de presidencialismo y coaliciones políticas en America Latina. Buenos Aires: CLACSO.

CHEIBUB, José Antonio (2007). Presidentialism, Parliamentarism and Democracy. Cambridge, Cambridge University Press.

COX, Gary (1987). The Efficient Secret. Cambridge: Cambridge University Press.

COX, Gary e McCUBBINS, Mathew (1993). Legislative Leviathan. Berkeley: University of California Press.

FIGUEIREDO, Argelina (2001). “Instituições e política no controle do executivo”. Dados, vol. 44, no. 4, pp. 689-727.

FIGUEIREDO, Argelina e LIMONGI, Fernando (1999). Executivo e Legislativo na Nova Ordem Constitucional. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas Editora.

FIGUEIREDO, Argelina; CANELLO, Júlio e VIEIRA, Marcelo (2012). “Governos Minoritários no Presidencialismo Latino-Americano”. Dados, Rio de Janeiro, v. 55, n. 4, p. 839-875.

FORTIN, Jessica (2013). “Measuring presidential powers: Some pitfalls of aggregate measurement”. International Political Science Review. Vol 34, Issue 1, pp. 91 – 112.

FREITAS, Andréa (2016). O presidencialismo da coalizão. Rio de Janeiro: Fundação Konrad-Adenauer.

GARCÍA MONTERO, Mercedes (2009). Presidentes y Parlamentos: ¿quién controla la actividad legislativa en América Latina? Madrid: Centro de Investigaciones Sociológicas.

INÁCIO, Magna e REZENDE, Daniela (2015). “Partidos legislativos e governo de coalizão: controle horizontal das políticas públicas”. Opinião Pública, vol. 21, no. 2, pp. 296-335.

JUNQUEIRA, Andréa (2017). Os determinantes da atuação oposicionista em democracias: o caso brasileiro. Dissertação de mestrado – Departamento de Ciência Política – USP.

KREHBIEL, Keith (1991). Information and legislative organization. Ann Arbor: University of Michigan Press.

LEMOS, Leany e POWER, Timothy (2013). “Determinantes do controle horizontal em parlamentos reativos: o caso do Brasil (1988-2005)”. Dados, vol. 56, no. 2, pp. 383-412.

LIMONGI, Fernando (2006). “Democracia no Brasil: presidencialismo, coalizão partidária e processo decisório”. Novos Estudos Cebrap, no. 76, 17-41.

LIMONGI, Fernando e CHEIBUB, José Antonio (2010). “From Conflict to Coordination: Perspectives on the Study of Executive-Legislative Relations”. Revista Ibero-americana de estudos legislativos, vol.1, no. 1, pp. 38-53.

LIMONGI, Fernando e FIGUEIREDO, Argelina (2009). “Poder de agenda e políticas substantivas”. Em: RENNÓ, L.; INÁCIO, M. (eds.). Legislativo brasileiro em perspectiva comparada. Belo Horizonte: Editora UFMG, p. 77-104.

LINZ, Juan (1994). “Presidential or parliamentary democracy: does it make a difference?” em LINZ, J; VALENZUELA, A. (ed.) The failure of presidential democracy: the case of Latin America. Baltimore: Johns Hopkins University Press.

LUZ, Joyce (2017). Política ministerial: as emendas individuais orçamentárias no presidencialismo de coalizão brasileiro. Dissertação de mestrado – Departamento de Ciência Política – USP.

MAINWARING, Scott e SHUGART, Matthew (1997). Presidentialism and democracy in Latin America. Cambridge: Cambridge University Press.

MAYHEW, David (1974). Congress: the electoral connection. New Haven: Yale University Press.

MOISÉS, José Álvaro e SIMONI JR. Sergio (2016). “How strong are South American Parliaments? ” in CORY, P. (ed.) Latin America: Economic, Social and Political Issues of the 21th Century. Nova Publishers.

MORGENSTERN, Scott; NEGRI, Juan Javier; PEREZ-LINAN, Anibal (2008). “Parliamentary Opposition in Non-Parliamentary Regimes: Latin America”. Journal of Legislative Studies. Vol.14, Nos.1/2, pp.160–189.

NEGRETTO, Gabriel (2006). “Minority Presidents and Democratic Performance in Latin America”. Latin American Politics and Society, vol 48, issue 3, p. 63–92.

PEREIRA, Carlos e MULLER, Bernardo (2000). “Uma teoria da preponderância do Poder Executivo: o sistema de comissões no Legislativo brasileiro”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 15, no. 43, pp. 45-67.

PEREIRA, Carlos e MULLER, Bernardo (2003). “Partidos fracos na arena eleitoral e partidos fortes na arena legislativa: a conexão eleitoral no Brasil”. Dados, vol. 46, n. 4, pp. 735-771.

SAIEGH, Sebastian (2010). “Active Players or rubber-stamps? An evaluation of the policy-making role of Latin American legislatures” em SCARTASCINI, C. et al. (ed.). How Democracy Works: Political Institutions, Actors, and Arenas in Latin American Policymaking. Cambridge: David Rockefeller Center for Latin American Studies and Inter-American Development Bank.

SIAVELIS, Peter (2000). “Executive-Legislative Relations in Post-Pinochet Chile: A Preliminary Assessment” em MAINWARING, S e SHUGART, M. (ed.) Presidentialism and Democracy in Latin America. Cambridge: Cambridge University Press.

SIMONI JR., Sergio (2017). “Oposição e Minoria no Presidencialismo Sul-Americano” em VISCARRA, S. P.; MASSUCHIN; M. G.; AVI DOS SANTOS, S.; MESQUITA, L. R.; GRANJA HERNÁNDEZ, L.; ALMEIDA, H. N.. (Ed.). América Latina em foco: Novas perspectivas de análise sobre a região. 1ed.Porto Alegre: ALACIP Jovem: Terra da Ideia, 2017, v. 1, p. 1-333.

SHUGART, Matthew e CAREY, John (1992). Presidents and assemblies: constitutional design and electoral dynamics. Cambridge: Cambridge University Press.

STROM, Kaare (1990). Minority Government and Majority Rule. Cambridge: Cambridge: University Press.

VASQUEZ, Vitor; FREITAS, Géssica de (2019). “Mudanças institucionais e suas consequências: uma análise do sistema de comissões brasileiro”. Caos –Revista Eletrônica de Ciências Sociais, João Pessoa, n. 23, p 36-55, jul./dez.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Sergio Simoni Junior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4