Políticas Públicas Para Mulheres Em Situação De Rua: Reflexões Sobre Categorização E Julgamentos

Laura Cavalcanti Salatino, Juliana Rocha Miranda, Gabriela Spanghero Lotta

Resumo


O objetivo deste trabalho é compreender, no contexto das políticas de acolhimento e encaminhamento de mulheres e crianças em situação de rua, como percepções de normalidade e as categorias sociais operadas por BNRs podem moldar o exercício da discricionariedade e, portanto, o tipo de serviço que ofertam às usuárias. O estudo do tema ainda implica abordar a relação entre a utilização dessas categorias sociais dos burocratas -por vezes informadas por sentidos específicos de família, maternidade e cuidado - e a noção de merecimento articulada pelos profissionais que, frequentemente, é determinante para o atendimento ofertado às usuárias. A discussão proposta não envolve a questão da formação do espaço para discricionariedade, mas sim as práticas discricionárias e o modo como são informadas por categorias sociais operadas pelos BNR. Os dados empíricos coletados (por meio de entrevistas, acompanhamento de casos e observações de caráter etnográfico) aliados com a bibliografia de discricionariedade e categorização ajudam a lançar luz sobre os possíveis impactos da articulação de categorias para a política pública, sobretudo no que tange à (re)produção de desigualdades.

Palavras-chave


Maternidade; primeira infância; situação de rua; políticas públicas; implementação

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, Howard S. A Epistemologia da Pesquisa Qualitativa. In: Revista de Estudos Empíricos em Direito, vol. 1, no 2, jul. 2014, p.184-198.

BAUMGARTEN, M.F. (1992). “The Myth of Discretion”. In: Hawkins, K., Ed. (1992). The Uses of Discretion. Oxford, Oxford University Press.

BOURDIEU, P. Esquisse d’une théorie de la pratique. Genebra: Librairie Droz, 1972.

BOURGEOIS, M. Catégorisations et discriminations au guichet du logement social. Une comparaison de deux configurations territoriales.In: Baudot et al., L'État des droits. Paris: Presses de Sciences Po (P.F.N.S.P.), pp.177-210, 2015.

BUCCI, Maria Paula Dallari. Quadro de Referência de uma Política Pública: primeiras linhas de uma visão jurídico institucional. Diário do Estado, no 122, 2016.

BRODKIN, E. Reflections on street-level bureaucracy: past, present, and future. Public Administration Review, v. 72, p. 940–949, 2012.

BRODKIN, E. MAJMUNDAR, M. Administrative exclusion: organizations and the hidden costs of welfare claiming. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 20, no 4, p 827–848, 2010.

COUTINHO, Diogo. O Direito nas políticas públicas. ‘Política Pública como Campo Disciplinar’, São Paulo, Ed. Unesp, no prelo. 2013.

DAVIS, K. Discretionary Justice. Baton Rouge: Louisiana State University Press, 1969.

DUBOIS, V. La vie au guichet. Relation administrative et traitement de la misère. Paris: Economica, coll., 1999.

ELLIS, K. ‘Street-level Bureaucracy’ Revisited: The Changing Face of Frontline. Social Policy & Administration. V. 45, No. 3, p. 221–244, Jun/2011.

EPP, C, MAYNARD-MOODY, S. and HAIDER-MARKEL, D. Pulled Over: How Police Stops Define Race and Citizenship. Chicago: The University of Chicago Press, 2014.

FRANGELLA, Simone Miziara. Corpos Urbanos Errantes: uma etnografia da corporalidade de moradores de rua em São Paulo. Dissertação apresentada na Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP. Campinas: 2004.

FONSECA, Cláudia. "Caminhos da adoção", São Paulo, Cortez, 1995.

FONSECA, Cláudia. Direito dos mais e menos humanos. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 5, n. 10, p. 83-121, maio 1999.

GELINSKI. C. A questão da co-responsabilidade prevista na estratégia saúde da família. Política e Sociedade, vol 10, n. 19, 2011.

GOETZ, A (2001). “Local Heroes? How field workers determine policy outcomes” (Chapter 4, p.111-136) In: Women Development Workers: Implementing Rural Credit Programmes in Bangladesh. New Delhi: Sage Press.

GOFFMAN, E. Asylums: Essays on the Social Situation of Mental Patients and Other Inmates. Anchor Books / Doubleday, 1961.

GOMES, Janaina (coord.). Primeira Infância e maternidade nas ruas da cidade de São Paulo: relatório de pesquisa. São Paulo: Lampião Conteúdo e Conhecimento, 2017.

GOMES, Janaina. (2017). O Ouvir como uma Prática de Direitos Humanos: reflexões sobre as atividades da Clínica de Direitos Humanos Luiz Gama. Clínicas de Direitos Humanos e o Ensino.

HARRITS, G.; MØLLER, M. Prevention at the Front Line: How home nurses, pedagogues, and teachers transform public worry into decisions on special efforts. Public Management Review, 2013.

HARRITS, G. . Stereotypes in Context: How and When Do Street-Level Bureaucrats Use Class Stereotypes? Public Administration Review, 79, 2019.

HILL, M. and HUPE, P. Implementing Public Policy: An Introduction to the Study of Operational Governance. London: Sage (third edition), 2014.

HILL, M HUPE, P.; BUFFAT, A. Understanding Street-Level Bureaucracy. Policy Press, Bristol: University of Bristol, 2015.

KANT DE LIMA, R., & BAPTISTA, B. G. L. (2010). O desafio de realizar pesquisa empírica no direito: uma contribuição antropológica. ENCONTRO DA ABCP, 7.

KORTEWEG, A. (2003) “Welfare Reform and the Subject of the Working Mother: ‘Get a Job, a Better Job, Then a Career”, Theory and Society 32(4), p. 445–80.

LIPSKY, M. Toward a Theory of Street-Level Bureaucracy. In: ANNUAL MEETING OF THE AMERICAN POLITICAL SCIENCE ASSOCIATION, 1969, New York, September 2-6. Institute for Research on Poverty, University of Wisconsin, Madison, Wisconsin.

LIPSKY, M. Street Level Bureaucracy: Dilemmas of the Individual in Public Services. New York: Russell Sage Foundation, 2010[1980].

LOTTA, G. Burocracia e implementação de políticas de saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2015.

LOTTA, Gabriela. Desvendando o papel dos burocratas de nível de rua no processo de implementação: o caso dos agentes comunitários de saúde. In: FARIA, C. A (org). Implementação de Políticas Públicas. Teoria e Prática. Editora PUCMINAS, Belo Horizonte, 2012.

LOTTA, Gabriela. O papel das burocracias do nível da rua na implementação de políticas públicas: entre o controle e a discricionariedade. In: FARIA, C. A (org). Implementação de Políticas Públicas. Teoria e Prática. Editora PUCMINAS, Belo Horizonte, 2012.

MATTAR, L.D.; DINIZ, C.S.G. Reproductive hierarchies: motherhood and inequalities in women’s exercising of human rights. Interface - Comunic., Saude, Educ., v.16, n.40, p.107-19, jan./mar. 2012.

MAYNARD-MOODY, S; MUSHENO, M. Cops, Teachers, Counselors: Narratives of Street-Level Judgment. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2003.

MAYNARD-MOODY, S; MUSHENO, M. Social equities and inequities in practice: street-level workers as agents and pragmatists. Public Administration Review, v. 71, no S1, p. S16–S23, 2012.

MENICUCCI, T; MARQUES, A. Cooperação e Coordenação na Implementação de Políticas Públicas: O Caso da Saúde. Dados, Rio de Janeiro , v. 59, n. 3, p. 823-865, Sept. 2016 .

MEDCALF, A., & NUNES, J. (2018). Visualizing Primary Health Care: World Health Organization Representations of Community Health Workers, 1970–89. Medical History, 62(4), 401-424. doi:10.1017/mdh.2018.40

MINISTERIO DA SAUDE. Ministerio da saude, www.saude.gov.br., 2018.

MØLLER, M. Ø. “She isn’t someone I associate with Pension” - A vignette study of professional reasoning. Professions & Professionalism, v. 6, n. 1, 2016.

MØLLER, M. Ø., & STONE, D. Disciplining disability under Danish active labour market policy. Social Policy & Administration, v. 47, n. 5, p. 586-604, 2013.

NIELSEN, V L. Are street-level bureaucrats compelled or enticed to cope? Public Administration, v. 84, no.4, 861–889, 2006.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. “O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever”. In O Trabalho do Antropólogo, Paralelo/Unesp, SP, 1998, p. 17-35.

OORSCHOT, W. Solidarity towards immigrants in European welfare states. International Journal of Social Welfare, 17: 3–14, 2008.

PEIRANO, Mariza. “Etnografia não é método” In Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n. 42, p. 377-391, jul./dez. 2014.

SCOTT, Joan. Gender: a useful category of historical analyses. Gender and the politics of history. New York, Columbia University Press. 1989.

PIRES, R. Implementando Desigualdades? Introdução a uma agenda de pesquisa sobre agentes estatais, representações sociais e (re)produção de desigualdades. Boletim de Análise Político-Institucional, v. 13, p. 7-14, 2017.

PIRES, R. ; LOTTA, G. S. ; DUTRA, R. . Burocracias Implementadoras E A (Re)Produção De Desigualdades Sociais: Perspectivas De Análise No Debate Internacional. In: Pires,R, Lotta, G, Oliveira, V (Org.). Burocracia e políticas públicas no Brasil : interseções analíticas. 1ed.brasília: IPEA/ENAP, 2018, v. 1, p. 247-268.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul/dez. 2008. p. 263 a 274.

Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais - BIB, São Paulo n. 83, 1/2017 (publicada em fevereiro de 2018)

ROSENTHAL, P; PECCI. The Social Construction of Clients by Service Agents in Reformed Welfare Administration. Human Relations. v. 59, no. 12, p 1633–58, 2005.

ROTHSTEIN, B. Bo Just Institutions Matter. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

SCHNEIDER, A L. and INGRAM H M. (eds) Deserving and Entitled: Social Construction and Public Policy, Albany, NY: State University of New York Press, 2005.

SIBLOT, Y. Faire valoir ses droits au quotidien: les services publics dans les quartier populaire. Paris: Presses de Sciences-Po, 2006.

SILBEY, S. Case processing: Consumer protection in an Attorney General’s office. Law & Society Review 15(3-4): 849–910, 1980-1981.

TUMMERS, L. The Relationship between Coping and Job Performance. Journal of Public Administration Research And Theory. 150–162, 2017.

WELLER, J. L'état au guichet: sociologie cognitive du travail et modernisation administrative des services publics. Paris: Desclée de Brouwer, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Laura Cavalcanti Salatino, Juliana Rocha Miranda, Gabriela Spanghero Lotta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4