A Cooperação Brasil-Israel e as Aeronaves Remotamente Pilotadas: impactos para a Base Industrial de Defesa

Augusto Wagner Menezes Teixeira Júnior, Marco Túlio Delgobbo Freitas, Aaron Campos Marcelino

Resumo


O  presente  artigo  analisa  os impactos  das  relações  Brasil-Israel  no processo de aquisição de capacidades  para a  produção  nacional  de  Aeronaves Remotamente Tripuladas (ARPs)  no contexto da Base Industrial de Defesa (BID) brasileira. Desde o lançamento da Estratégia Nacional de Defesa em 2008 a BID se encontra em um processo de  revitalização  orientado para o acesso e  desenvolvimento  de  tecnologias  de  ponta.  A cooperação internacional se torna um instrumento necessário para o conhecimento e compreensão  da  tecnologia  (know why)  e  de  como  desenvolvê-la  e  adaptá-la  para  suas  especificidades  e necessidades  locais  (know-how) das  Forças Armadas  brasileiras. Neste sentido, o artigo indaga como a cooperação Brasil-Israel no setor de ARPs insere a BID noutro patamar da escala de produção militar.  A estratégia de investigação adotada no artigo foca nas relações no  âmbito  de  cooperação  interempresarial, como a criação de joint-ventures e o seus spillovers na dotação de capacidades nacionais em matéria de Defesa nos últimos anos.


Palavras-chave


Base Industrial de Defesa; Aeronaves Remotamente Pilotadas; Brasil; Israel

Texto completo:

PDF

Referências


ABDI - AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Diagnóstico: Base Industrial de Defesa Brasileira. (Orgs) Marcos José Barbieri Ferreira; Fernando Sarti. – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. – Campinas: ABDI, NEIT-IE-UNICAMP, 2011.

ALBERTS, David S.; HAYES, Richard E. (2005), Power to the Edge: Command and Control in the Information Age. Washington: CCRP.

AMARANTE, José Carlos Albano. (2012), A Base Industrial de Defesa brasileira. IPEA, Rio de Janeiro,.

______. (2013), Processos de obtenção e tecnologia militar. IPEA, Rio de Janeiro.

ANDRADE, Rodrigo de Oliveira. (2013), “O voo do Falcão”. Revista Pesquisa FAPESP. Ed. 211. Disponível em Acesso em: 20 out. 2015.

AEL SISTEMAS. ARP monitora região do Riocentro durante Rio +20. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2015.

______. Elbit Systems fechou o contrato para o fornecimento dos Hermes 900 UAS para à FAB. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2015.

______. BID - Projeto ARP Falcão transferido para a HARPIA. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2015.

AUSTIN, Reg. (2010), Unmanned Aircraft Systems: UAVS Design, Development and Deployment. WILEY, Reino Unido.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Agência Espacial Brasileira. Israel Aerospace Industries (IAI) anuncia parceria com a Dígitro. Disponível em Acesso em: 24 out. 2015.

______. (2008), Ministério da Defesa. Estratégia Nacional de Defesa, 1ª edição. Brasília, DF.

______. (2012), Ministério da Defesa. Estratégia Nacional de Defesa, 2ª edição. Brasília, DF.

______. (2012), Ministério da Defesa. Livro Branco sobre a Defesa Nacional. Brasília, DF.

______. Ministério de Relações Exteriores. Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo do Estado de Israel sobre Proteção de Informação Classificada e Materiais. Sistema de Consulado Integrado. Sistema Atos Internacionais Disponível em Acesso: 25 out. 2015.

BERKOK, Ugurhan, PENNEY, Christopher & SKOGSTAD, Karl. (2012), Defence Industrial Policy Approaches and Instruments. Disponível em: http://aerospacereview.ca/eic/site/060.nsf/vwapj/Def_Ind_Pol_Approaches_-_Final_Draft_-_July_13.pdf/$FILE/Def_Ind_Pol_Approaches_-_Final_Draft_-_July_13.pdf. Acesso em: 29.11.2016.

BIDDLE, Stephen. (2010), “Iraq, Afghanistan, and American military transformation”, In BAYLIS, John; WIRTZ, James J.; GRAY, Colin S. (Org.). Strategy in the contemporary world: an introduction to Strategic Studies. 3. ed. Oxford/New York: Oxford University Press.

CARVALHO, Robson dos Santos. Base Industrial de Defesa: elemento essencial de afirmação do Poder Nacional. 2013. 51 f. Monografia – Faculdade de Altos Estudos de Política e Estratégia. Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro – RJ.

CARVALHO, Robson Santana de. Base Industrial de Defesa: importância do fomento ao desenvolvimento tecnológico autônomo. 2012. 65 f. Monografia – Faculdade de Altos Estudos de Política e Estratégia. Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro – RJ.

COHEN, Eliot. (2012), “Technology and Warfare”, In BAYLIS, John; WIRTZ, James J.; GRAY, Colin S. (Org.). Strategy in the contemporary world: an introduction to Strategic Studies. 3. ed. Oxford/New York: Oxford University Press.Strategy in the contemporary world. 3rd edition.

COMDEFESA. Departamento da Indústria de Defesa/Fiesp. Análise COMDEFESA: Lei 12.598 e RETID – disposições e implicações. Brasília, 2012. Disponível em acesso em 20 out. 2015.

COPPOLA, Gabrielle & SCHMIDT, Blake. World Cup drones from Tel Aviv bring fall of Rio Kingpin. Bloomberg Business, 2014. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2015.

DAGNINO, Renato. (2010), A Indústria de Defesa no Governo Lula. São Paulo: Expressão Popular,.

DAVIS, Paul K.. (2010), Military Transformation? Which Transformation, and What Lies Ahead? Santa Monica, CA: RAND Corporation. Disponível em: http://www.rand.org/pubs/reprints/RP1413.html. Acesso em: 29.11.2016.

DUNNIGAN, James F. (2003), How to make a war. New York: William Morrow and Company.

FERREIRA, Marcos J. B. (2016), Mapeamento da Base Industrial de Defesa. Brasília : ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Indutrial: Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

FILHO, Geraldo Lesbat Cavagnari. (1993), “Ciência e Tecnologia no Brasil: uma nova política para um mundo global”. Núcleo de Estudos Estratégicos. Universidade Estadual de Campinas. Campinas – SP.

FLIGHT GLOBAL. Elbit becomes majority shareholder in AEL. Disponível em Acesso em: 24 out. 2015.

HARPIA SISTEMAS. A Harpia Sistemas quer ser a Embraer das Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP). Disponível em: Acesso em: 25 out. 2015.

HARTLEY, Keith; SANDLER, Todd. (1995), The economy of defense. Cambridge: Cambridge University Press.

KENNETT, Lee. (2015), A History of Strategic Bombing. New York: Charles Scribner's Sons, 1982.

LIBEL, Tamir & BOULTER, Emily. (2015), “Unmanned Aerial Vehicles in the Israel Defense Forces”. The RUSI Journal, 160:2, 68-75.

LONGO, Waldimir Pirró e. (2007), “Tecnologia Militar: conceituação, importância e cerceamento”. Fortaleza. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2015.

PARKER, Dana. (2013), Building Victory: Aircraft Manufacturing in the Los Angeles area in world War II. California: Cypress.

PLAVETZ, Ivan. “Esquadrão Hórus completou quatro anos”. Tecnologia & Defesa. 4 de maio de 2015. Disponível em: http://tecnodefesa.com.br/esquadrao-horus-completou-quatro-anos/. Acesso em 29.11.2016.

RAMOS, Henrique Felipe. Aeronaves Remotamente Pilotadas como efeito multiplicado de forças na manutenção da soberania nacional: popularização da ferramenta enquanto agente transformador do cenário geopolítico. In: I CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA POLÍTICA, GEOPOLÍTICA E GESTÃO DO TERRITÓRIO, 2014. Rio de Janeiro. Porto Alegre: Editora Letra1; Rio de Janeiro: REBRAGEO, 2014, p. 1221-1231.

SÁNCHEZ, W. A. (2014), COHA Report: Drones in Latin America. Council on Hemispheric Affairs. Disponível em: http://www.coha.org/wp-content/uploads/2014/01/COHA_Sanchez_LATAM_Drones_Final_Jan122014.pdf. Acesso em: 29.11.2016.

SANTAYANA, 2012. “O cerco à indústria brasileira de defesa”. Jornal do brasil. 16 de agosto de 2012. Disponível em: http://www.jb.com.br/pais/noticias/2012/08/16/o-cerco-a-industria-brasileira-de-defesa-2/.Acesso em: 29.11.2016.

STOCKHOLM INTERNATIONAL PEACE RESEARCH INSTITUTE - SIPRI.

Background paper on SIPRI military expenditure data, 2012. Estocolmo: SIPRI, 2013. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2015.

UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION. Form 20-F – Elbit Systems Ltd. 2009. Disponível em Acesso em: 24 out. 2015.

UPI. Brazil contracts for unmanned gun turrets. Disponível em: Acesso em: 24 out. 2015.

VIANELLO, Juliano M. (2016), Mapeamento da Base Industrial de Defesa. Brasília : ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Indutrial: Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Marco Túlio Delgobbo Freitas, Aaron Campos Marcelino, Augusto Wagner Menezes Teixeira Júnior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4