Quando artistas plantam árvores na cidade: abordando o futuro do planeta

João Miguel Diógenes de Araújo Lima

Resumo


Este artigo propõe um diálogo entre a sociologia da arte e a produção artística contemporânea a fim de abordar questões de tempo, espaço e ambiente. Aproxima-se de duas proposições artísticas da segunda metade do século XX: “Tree tenants” (como performance em 1973; e edificação em 1983), do austríaco Hundertwasser, e “7000 Oaks – City Forestation Instead of City Administration” (1982), land art do alemão Joseph Beuys. Com suas singularidades, os dois trabalhos têm em comum a ação de plantar árvores na cidade, produzindo um pensamento ao mesmo tempo questionador e propositivo sobre a relação entre ambiente construído e o que se convencionou chamar natureza. Nas interseções entre arte, política e cidade, a preocupação ambiental faz emergir uma política de vida que se projeta para inventar um futuro híbrido, multiespécies.


Palavras-chave


Arte contemporânea; Cidade; Árvores; Híbrido; Multiespécie.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 João Miguel Diógenes de Araújo Lima