TENDÊNCIAS FLUVIOMÉTRICAS NAS ÁREAS ESTUARINAS DE GOIANA-MEGAÓ E PIRAPAMA/JABOATÃO E DAS TABUAS DE MARÉ NO PORTO DE SUAPE-PE

Janaina Barbosa Da Silva, Josicleda Domiciano Galvincio, Magna Soelma Beserra de Moura, Suelane Gomes Da Silva

Resumo


Os estuários são ambientes de transição entre o oceano e o continente, ocorrendo na desembocadura dos rios, resultando na diluição da água salgada. Os mesmos são forçados por agentes locais e remotos que ocorrem na bacia de drenagem e no oceano adjacente. Esses ambientes são extremamente vulneráveis aos possíveis impactos das mudanças climáticas, principalmente no que concerne ao aumento das variações do nível do mar, pluviosidade e ventos. O objetivo deste trabalho foi analisar as tendências dos dados fluviométricos para os rios: Goiana e Pirapama ambos em Pernambuco e correlacioná-los com as variações e tendências das tábuas de marés estimadas para o porto de Suape. Ambos os rios apresentam regime hidrográfico regular com os mesmos meses para as máximas (junho e julho) e mínimas (novembro, dezembro e janeiro) de vazões. Foram apresentadas tendências de diminuição de vazão refletindo a expectativa do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) para uma diminuição das precipitações e consequentemente diminuição das vazões. Contudo, essas diminuições provavelmente estão relacionadas aos usos antrópicos das águas dos rios, sendo necessária à análise hidroclimatológica para as séries estudadas. Para os dados de maré houve uma estabilização para os valores das máximas e mínimas nas amplitudes e uma redução da amplitude média. Contudo esses dados que são previstos e podem não descrever a realidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5935/1984-2295.20090009



      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License