Potencial de Inundação e Erosão do Parque Natural Municipal de Jacarenema, Vila Velha-ES (Flood and erosion potential of the municipal natural park of Jacarenema, Vila Velha-ES)

Carlos Alberto Kuster Pinheiro, Branco Mateus Murata Eguchi, Thayana Caus Wanderley, Rodolfo Teixeira Alves, Renato Ferreira de Araújo, Jacqueline Albino

Resumo


No presente trabalho foi realizado o mapeamento da vulnerabilidade do Parque Natural Municipal de Jacarenema, localizado no município de Vila Velha/ES, frente a eventos de erosão e inundação causados pela elevação do nível do mar, segundo previsão do Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas (IPCC, 2014). Os resultados obtidos indicam grande perda de terreno, principalmente nas áreas de brejo, restinga e manguezal, o que pode acarretar em diversos impactos para a região, como a perda de habitat de diversas espécies, a salinização da água doce, a perda de áreas recreativas e turísticas do Parque e conflitos na ocupação de terrenos por moradores no entorno da UC.

 

 

A B S T R A C T

In the present work, the level of vulnerability within the Jacarenema Municipal Natural Park, Vila Velha / ES was assessed. This vulnerability is in regards to erosion and flood, caused by sea level rise. Sea level rise prediction was retrieved from the Intergovernmental Panel on Climate change.  The results indicate a loss of land equivalent to 40.24 ha (11.62% of the total), mainly in the areas of swamp, restinga and mangrove. This can lead to several impacts to the region. Such as salinization of fresh water, loss of habitat, recreational and tourist areas within the Park. Also, generating conflicts of occupation by residents in the surroundings of the conservation unit (CU).

Keywords: Conservation Units, Coastal Vulnerability, Ground Covering.


Palavras-chave


Unidades de Conservação; Vulnerabilidade costeira; Cobertura do Terreno

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Alvarado-Aguillar, D., Jimenez, J.A. 2009.Flood Hazard Mapping for Coastal Storms in the Delta Ebro. Laboratori d’Enginyeria Maritima. Universitat Politécnica de Catalunya, 1-9.

Albino, J.,Girardi, G., Nascimento, K.A. 2006. Erosão e progradação do litoral brasileiro. Ministério do Meio Ambiente, 227-265.

Albunquerque, M.G., Calliari, L.J., Corrêa, I.C.S., Pinheiro, L.S. 2009. Morfodinâmica da praia do futuro, Fortaleza/CE: uma síntese de dois anos de estudos. Quaternary and Environmental Geociences, v. 1, n. 2, 49-57.

Antunes, C. 2010. Monitorização da Variação do Nível Médio do Mar. 1°Jornada de Engenharia Hidrográfica, 1-4.

Brito, D.M.C. 2008. Conflitos em unidades de conservação. PRACS: Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais, 1-12.

Brunn, P. 1962. Sea-level rise as a cause of shore erosion. Journal of the Waterways and Harbours Division 88, 117-130.

Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais-CPRM/Serviço Geológico do Brasil. Geologia e Recursos Minerais do Estado do Espírito Santo: texto explicativo do mapa geológico e de recursos minerais. / Valter Salino Vieira, Ricardo Gallart de Menezes, Orgs. - Belo Horizonte: CPRM, 2015.

Crispim, A.B., Santos, J.O., Meireles, A.J.A. 2008. Vulnerabilidade ambiental das Unidades de Conservação de Sabiaguaba, Fortaleza-CE. XV Encontro Nacional dos Geógrafos, 1-5.

Thieler R.E., Hammar-Klose E.S.. 1999. U.S. Geological Survey. Woods Hole. Disponível: http://pubs.usgs.gov/of/2000/of00-179/ Acesso 12 abril 2016.

Hallermieier, R.J. 1981. A profile zonation for seasonal sandbeaches from wave climate. Coastal Engineering, pp. 253-277.

Brito, D.M.C. 2008. Conflitos em unidades de conservação. Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais, 1-12.

IEMA. Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado do Espírito Santo. Disponível: Acesso em: 20 jun. 2016.

IPCC (Intergovernmental Pannel of Climate Changes). 2014.Climate Change 2014: Synthesis Report.Core Writing Team, Geneva.

Macedo, R.J.A., Manso, V.A.M., Pereira, N.S., França, L.G. 2012. Transporte de sedimento e variação da linha de costa em curto prazo na praia de Maracaípe (PE), Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada 12, 343-355.

Maia, L.P., Jimenez, J.A., Serra, J., Morais, J.O. 1998.The coastline of Fortaleza City, a product of environmental impacts caused by the Mucuripe Harbor. Arquivo de Ciências do Mar 31. Fortaleza, 93-100.

Manca, E., Pascucci, V., Deluca, M., Cossu, A., Andreucci, S. 2013.Shoreline evolution related to coastal development of a managed beach in Alghero, Sardinia, Italy. Ocean & Coastal Management, 1-12.

Martins, A. 2012. Conflitos ambientais em Unidades de Conservação: dilemas da gestão territorial no Brasil. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales 17, 1-14.

Mendoza, E.T.; Jiménez, J.A. 2006.Storm-induced beach erosion potential on the Catalonian Coast. Journal of Coastal Research 48, 81-88.

Moura, A.C.M. 1993. Estudo metodológico de aplicação da cartografia temática às análises urbanas. Dissertação (Mestrado). Belo Horizonte, UFMG.

Muehe, D. 1996. Geomorfologia Costeira. Geomorfologia – Exercícios, Técnicas e Aplicação, 191-238.

Nascimento, D.M.C., Dominguez, J.M. 2009. Avaliação da vulnerabilidade ambiental como instrumento de gestão costeira nos municípios de Belmonte e Canavieiras, Bahia. Revista Brasileira de Geociências 39, 395-408.

Pinheiro, C.A.K. 2011. Contribuição Geográfica ao Estudo das Unidades de Conservação Sob o Enfoque Sistêmico: O Caso Do Parque Natural Municipal De Jacarenema, Vila Velha (ES). Dissertação (Mestrado). Vitória, UFES.

PMVV: Prefeitura Municipal de Vila Velha. Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Mobilidade. Disponível: http://www.vilavelha.es.gov.br Acesso em: 3 abril 2016.

Santos, L.B. 2009. Trilhas da política ambiental: conflitos, agendas e criação de Unidades de Conservação. Ambiente & Sociedade 12, 133-150.

SEMMA. Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Vila Velha. 2009. 3° RelatórioParcial do Plano de Manejo do PNMJ1, 12.

Souza, C.R.G. 2009. A erosão costeira e os desafios da gestão costeira no Brasil. Revista de Gestão Costeira Integrada 9, 17-37.

Souza, R.L.F. 2014. Conflitos ambientais em Unidades de Conservação: dilemas na gestão da APA Nhamundá. VII Congresso Brasileiro de Geógrafos, 11.

Trabanco, J.L.A., Simões, E.F.J., Bueno, R.F. 2001. Metodologia para Implantação de Estações GPS de Alta Precisão para Apoio ao Monitoramento do Nível Médio do Mar. http://www.cartografia.org.br/xixcbccd/artigos/c2. 2001.

Vale, C.C. 2004. Séries Geomórficas Costeiras do Estado do Espírito Santo e os Habitat para o Desenvolvimento dos Manguezais: Uma Visão Sistêmica. Tese (doutorado). Vitória, UFES.

Vivacqua, M., Vieira, P.F. 2005. Conflitos socioambientais em Unidades de Conservação. Política & Sociedade 7, 139-162.

World Wide Fund For Nature. Áreas úmidas: mudanças no Código Florestal condenam ambiente e modos de vida à devastação. Disponível:




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.2.p547-559

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License