Gestão das águas e planejamento ambiental: áreas de preservação permanente no manancial do alto curso do rio Santo Anastácio – SP (Water management and environmental planning: permanent preservation areas at the high course of the Santo Anastácio river – SP)

Alba Regina Azevedo Arana, Ana Paula marques Ramos, Lucas Prado Osco, Diego Laercio Gonçalves, João Paulo Peres Bezerra, Antonio Cezar Leal

Resumo


O alto curso do rio Santo Anastácio abastece 30% da população de Presidente Prudente, polo regional do oeste do Estado de São Paulo. Estudos nesta bacia são necessários para levantar aspectos relacionados a rede hídrica, e, assim, mapear suas respectivas Áreas de Preservação Permanente (APP), visando proteger e recuperar as áreas produtoras de água. O objetivo desse trabalho recai em delimitar as APP da bacia hidrográfica do alto curso do rio Santo Anastácio discutindo a importância do planejamento ambiental na preservação destas áreas e visando compreender a importância da restauração das APPs. A principal contribuição desse trabalho é oferecer subsídio às atividades de planejamento ambiental e de gestão das áreas produtoras de água do manancial que abastece a cidade de Presidente Prudente. A extração das feições de interesse ocorreu por meio da interpretação visual de ortofotografias, em Sistema de Informação Geográfica, aplicando conceitos de Sensoriamento Remoto. Os resultados consistem em um mapa temático contendo APP, nascentes, canais fluviais, vegetação arbórea em APP e vegetação arbórea no alto curso do rio Santo Anastácio e uma quantificação da área total de APP a ser restaurada. Conclui-se que este trabalho auxilia nas ações de restauração das APP na bacia, propiciando reflexões sobre a situação ambiental, subsidiando a elaboração de projetos e pesquisas nesta bacia hidrográfica.

 

A B S T R A C T

The watershed of the upper course of the Santo Anastácio river supplies 30% of Presidente Prudente’s population, the regional center of the western state of São Paulo. Studies in this basin are necessary in order to raise the aspects related to this water supply, and therefore, map their respective Permanent Preservation Areas (APP), to protect and recover the areas of producing water. This work maps the APP of the watershed of the upper course of the Santo Anastácio river discussing the importance of the environmental planning on the preservation of these areas and aiming to comprehend the importance of the restoration of APPs. The main contribution is to provide a subsidy to the environmental planning and the management of the activities of the water production areas that supply part of the city of Presidente Prudente. Features of interest were extracted through visual interpretation of orthophotos Appling geoprocessing functions using a Geographic Information System. Results consist of a thematic map with the APP, springs, river channels, arboreal vegetation in APP and arboreal vegetation in the upper course of the Santo Anastácio river quantification of the total area of APP to be restored. This work assists in the APP recovery actions in the watershed, providing reflections upon the environmental situation, supporting the development of projects and of new research on topics and areas of the watershed.


Palavras-chave


Recursos hídricos; planejamento ambiental; preservação ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


Arana, A. R. A., Jardim, A. M., Arana, D. 2017. Áreas de preservação permanente na bacia do Ribeirão da Confusão no município de Rancharia -SP. Revista Brasileira de Geografia Física 10, 280-295.

Alves, A., 2004. Planejamento ambiental urbano na microbacia do córrego da Colônia Mineira - Presidente Prudente/SP. Dissertação (Mestrado em Geografia). Presidente Prudente –SP, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista.

Almeida, J. R., 1999. Planejamento Ambiental: Caminho para a participação popular e gestão ambiental para o nosso futuro comum, 2. ed. rev. e atual. Thex, Rio de Janeiro.

BRASIL, 1965. Lei Federal nº 4771, de 15 de setembro.

BRASIL, 2012. Lei Federal nº12.651, de 25 de maio.

BRASIL, 2012. Lei Federal nº12.727, de 17 de outubro.

Braga, R. A. P., 2005. Avaliação dos instrumentos de política pública na conservação integrada de florestas e água, com estudo de caso na Bacia do Corumbatai -SP. Tese (Doutorado). São Carlos – SP, Universidade Federal de São Carlos.

Botelho, R. G. M., 1999. Planejamento ambiental em microbacia hidrográfica. In: Guerra, A. J. T., et al. (Org.), Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp. 269 - 293.

Carvalho, L. A., 2013. O novo código florestal comentado: artigo por artigo, com alterações trazidas pela lei 12.727, de 17.10.2012 e referência ao decreto 7.830 de 17.10.2012. Juruá, Curitiba -PR.

Campos, Y. O., 2010. Gestão Ambiental: complexidade sistêmica em bacia hidrográfica. Tese (Doutorado). Uberlândia -MG, Universidade Federal de Uberlândia.

Dibieso, E. P., 2007. Planejamento ambiental da bacia hidrográfica do córrego do Cedro – Presidente Prudente -SP. Mestrado (Dissertação). Presidente Prudente – SP, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista.

Dibieso, E. P., 2013. Planejamento ambiental e gestão dos recursos hídricos: estudo aplicado à bacia hidrográfica do manancial do alto curso do Rio Santo Anastácio/SP. Tese (doutorado). Presidente Prudente – SP, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista.

Granziera, M. L. M., 2006. Direito das ¬águas: disciplina jurídica das águas doces. Atlas, São Paulo.

EMPLASA. Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano AS, 2015. Produtos cartográficos: projeto mapeia São Paulo – Ortofotos digitais. São Paulo.

Florenzano, T. G., 2002. Imagens de satélite para estudos ambientais. O.T, São Paulo: O. T.

Franco, M. A. de R., 2008. Planejamento ambiental para a cidade sustentável. Annablume, São Paulo.

Machado, P. J. de O., 2012. Diagnóstico Ambiental e Ordenamento Territorial: instrumentos para a gestão da Bacia de Contribuição da Represa de Chapéu D’Uvas/MG. Tese (Doutorado). Niterói – RJ, Pós-Graduação em Geografia.

Martins, P. T. A., 2008. Análise das intervenções antrópicas no manguezal do Rio Cachoeira, Ilhéus, Bahia. Dissertação (Mestrado). São Cristóvão, Universidade Federal de Sergipe.

Martins, P. T. A., 2010. Áreas prioritárias à preservação e à recuperação de comunidades florestais naturais: estudo de caso no entorno das represas da Bacia Hidrográfica do Alto Vale do Paraíba, São Paulo. Revista Brasileira de Geografia Física 3, 139-145.

Mattos, L. M., 2011. Análise do proambiente como política pública federal para a Amazônia brasileira. Cadernos de Ciência e Tecnologia 28, 721-749.

Novo, E. M. L.M., 2010. Sensoriamento remoto: princípios e aplicações. 4. Ed. Blucher, SP.

Odum, E. P., 1988. Ecologia. Guanabara, RJ.

Petak, W. J., 1980. Environmental planning and management: the need for an integrative perspective. Environmental Management 4.

BRASIL, 2008. Lei Complementar nº 153/2008.

Peters, E. L., Panasolo, A., .2014. Reserva legal e áreas de preservação permanente: à luz da nova lei florestal 12.651/12. Juruá, Curitiba -PR.

Ribeiro, C. R., 2012 Planejamento ambiental e gestão de recursos hídricos na bacia hidrográfica da represa de Chapéu D’uvas – Zona da Mata e Campo das Vertentes/MG. Dissertação (Mestrado). Presidente Prudente, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia.

Rebouças, A. C., 2002. Aspectos Relevantes do problema da água. In: Rebouças, A. C.; Braga, B.; Tundisi, J. G. (Org.), Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. Escrituras, São Paulo, pp. 732.

Silva, A. L. M., 2005. Direito do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais. Tribunais, São Paulo, pp. 487.

Santos, R. F., 2004. Planejamento ambiental: teoria e prática. 1. ed. Oficina de Textos, São Paulo, pp.184.

Sirvinskas, L. P., 2010. Manual de direito ambiental. Saraiva, São Paulo, pp. 1000.

Schumacher, M. V; Hoppe, J. M., 1998. A Floresta e a Água. Pallotti, Porto Alegre, pp. 70.

Tricart, J. 1977. Ecodinâmica. FIBGE, Rio de Janeiro, pp. 97.

Tundisi; J. G.; Tundisi, T., 2010. Ciência, tecnologia, inovação e recursos hídricos: oportunidades para o futuro. In: Bicudo, C. E. M.; Tundisi, J. G.; Scheuentsul, M. C. (Org.). Águas do Brasil: análises estratégicas. Academia Brasileira de Ciências, São Paulo, 179-197.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v10.6.p674-686

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License