Aspectos da paisagem e fatores socioeconômicos nos casos de dengue na cidade de Porto Alegre, RS (Landscape aspects and socioeconomic factors in the cases of Dengue in the city of Porto Alegre, RS)

Jéssica Mazutti Penso-Campos, Eliane Fraga, Eduardo Caldas, Jussara Alves Pinheiro Sommer, Eduardo Périco

Resumo


A dengue é uma doença causada por um arbovírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. Nas áreas urbanas, a falta de planejamento ambiental e a desigualdade das condições socioeconômicas favoreceram o aumento dos casos da doença, mesmo em locais com clima mais variável, como o sul do Brasil. Em 2001, houve a introdução de A. aegypti na cidade de Porto Alegre, RS. Objetivou-se correlacionar casos de dengue autóctones com variáveis socioeconômicas e ambientais em Porto Alegre. No período de janeiro a julho de 2013 monitoraram-se 712 armadilhas para mosquitos adultos, em 22 bairros da cidade. Para análise de variáveis ambientais, recorreu-se aos dados de cobertura e uso do solo para cada bairro amostrado, conforme as seguintes classes: cobertura vegetal (árvores, arbustos e herbáceos), água e uso humano (outros usos). Utilizaram-se como variáveis, a cobertura e uso do solo, precipitação, temperatura, renda média e a densidade populacional por bairro. Aplicou-se a análise de regressão múltipla para avaliar a importância de cada fator em relação ao número de fêmea e casos relatados. Os resultados indicam que a precipitação não influenciou significativamente o número de fêmeas coletadas, mas a temperatura tem uma relação significativa. O número de fêmeas coletadas eleva-se com o aumento da temperatura. A análise de regressão múltipla indica que a variável dependente (número de casos) foi significativamente influenciada pelo número de fêmeas (p = 0,0420), a cobertura vegetal (p = 0,0005) e o uso antrópico (p = 0,0003).

 

 

 

A B S T R A C T

The dengue is a disease caused by an arbovirosis transmitted by the mosquito Aedes aegypti. In urban areas, the lack of environmental planning and difference in socioeconomic conditions have favored an increase in the disease cases even in places with milder weather, such as southern Brazil. In 2001, there was the introduction of A. aegypti in the city of Porto Alegre, RS. The aim of the study was to correlate cases of autochthonous dengue with socioeconomic and environmental variables in Porto Alegre. From January to July 2013, 712 traps for adult mosquitoes were monitored in 22 city neighborhoods. For analysis of environmental variables, data of use and land cover were obtained for each sampled neighborhood and separated into the following classes: vegetation cover (trees, shrubs and herbaceous), water and human use (other uses). Besides the land use and cover the influence of rainfall, temperature, average income and population density have been verified. Multiple regression analysis was performed to assess the importance of each factor in the number of reported cases. The results indicated that precipitation did not significantly influence the number of females collected, but the temperature has a significant relationship. The number of females collected increases with increasing temperature. The multiple regression analysis indicates that the dependent variable (number of cases) was significantly influenced by the number of females (p = 0.0420), the vegetation cover (p = 0.0005) and human use (p = 0.0003 ), but the density and average income.

Keywords: Coverage and land use; ArcGis; geoprocessing; image processing; environmental health surveillance.


Palavras-chave


Cobertura e uso da terra; ArcGis; geoprocessamento; processamento de imagens; vigilância ambiental em saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, C. A. P., Silva, R. M., 2017. Modelagem espacial dos casos de dengue e variáveis socioambientais em João Pessoa, Cabedelo e Bayeux, Paraíba. Revista Brasileira de Geografia Física 10, n.05, 1455-1470.

Araújo, R. R., Nunes, J. S. A., 2005. Relações geográficas entre o clima e a incidência de dengue na cidade de São Luís – MA. Ciências Humanas em Revista 3, n. 2, 86-97.

Baroni, C. J., Oliveira T. B., 2009. Aspectos epidemiológicos da febre clássica da dengue, em Giruá – RS. Revista Brasileira de Análises Clínicas 41, n. 4, 289-293.

Brasil, 2006a. Programa Nacional de Controle da Dengue: amparo legal à execução das ações de campo – imóveis fechados, abandonados ou com acesso não permitido pelo morador. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde 2. ed.

Brasil, 2006b. Abordagens espaciais na saúde pública. Ministério da Saúde 1, Brasília.

Brasil, 2007. Introdução à Estatística Espacial para a Saúde Pública. Ministério da Saúde 1, Brasília.

Brasil, 2017. Ministério da Saúde. Portaria Nº 1.682, de 30 de Julho de 2017 - Declara o encerramento da Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) por alteração do padrão de ocorrência de microcefalias no Brasil e desativa o Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COES).

Brasil, 2009. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue. Ministério da Saúde 1, 160 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Brasil, 2015. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.813, de 11 de novembro de 2015 – Declara Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) por alteração do padrão de ocorrência de microcefalias no Brasil.

Caldas, E., Santos, D., Gallas, M., Silveira, E.F., Périco, E. 2015. Influência de determinantes ambientais e socioeconômicos nos casos de dengue na cidade de Porto Alegre, RS Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, João Pessoa-PB, Brasil, 25 a 29 de abril de 2015, INPE.

Câmara, F. P., Gomes, A. F., Santos, G. T., Câmara, D. C. P., 2009. Clima e epidemias de dengue no Estado do Rio de Janeiro. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 42, 137-140.

Costa, A. I. P., Natal D., 1998. Distribuição espacial da dengue e determinantes socioeconômicos em localidade urbana no sudeste do Brasil. Revista Saúde Pública 32, 232-236.

Depradine, C. A., Lovell, E. H., 2004. Climatological variables and the incidence of dengue fever in Barbados. International Journal of Environmental Health Research 14, 429-441.

Donalisio, M. R., Glasser, C. M., 2002. Vigilância entomológica e controle de vetores da dengue. Revista Brasileira de Epidemiologia 5, n. 3, 259-279.

Flauzino, R. F., Souza-Santos, R., Oliveira, R. M., 2009. Dengue, geoprocessamento e indicadores socioeconômicos e ambientais: um estudo de revisão. Revista Panamericana de Salud Pública 25, n.5, 456-461.

Forattini, O. P., 1992. Ecologia, epidemiologia e sociedade. São Paulo: Artes Médicas. 529p.

Goncalves neto, V., Rebelo, J. 2004. Aspectos epidemiológicos do dengue no município de São Luís, Maranhão, Brasil, 1997-2002. Cadernos de Saúde Pública 20, n.5, 1427-1431.

Honório, N. A., Oliveira, R. L., 2001. Freqüência de larvas e pupas de Aedes aegypti e Aedes albopictus em armadilhas, Brasil. Revista Saúde Pública 35, n. 4, 385-391.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2017. Cidades. Disponível em: . Acesso em: 9 de março de 2018.

Magalhães, G. B., 2015. Comportamento Espaço-temporal da Dengue e sua Relação com os Elementos Atmosféricos e Socioeconômicos em Fortaleza/CE. Tese (Doutorado). Fortaleza, UFC.

Marçal Junior, O., Santos, A. 2004. infestação por Aedes aegypti (diptera: culicidae) e incidência do dengue no espaço urbano: um estudo de caso. Caminhos de Geografia 5, n.13, 241-251.

Mendonça, F. A., Veiga e Souza, A., Dutra, D. A., 2009. Saúde pública, urbanização e dengue no Brasil. Sociedade & Natureza 21, n. 3, 257-269.

Mendonça, F. Aquecimento global e saúde: uma perspectiva geográfica — notas introdutórias. Revista Terra Livre 20, 205-221.

Mondini, A., Neto, F. C., 2007. Variáveis socioeconômicas e a transmissão da dengue. Revista Saúde Pública 41, n. 6, 923-930.

Moore, C. G., 1985. Predicting Aedes aegypti abundance from climatological data. Florida Medical Entomology Laboratory 2, 223-233.

Penso, J. M., Périco, E., 2016. Análise espaço-temporal da mortalidade por diabetes mellitus no Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Geografia Física 09, n. 6, 1836-1848.

Périco, E., Cemin, G. 2006. Caracterização da paisagem do município de Arvorezinha, RS, com ênfase na dinâmica dos fragmentos florestais, pormeio de sistemas de informações geográficas (SIGs).Scientia Forestalis 70, 09-21.

Rebêlo, J. M. M., Costa, J. M. L., Silva, F. S., Pereira, Y. N. O., Silva, J. M., 1999. Distribuição de Aedes aegypti e do dengue no Estado do Maranhão, Brasil. Caderno de Saúde Pública 15, n. 3, 477-486.

Ribeiro, A. F., Marques, G. R. A. M., Voltolini, J. C., Condino, M. L. F., 2006. Associação entre incidência de dengue e variáveis climáticas. Revista Saúde Pública 40, n. 4, 671-676.

Santana, P., 2014. Introdução à geografia da saúde: território, saúde e bem estar. Universidade de Coimbra. Coimbra University Press 1, 192p.

Silva, A. M., Silva, R. M., Almeida, C. A. P, Chaves, J. J. S., 2015. Modelagem Geoestatística dos Casos de Dengue e da Variação Termopluviométrica em João Pessoa, Brasil. Revista Sociedade e Natureza 27, 157-169.

Tauil, P. L., 2001, Urbanização e ecologia do dengue. Cadernos de Saúde Pública 17, 99-102.

Valdés, G. L., Mizhrahi, J. V., Guzmán, M. G., 2002. Impacto económico de la epidemia de dengue 2 en Santiago de Cuba, 1997. Revista Cubana de Medicina Tropical 54, n.3, 220-227.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.5.p1846-1858

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License