Adaptações estruturais e potencial plástico de Schinus terebinthifolia Raddi. (Anacardiaceae) em diferentes formações de restinga

João Carlos Ferreira Melo Júnior, Taise Milena Gonçalves, Raissa Iana Leite Jardim Schöne

Resumo


Plantas da Restinga se desenvolvem sob condições ambientais heterogêneas, principalmente quando se distribuem ao longo de um gradiente. O presente estudo avaliou as adaptações morfoanatômicas foliares de Schinus terebinthifolia Raddi (Anacardiaceae) ocorrente em perfis fitofisionômicos de restinga: arbustiva, arbustivo-arbórea e floresta de transição. Em cada perfil fitofisionômico foram selecionados dez indivíduos dos quais foram coletadas quinze folhas totalmente expandidas para análise de atributos morfoanatômicos funcionais, tais como: massa fresca e seca, área foliar, área específica foliar, densidade foliar e estomática e espessura de tecidos. Variáveis ambientais como nutrição edáfica e radiação luminosa foram mensuradas. As populações foram comparadas por meio de ANOVA e PCA. Os atributos anatômicos mostraram-se menos plásticos que os morfológicos. As populações mostraram-se distintas entre si, sendo tipicamente xeromórfica na formação arbustiva e mesomórfica na fisionomia florestal, em função da oferta nutricional do solo, além da variância de temperatura e umidade. As diferenças encontradas são uma resposta aos fatores ambientais, principalmente ao gradiente edáfico que atua como um filtro ambiental que direcionada as adaptações estruturais da espécie.

 

 

Structural adaptations and plastic potential of Schinus terebinthifolia Raddi. (Anacardiaceae) in different Restinga formations

 

A B S T R A C T

Restinga plants develop under heterogeneous environmental conditions, mainly when are distributed along a gradient. The present study evaluated the foliar morphoanatomy adaptations in Schinus terebinthifolia Raddi. (Anacardiaceae) occurring in three different formations of Restinga: shrubby restinga, shrubby and wooded restinga and transition forest. In each formation were selected ten individuals were selected from which 15 fully expanded leaves were collected for analysis of function morphoanatomic attributes. Environmental variables as edaphic nutrition and light radiation were measured. Populations had been compared by analysis of variance (ANOVA) and PCA. The anatomic attributes were less plastic than the morphologic. The populations were distinct from each other, being typically xeromorphic in the shrubby formation and mesomorphic in transition forest, as a function of a better or worse supply of soil nutrition. The differences found are an answer to the environmental factors, mainly the edaphic gradient which acts as an environmental filter that directs the structural adaptations of the species.

Keywords: conservation of biodiversity, leaf morphoanatomy, edaphic gradient, phenotypic plasticity, oligotrophic scleromorphism.


Palavras-chave


conservação da biodiversidade, morfoanatomia foliar, gradiente edáfico, plasticidade fenotípica, escleromorfismo oligotrófico

Texto completo:

PDF

Referências


Arens, K., 1958. Considerações sobre as causas do xeromorfismo foliar. Boletim da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, 25-56.

Alvares, C.A., Stape, J.L., Sentelhas, P. C., Gonçalves, J.L.M., Sparovek, G., 2014. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22, 711-728.

Amorim, M.W., Melo Jr, J.C.F., 2017a. Plasticidade morfológica de Myrcia splendens (Sw) CD. (Myrtaceae) ocorrente em Mata Atlântica e Cerrado. Iheringia. Série Botânica 71, 261-268.

Amorim, M.W., Melo Jr., J.C.F., 2017b. Functional diversity of restinga shrub species on the coastal plain of southern Brazil. International Journal of Development Research 7, 13189-13202.

Aquino, A.J.S., Lacerda, C.F., Bezerra, M.A., Gomes Filho, E., Costa, R.N.T., 2007. Crescimento, partição de matéria seca e retenção de Na+, K+ e Cl- em dois genótipos de sorgo irrigados com águas salinas. Revista Brasileira de Ciência do Solo 31, 5.

Arruda, R.C.O., Viglio, N.S.F., Barros, A.A.M., 2009. Anatomia foliar de halófitas e psamófilas reptantes ocorrentes na restinga de Ipitangas, Saquarema, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia, 333-352.

Araujo, D.S.D., 2000. Análise florística e fitogeográfica das restingas do Estado do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Bachtold, B.A., Melo Junior, J.C.F., 2015. Plasticidade morfológica de Calophyllum brasiliense Camb. (Calophyllaceae) em duas formações de Restinga no sul do Brasil. Acta Biológica Catarinense 2, 2.

Baggio, A.J., 1998. Aroeira como potencial para usos múltiplos na propriedade rural. Boletim de Pesquisa Florestal 17, 25-32.

Bigarella, J.J., 2001. Contribuição ao estudo da planície litorânea do estado do Paraná. Brazilian Archives of Biology and Technology Jubilee, 65-110.

Borcard, D., Gillet, F., Legendre, P., 2011. Numerical Ecology with R. New York: Springer.

Boeger, M.R.T., Gluzezak, R.M., 2006. Adaptações estruturais de sete espécies de plantas para as condições ambientais da área de dunas de Santa Catarina, Brasil. Iheringia. Série Botânica 61, 73-82.

Boeger, M.R.T., Wisniewski, C., 2003. Comparação da morfologia foliar de espécies arbóreas de três estádios sucessionais distintos de floresta ombrófila densa (Floresta Atlântica) no Sul do Brasil. Revista Brasileira de Botânica 26, 61-72.

Bongers, F., Popma, J., 1990. Leaf characteristics of the tropical rain forest flora of Los Tuxtlas, Mexico. Botanical Gazette 151, 354-365.

Bonilha, R.M., Casagrande J.C., Soares, M.R., Reis-Duarte, M., 2013. Characterization of the soil fertility and root system of restinga forests. Revista Brasileira de Ciência do Solo 36, 1804-1813.

Bradshaw, A.D., 2006. Unravelling phenotypic plasticity–why should we bother?. New Phytologist 170, 644-648.

Chagas, M.G.S, Silva, M.D., Galvíncio, J.D., Pimentel, R.M.M., 2008. Variações foliares em grupos funcionais vegetais de uma paisagem de pestinga, Pernambuco-Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física 1, 50-63.

Donato, A.N., Morretes, B.L., 2007. Anatomia foliar de Eugenia brasiliensis Lam. (Myrtaceae) proveniente de áreas de restinga e de floresta. Revista Brasileira Farmacognosia 17, 426-443.

EPAGRI. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina, 2014. Dados meteorológicos da região de Joinville. Disponível: http://www.epagri.sc.gov.br. Acesso: 24 jan. 2017.

Epstein, E. Bloom, A.J., 2006. O meio de Nutrição das Plantas. Editora Planta.

Faleiro, W., Saiki, P.T.O., 2008. Morfologia Foliar em cinco Fitofisionomias de Cerrado do Parque Estadual da Serra de Caldas Novas, GO. Revista Brasileira de Biociências 5, 687-689.

Feder, N., O'brien, T.P., 1968. Plant microtechnique: Some principles and new methods. American Journal of Botany, 123-142.

Givnish, T., 1998. Ecology of photosynthesis in sun and shade. CSINO.

Gratani, L., 2014. Plant phenotypic plasticity in response to environmental factors. Advances in Botany.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. Manual técnico da vegetação brasileira. São Paulo, 136-139.

Jardim, R.I.L., Melo Jr., J.C.F., Silva, M.M., 2018. Efeito do Gradiente de Luminosidade sobre Respostas Estruturais de Hyeronima alchorneoides (Phyllanthaceae) em Ambiente Florestal. Revista Brasileira de Geografia Física, 11, 913-923.

Körner, C.H., Bannister, P., Mark, A.F., 1986. Altitudinal variation in stomatal conductance, nitrogen content and leaf anatomy in different plant life forms in New Zealand. Oecologia 69, 577-588.

Kraus, J.E., Arduin, M., 1997. Manual básico de métodos em Morfologia Vegetal.

De Kroon, H., Huber, H., Stuefer, J.F., Van Groenendael, J.M., 2005. A modular concept of phenotypic plasticity in plants. New phytologist 166, 73-82.

Luque, G.M., Bellard, C., Bertelsmeier, C., Bonnaud, E., Genovesi, P., Simberloff, D., Courchamp, F., 2013. Alien species: monster fern makes IUCN invader list. Nature, 498.

Liberato, I.S., Melo Jr, J.C.F., 2016. Morphological plasticity of Ilex theezans Mart. ex Reissek (Aquifoliaceae) in two restinga vegetation of Santa Catarina coastal plain. Acta Biológica Catarinense 3.

Loveless, A.R., 1962. Further evidence to support a nutritional interpretation of sclerophylly. Annals of Botany 26, 551-561.

Lü, X.T., Freschet, G.T., Flynn, D.F.B., Han, X.G., 2012. Plasticity in leaf and stem nutrient resorption proficiency potentially reinforces plant–soil feedbacks and microscale heterogeneity in a semi-arid grassland. Journal of Ecology 100, 144-150.

Melo Jr, J.C.F., Boeger, M.R.T. 2015a. Riqueza, estrutura e interações edáficas em um gradiente de restinga do Parque Estadual do Acaraí, Estado de Santa Catarina, Brasil. Hoehnea 42, 207-232.

Melo Jr, J.C.F., Boeger, M.R.T., 2015b. Leaf traits and plastic potential of plant species in a light-edaphic gradient from restinga in southern brazil. Acta Biológica Colombiana 21, 51-62.

Melo Jr, J.C.F., Boeger, M.R.T., 2016. Leaf traits and plastic potential of plant species in a light-edaphic gradient from a restinga in southern Brazil. Acta Biológica Colombiana 21, 51-62.

Melo Jr, J.C.F., Boeger, M.R.T., 2017. Functional traits of dominant plant species of the brazilian sandy coastal plain. International Journal of Current Research 9, 45585-45593.

Nascimento, M.C., Corte, G.N., Valdujo, P.H., Guedes, T.B., 2008. Pilosidade e espessura de folhas em ambientes sob diferentes incidências de luz na restinga. Ecologia da Mata Atlântica.

O'Brien T.P., McCully M.E., 1981. The study of plant structure: Principles and selected methods. Termarcarphi Pty.

Pereira, O.J., Araujo, D.S.D., 2000. Análise florística das restingas dos Estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro. Ecologia de restingas e lagoas costeiras, 25-63.

Pigliucci, M., Murren, C.J., Schlichting, C.D., 2006. Phenotypic plasticity and evolution by genetic assimilation. Journal of Experimental Biology 209, 2362-2367.

Poulson, M.E., Boeger, M.R.T., Donahue, R.A., 2006. Response of photosynthesis to high light and drought for Arabidopsis thaliana grown under a UV-B enhanced light regime. Photosynthesis Research 90, 79-90.

Press, M.C., 1999. The functional significance of leaf structure: a search for generalizations. New Phytologist 143, 213-219.

PROBIO. Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira, 2003. Áreas prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 140.

Ronquim, C.C., 2010. Conceitos de fertilidade do solo e manejo adequado para as regiões tropicais. Embrapa Monitoramento por Satélite. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento.

Sabbi, L.D.B.C., Ângelo, A.C., Boeger, M.R., 2010. Influência da luminosidade nos aspectos morfoanatômicos e fisiológicos de folhas de Schinus terebinthifolius Raddi (Anacardiaeae) implantadas em duas áreas com diferentes graus de sucessão, nas margens do Reservatório Iraí, Paraná, Brasil. Iheringia. Série Botânica 65, 171-181.

Santos, M., Junior, P.C.P.F., Vailati, M.G., Paulilo, M.T.S., 2010. Aspectos estruturais de folhas de indivíduos de Guapira opposita (Vell) Reitz (Nyctaginaceae) ocorrentes em Restinga e na Floresta Ombrófila Densa. Insula Revista de Botânica 39, 59-78.

Scoffoni, C., Kunkle, J., Pasquet-Kok, J., Vuong, C., Patel, A.J., Montgomery, R.A., et al., 2015. Light‐induced plasticity in leaf hydraulics, venation, anatomy, and gas exchange in ecologically diverse Hawaiian lobeliads. New Phytologist 207, 43-58.

Segatto, F.B., Bisognin, D.A., Benedetti, M., Costa, L.C., Rampelotto, M.V., Nicoloso, F.T., 2004. Técnica para o estudo da anatomia da epiderme foliar de batata. Ciência Rural 34, 1597-1601.

Siebeneichler, S.C., Freitas, G.A.D., Silva, R.R.D., Adorian, G.C., Capellari, D., 2008. Características morfofisiológicas em plantas de Tabebuia heptaphyilla (Vell.) tol. em condições de luminosidade. Acta amazônica 38, 467-472.

Silva-Luz, C.L., Pirani, J.R., 2014. Anacardiaceae in lista de espécies da flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Sultan, S.E., 2000. Phenotypic plasticity for plant development, function and life history. Trends in plant Science 5, 537-542.

Todorovski, E.C.D., Melo Jr, J.C.F., Amorim, M.W., Silva, M.M., 2015. Potencial plástico de Nectandra oppositifolia Nees. (Lauraceae) em fisionomias de floresta ombrófila densa e restinga. Natureza online 13, 70-76.

Valladares, F., Aranda, I., Gómez, D.S., 2004. La luz como factor ecológico y evolutivo para las plantas y su interacción con el agua. In: Ecología del bosque mediterraneo en un mundo cambiante. Organismo Autónomo de Parques Nacionales. Madrid: Ministerio de Medio Ambiente.

Valladares, F., Sanches-Goems, D., Zavala, M.A., 2006. Quantitative estimation of phenotypic plasticity: bridging the gap between the evolutionary concept and its ecological applications. Journal of Ecology 94, 1103-1116.

Valladares, F., Gianoli, E., Gómez, J.M., 2007. Ecological limits to plant phenotypic plasticity. New phytologist 176, 749-763.

Vendramini, F., Díaz, S., Gurvich, D.E., Wilson, P.J., Thompson, K., Hodgson, J.G., 2002. Leaf traits as indicators of resource‐use strategy in floras with succulent species. New Phytologist 154, 147-157.

Yano, S., Terashima, I., 2001. Separate localization of light signal perception for sun or shade type chloroplast and palisade tissue differentiation in Chenopodium album. Plant and Cell Physiology 42, 1303-1310.

Wilson, P.J., Thompson, K., Hodgson, J.G., 1999. Specific leaf area and leaf dry matter content as alternative predictors of plant strategies. New Phytology 143, 155-162.

Witkowski, E.T.F., Lamont, B.B., 1991. Leaf specific mass confounds leaf density and thickness. Oecologi 88, 486.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.6.p2218-2238

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License