Variação Intra-Anual da Cobertura da Terra de Uma Ottobacia no Médio Curso do Rio Araguaia (Intra-Annual Variation in Land Cover of an Ottobacia in the Middle Course of the Araguaia River )

Galgane Patrícia Luiz, Pedro Ribeiro Martins, Leonardo Fernandes Gomes, Antônio Felipe Couto Júnior

Resumo


A Bacia do Rio Araguaia é uma região cujos ambientes mostram-se marcados pelas variações anuais de inundação. A caracterização da cobertura da terra tem o potencial de caracterização do funcionamento ecossistêmico, bem como, avaliar possíveis modificações antrópicas. O presente trabalho teve como objetivo avaliar as variações espectrais de classes de uso e cobertura da terra da Ottobacia 6951, localizada no Médio curso do Rio Araguaia, no ano de 2017. Foram utilizadas imagens de reflectância da superfície terrestre do sensor Operational Land Imager (OLI) do satélite Landsat 8, referente aos períodos de transição chuva-seca (maio), seca (julho) e transição seca-chuva (outubro) de 2017. Para cada data foram geradas imagens-fração, através da técnica de mistura espectral, considerando três membros finais (natural, pastagem e água), evidenciando as mudanças da cobertura. Também foram gerados índices de vegetação para cada período, evidenciado os aspectos biofísicos da cobertura da terra. Para essa avaliação foram estabelecidos 50 pontos aleatórios para cada classe considerando a bacia inteira, cada unidade geomorfológica e uso e cobertura da terra. A avaliação dos padrões temporais da cobertura da terra considerou, especialmente, as relações de significância entre os fatores “cobertura” e “período”, para a realização de Análise Multivariada de Permutação (PERMANOVA). A avaliação de agrupamentos foi realizada por meio da Análise de Componentes Principais (ACP), que proporciona a redução da dimensionalidade dos dados. A cobertura da terra foi a variável de maior significância das mudanças intra-anuais da Ottobacia. A classe pastagem apresentou a maior variação intra-anual, expressando um comportamento mais sensível à sazonalidade.

 

 

A B S T R A C T

The Araguaia River Basin is an area whose environments are marked by annual flood variations. The characterization of the land cover has the potential to characterize the ecosystem functioning, as well as to evaluate possible anthropic changes. The objective of this work was to evaluate the spectral variations of land use and land cover classes of Ottobacia 6951, located in the middle course of the Araguaia River, in the year 2017. Land surface reflectance images of the Operational Land Imager (OLI) ) of the Landsat 8 satellite, referring to the rainy-dry (May), dry (July) and dry-rainy transition (October) periods of 2017. For each date fractional images were generated, using the spectral mixing technique, considering three final members (natural, pasture and water), evidencing changes in coverage. Vegetation indexes were also generated for each period, evidencing the biophysical aspects of the land cover. For this evaluation were established 50 random points for each class considering the entire basin, each geomorphological unit and land use and coverage. The evaluation of temporal patterns of land cover considered, especially, the relations of significance between the factors "coverage" and "period", for the realization of Multivariate Analysis of Permutation (PERMANOVA). The clustering evaluation was performed through the Principal Component Analysis (PCA), which provides a reduction in the dimensionality of the data. Land cover was the most significant variable of Ottobacia's intra-annual changes. The pasture class had the highest intra-annual variation, expressing a behavior more sensitive to seasonality.

Keyworks: river geomorphology, land cover seasonality, spectral mixing, vegetation indices, land use and cover.


Palavras-chave


geomorfologia fluvial, sazonalidade da cobertura da terra, mistura espectral, índices de vegetação, uso e cobertura do solo

Texto completo:

PDF

Referências


Aquino, S., Stevaux J. C.; Latrubesse, E. M., 2005. Regime hidrológico e aspectos do comportamento morfohidráulico do Rio Araguaia, Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 2, p.29-41.

ANA. Agência Nacional de Águas, 2014. Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil–informe. Disponível em: Acessado em: 06 ago. 2017.

Anderson, M. J., 2015. Permutational multivariate analysis of variance. Department of Statistics, University of Auckland, v. 26, p. 32-46.

Aparecido, C. F. F.; Vanzela, L. S.; Vazquez, G. H.; Lima, R. C., 2016. Manejo de bacias hidrográficas e sua influência sobre os recursos hídricos. Irriga, Botucatu, v. 21, n. 2, p. 241 e 250.

Balázs, B., Bíró, T., Dyke, G., Singh, S. K., Szabó, S., 2018. Extracting water-related features using reflectance data and principal component analysis of Landsat images. Hydrological Sciences Journal [online] 63 Disponível: https://doi.org/10.1080/02626667.2018.1425802. Acesso: 07 junho. 2018.

Bayma, A.P; Sano, E. E., 2015. Séries temporais de índices de vegetação (NDVI e EVI) do Sensor Modis para detecção de desmatamentos no Bioma Cerrado. Bol. Ciênc. Geod., sec. Artigos, Curitiba, v. 21, n. 4, p.797-813.

Borges, E. F.; Sano, E. E., 2014. Caracterização fenológica da cobertura vegetal do oeste da Bahia a partir de séries temporais de EVI do sensor modis. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, N0 66/6, p. 1265-1280.

CPRM. Serviço Geológico Brasileiro, 2008. Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado, para entender o presente e prever o futuro / editor: Cassio Roberto da Silva. Rio de Janeiro. 264 p. Disponível em: . Acesso: outubro de 2017.

Faustino, A. B.; Ramos, F. F.; Silva, S. M. P., 2014. Dinâmica temporal do uso e cobertura do solo na Bacia Hidrográfica do Rio Doce (RN) com base em sensoriamento remoto e SIG: uma contribuição aos estudos ambientais. Sociedade e Território 26, 18-30.

Fleischmann, A. S.; Siqueira, V. A.; Fan, F. M.; Pontes, P. R. M.; Jardim, P. F.; Lopes, V. A.; Sorribas, M. V.; Collischonn, W., 2017. Estimativa de áreas inundadas em grandes bacias com o modelo MGB-IPH e pacote de geoprocessamento IPH-HydroTools. Anais do XVIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto -SBSR. p 4969-4976.

Gillespie, T. W., Ostermann-Kelm, S., Willis, C. D. D. S., Okina, G. S., Donalda, G. M. M., 2018. Monitoring changes of NDVI in protected areas of southern California.Ecological Indicators [online] 88 Disponível: https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2018.01.031. Acesso: 07 junho. 2018.

Gurnell, a. M.; Bussettini, M.; Camenen, B.; Del Tánago, M.; González; G. R. C.; Hendriks, D.; Henshaw, A; Latapie, A.; Rinaldi, M.; Surian, N., 2014. A hierarchical multiscale framework and indicators of hydromorphological processes and forms. Deliverable 2.1, Part 1, of REFORM (REstoring rivers FOR effective catchment Management), a Collaborative project (large-scale integrating project) funded by the European Commission within the 7th Framework Programme under Grant Agreement 282656. 102 p.

Junk, W. et al., 2015. Definição e Classificação das Áreas Úmidas (AUs) Brasileiras: Base Científica para uma Nova Política de Proteção e Manejo Sustentável. Instituto Nacional de Pesquisa e Tecnologia em Áreas Úmidas (INCT-Áreas Úmidas).

Kudrev, T.G., 1994. Água: vida das plantas. São Paulo: Ícone. 178p.

Lopes, M. H.; Franco, J. L. A.; Costa, K. S., 2017. Expressões da Natureza no Parque Nacional do Araguaia: Processos geoecológicos e diversidade da vida. v.7, n.2, p. 65-100.

Luz, C. C. S.; Neves, S. M. A.; Ramos, A. W. P.; Silva, G. J. O., 2018. Análise da vulnerabilidade natural e ambiental na Bacia Hidrográfica do Rio Jauru-MT. Anais 7º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, Jardim-MS. Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p. 1006-1015.

Magalhães, I. A. L., Xavier, A. C., Santos, A. R., 2013. Caracterização da dinâmica espectro temporal florestal e da cana-de-açúcar no município de Itapemirim, ES. Revista Geosul. 28, 183-210.

Mao, D., Wang, Z., Yang, H., Li, H., Thompson, J. R., Li, L., Song, K., Chen, B., Gao, H., Wu, J., 2018. Impacts of Climate Change on Tibetan Lakes: Patterns and Processes Remote Sensing [online] 10 Disponível: https://doi.org/10.3 390/rs10030358. Acesso: 04 abril. 2018.

MMA. Ministério do Meio Ambiente., 2014. Controle e prevenção do desmatamento. Disponível em: Acessado em: 09/02/2019.

Morais E. S.; Rocha P. C., 2016. Formas e processos fluviais associados ao padrão de canal meandrante: o baixo rio do peixe, SP. Rev. Bras. Geomorfol. (Online), São Paulo, v.17, n.3, (Jul-Set) p.431-449.

Moroz-Caccia Gouveia, I. C.; Rodrigues, C., 2017. Mudanças morfológicas e efeitos hidrodinâmicos do processo de urbanização na bacia hidrográfica do rio Tamanduateí – Região Metropolitana de São Paulo. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 21, n. 1, p. 257-283.

Nery, C. V. M.; Moreira, A. A.; Fernandes, F. H. S., 2014. Análise do Comportamento Espectral da Floresta Estacional Decidual. In Revista Brasileira de Geografia Física v.07, n.02, p. 417–433.

Nie, Y., Sheng, Y., Liu, Q., Liu, L., Liu, S., Zhang, Y., Song, C. A., 2017. Regional-scale assessment of Himalayan glacial lake changes using satellite observations from 1990 to 2015. Remote Sens. Environ, 189, 1–13.

Passarella, S.; Ladeira, F. S. B.; Liesenberg, V., 2016. Morfometria da bacia do Rio São João, MG: uma proposta de entendimento dos limites e da dinâmica das superfícies erosivas. Revista Brasileira de Geomorfologia, São Paulo, v.17, n.2, p. 242.

Ponzoni, F. J., 2001. Comportamento espectral da vegetação. In: Meneses, P. R.; Madeira Netto, J. S. (Org.). Sensoriamento remoto: reflectância dos alvos naturais. Brasília: UnB; Planaltina, DF, Embrapa Cerrados. p. 63-119.

Shimabukuro, Y.E., Smith, J.A., 1991. The least-squares mixing models to generate fraction images derived from remote sensing multispectral data, IEEE Transactions on Geoscience and Remote Sensing, v. 29, n 1, p. 16-20.

Silva, J. S.; da Silva, R. M., 2016. Mapeamento e comparação entre índices de vegetação utilizando imagem OLI/Landsat 8 na bacia do Rio Bacanga, São Luís (MA). XVIII Encontro nacional de geógrafos.

Silva, M. L., 2016. Mapeamento de superfícies aplainadas no norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geografia Física v. 09 n. 02, p. 526-545.

Takatori, M. M. O; Gamarra, R. M.; Faggioni, G. F.; Dalmas, F. B.; Paranhos Filho, A. C. P., 2017. Uso de geotecnologias na análise da estrutura e dinâmica da paisagem na região do Nabileque. Revista UNG – Geociências, Guarulhos-SP, v. 16, n. 1, p. 87-101.

Tieskens, K. F.; Schulp, C. J. E; Levers, C.; Lieskovsky, J.; Kuemmerle, T.; Pileninger, T.; Verburg, P. H., 2017. Characterizing European cultural landscapes: Accounting for structure, management intensity and value of agricultural and forest landscapes. Land Use Policy 62, 29- 39.

Trevisan, D. P.; Moschini, L. E.; Dias, L. C. C.; Gonçalves, J. C., 2018. Avaliação da vulnerabilidade ambiental de São Carlos – SP. RA’EGA, v. 44, n. 1, p. 272-288.

USGS. United States Geological Survey, 2017. Using the USGS Landsat 8 Product. Disponível em: https://landsat.usgs.gov/using-usgs-landsat-8 product. Acessado em novembro de 2017.

Vargas, R. R.; Saad, A. R.; Dalmas, F.; Bau, R. A.; Arruda, R. O. M.; Mesquita, M. V.; Andrade, M. R. M., 2015. Water Quality Assessment in the Córrego Taquara do Reino Hydrographic Basin, Guarulhos Municipality (São Paulo State - Brazil): Effects of Environmental Degradation. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, v. 38, n. 2, p. 138.

Zanata, M.; Pissarra, T. C. T.; Ferraudo, A. S.; Ranzini, M.; Campos, S., 2015. Effect of soil use on the quality of water resource in watershed using multivariate statistical analysis. Irriga, Botucatu, v. 20, n. 4, p. 787.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.4.p1563-1582

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License