Diagnóstico físico, socioeconômico e socioambiental do território da área de proteção ambiental (APA) do Rio Maior – Santa Catarina – Brasil (Physical, socioeconomic and socio-environmental diagnosis of the territory of the environmental protection area (APA) of Rio Maior - Santa Catarina - Brazil)

Thaise Sutil, Nilzo Ivo Ladwig, Álvaro José Back, Danrlei De Conto

Resumo


Com o intuito de conservar os recursos hídricos e a vegetação existente na bacia hidrográfica do rio Maior, foi criada a Área de Preservação Ambiental (APA) do Rio Maior, por meio do projeto de Lei Municipal n. 1.665/1998. No entanto, além da sua criação definida por lei, é necessário o seu gerenciamento, o que não ocorreu na APA do Rio Maior. Passados vinte anos da criação, ainda não foi instituído o Conselho Consultivo e, consequentemente, não foi elaborado o plano de manejo. Diante desse contexto envolvendo a APA do Rio Maior, desenvolveu-se estudo que tem como objetivo caracterizar os aspectos físicos, socioeconômico e socioambiental do território onde está inserida a APA. Para alcançar o objetivo proposto, utilizou-se de pesquisa documental, pesquisa bibliográfica e geoprocessamento. Como resultado do estudo, foram gerados produtos cartográficos da geologia, dos recursos minerais, da geomorfologia, da declividade, da altimetria, da pedologia, do clima, da hidrografia, da vegetação, dos aspectos históricos, da população residente nas comunidades inseridas dentro do território da APA, da estrutura fundiária, das atividades agropecuárias, das atividades comerciais, industriais e de serviços, dos aspectos relativos ao uso e cobertura da terra e os impactos socioambientais. Os mapas temáticos associativos e específicos produzidos são informações que poderão promover as análises qualitativas e quantitativas para fins de simulações e tomadas de decisão no contexto da elaboração do plano de manejo.

 

 

 

 

A B S T R A C T

In order to conserve water resources and existing vegetation in the Rio Maior river basin, the Rio Maior Environmental Preservation Area (EPA) was created through the Municipal Law no. 1,665 / 1998. However, besides its creation defined by law, it is necessary to manage it, which did not occur in the EPA of Rio Maior. Twenty years after the creation of the Advisory Council, the management plan has not yet been established. Given this context involving the EPA of Rio Maior, a study was developed that aims to characterize the physical, socioeconomic and socio-environmental aspects of the territory where the EPA is inserted. In order to reach the proposed objective, we used documentary research, bibliographical research and geoprocessing. Because of the study, cartographic products of geology, mineral resources, geomorphology, slope, altimetry, pedology, climate, hydrography, vegetation, historical aspects, and population residing in communities EPA, land structure, agricultural activities, commercial, industrial and service activities, aspects related to land use and land cover, and socio-environmental impacts. The associative and specific thematic maps produced are information that can promote the qualitative and quantitative analyzes for the purposes of simulations and decision making in the context of the elaboration of the management plan.

Key words: Conservation unit (CU). Geoprocessing. Environmental analysis.


Texto completo:

PDF

Referências


Adami, R. M.; CUNHA, Y. M. Caderno do educador ambiental das bacias dos rios Araranguá e Urussanga. Blumenau: Fundação Agência da Água do Vale do Itajaí, 2014. 137p

Back, A. J. et al. Características morfométricas da bacia hidrográfica relacionadas à erosão hídrica. In: POLETO, C. (Org.). Hidrossedimentologia. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2016, v. 1, p 10-30.

Bailly, D.; Fernandes, C. A.; Silva, V. F. B.; Kashiwaqui, E. A. L.; Damásio, J. F.; Wolf, M. J.; Rodrigues, M. C. Diagnóstico ambiental e impactos sobre a vegetação ciliar da microbacia do córrego da ponte, área de proteção ambiental do rio Iguatemi, MS. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, Maringá, v. 2, n. 5, p.1-19, ago. 2012.

Baldessar, Q. D. Imigrantes: sua história, costumes e tradições no processo de colonização no Sul do estado de Santa Catarina. 2. ed. [S. l.]: Do autor, 2005. 315 p.

Baldin, N. Tão fortes quanto à vontade: história da imigração italiana no Brasil: os vênetos em Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 1999. 279 p.

BRASIL. Justiça Federal. 1ª Vara Federal de Criciúma, SC. Processo nº 2000.72.04.002543-9. Autor: Ministério Público Federal. Réu: Nova Próspera Mineração S.A. e outros. Recuperação dos passivos ambientais decorrentes da mineração de carvão no sul do Estado de Santa Catarina. Terceiro relatório de monitoramento dos indicadores ambientais. Criciúma, set. 2009. 256 p.

Cancellier. M. C. Entrevista concedida a Thaise Sutil. Urussanga, 27 out. 2017.

Cômite da Bacia Hidrográfica do Rio Urussanga (Urussanga). Área de proteção ambiental do Rio Maior. Urussanga: Slide, 2015. 37 slides, color.

Dufloth, H. J.; Cortina, N. Veiga; M. Da Mior, L.C. (org). Estudos básicos regionais de Santa Catarina. EPAGRI, Florianópolis, Brasil,2005, 1 CD-Rom.

EMBRAPA Serviço de Produção de Informação. Sistema brasileiro de classificação de solos. 4. ed Brasília, DF: EMBRAPA, 2014. 376 p.

EMBRAPA Solos do Estado de Santa Catarina. Rio de Janeiro, 1979. 726p. (Boletim de pesquisa e desenvolvimento, 46).

Escaravaco, Arnaldo. Urussanga - As Imagens da História da Colonização à última década do século XIX. Criciúma: [s.n.], 1984. v.1.

Ferri, G. K. A colonização italiana em Urussanga, SC: a trajetória da família de Bona Sartor. Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS. Chapecó, SC, jul. 2017.

Gil, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999. 207p.

Horton, R. E. Erosional Development of Streams and their Drainage Basins; Hydrophysical Approach to Quantitative Morphology. Geological Society of America Bulletin, v. 56, n. 3, p.275–370, 1945.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro, 92p. (Manuais Técnicos em Geociências, 1), 1992.

IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1º de julho de 2017.

IBGE. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Manual Técnico de geomorfologia. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, 2009.

Klein, R. M. Mapa fitogeográfico do estado de Santa Catarina. Herbário Barbosa Rodrigues, Itajaí: UFSC, 24p, 1978.

Ladwig N. I.; Zocche, J J.; Amaro, A G.; Scussel, C. Impactos ambientais na área de proteção ambiental do Rio Maior, no município de Urussanga/SC. In: LADWIG, N, I.; SCHWALM, H. (Org.). Planejamento e gestão territorial: gestão integrada do território. Criciúma: UNESC, 2017. p.79-87.

Lavina, R. Os Xokleng de Santa Catarina: uma etnohistória e sugestões para os arqueólogos, São Leopoldo: UNISINOS, 1994.

Maack, R. Breves Notícias Sobre a Geologia dos Estados do Paraná e Santa Catarina. Brazilian Archives Of Biology And Technology, [s.l.], v2. p.169-288, dez. 2001. FapUNIFESP.

Marconi, M. de A.; Lakatos, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 297 p.

Ministério Público Federal (MPF). Procuradoria da República do Município de Criciúma. Ministério Público Federal. Recomendação nº 21 /2010. 2010. Darlan Airton Dias. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2017.

Moura, A. C. M. Geoprocessamento na Gestão e Planejamento Urbano. 3. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2014. 312p.

Nascimento, D. T.; Bursztyn, Ma. A. A. Análise de conflitos socioambientais: o caso da comunidade rural de Rio Maior, município de Urussanga, Santa Catarina. Revista Internacional Interdisciplinar Interthesis, [s.l.], v. 9, n. 2, p.1-34, 17 dez. 2012. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Neubert, E. O.; Duflot, J. H.; Batista, K. M. Evolução da estrutura fundiária e da ocupação das terras do Litoral Sul Catarinense. Revista de Ciências Humanas (Criciúma) , UNESC, Criciúma, SC, Brasil, v. 6, n.1, p. 37-48, 2000.

Orlandi Filho, V.; Krebs, A. S. J.; Giffoni, L. E. 2006. Coluna White, Serra do Rio do Rastro, SC - Seção Geológica Clássica do Continente Gonduana no Brasil. In: Winge, M.; Schobbenhaus, C.; Berbert-Born,M.; Queiroz,E.T.; Campos,D.A.; Souza,C.R.G.; Fernandes,A.C.S. (Edit.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil.

Pereira, J. R. Caracterização hidrológica como ferramenta de análise ambiental da APA do Rio Maior. 2016. 103 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2016.

Silva, L. A. P. Caracterização Mecânico do Carvão da Formação Rio Bonito, Camada Barro Branco - SC. 2011. 232 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Puc- Rio, Rio de Janeiro, 2011.

Silva, L. C. Geologia do Pré-Cambriano / Eopaleozóico de Santa Catarina. In: Textos básicos de Geologia e Recursos Minerais de Santa Catarina. Florianópolis: DNPM, Secretaria da Ciência e Tecnologia, Minas e Energia, 1987. n.1.

Silva, V. R. Aspectos da vegetação da bacia do rio Maior no município de Urussanga - SC. XVI Encontro Nacional dos Geógrafos: Crise, práxis, autonomia: espaços de resistência e de esperanças, Porto Alegre, p.1-10, jul. 2010.

Silva, V. R. Caracterização física e sócio-econômica da microbacia do rio Maior, Urussanga - SC. 1998. 103 f. Tese (Doutorado) - Curso de Curso de Mestrado em Geografia, Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.

Souza, J. J.; Bastos, M. N. A Formação Socioespacial do Estado De Santa Catarina, Brasil. Revista Geográfica de América Central, Costa Rica, v. 4, n. 2, p.1-14, ago. 2011.

Strahler, A. N. Quantitative analyses of watershed geomorphology. Transactions of American Geophysical Union, Washington, DC, v. 38, p. 913-920, 1957.

Sutil, T.; Gonçalves, F. N.; Ladwig, N. I.; De Conto, D.; Cury, M. D. Determinação de áreas prioritárias para restauração da mata ciliar na microbacia do rio Maior – Urussanga/SC. In: II Congresso de engenharia ambiental do sul do brasil, 2., 2017, Lages. Anais volume 1. Lages: Editora Udesc, 2017. v. 1, p. 50 – 60.

Tomasi, J. M. Ritornando a lleorigini: a identidade italiana em Urussanga (SC) no final do século XX e início do XXI. Florianópolis: Revista Catarinense de História, 2012.

Trein, H. A. A implicação antrópica na qualidade dos recursos hídricos subterrâneos da bacia hidrográfica do rio Urussanga - SC. 2008. 149 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-graduação em Geociências e Meio Ambiente, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2008.

Urussanga (Município). Constituição (1998). Lei nº 1.665, de 27 de novembro de 1998. Cria área de Proteção Ambiental do Rio Maior e Dá Outras Providências. 1. Ed.

Viero, A. C.; Silva, D. R. da A. Geodiversidade do estado de Santa Catarina. Porto Alegre: CPRM, 2016. 160 p.

Villela, S. M.; Mattos, A. A Hidrologia Aplicada. Mc Graw-Hi ed. São Paulo: Villela, Swami Marcondes; Mattos, Arthur, 1975. p. 245.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.4.p1583-1599

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License