AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOLO DE ÁREA DE LIXÃO DESATIVADO: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Thaís Aparecida Costa da Silva, Rogério Melloni, Eliane Guimarães Pereira Melloni, Poliana Paula Ramos, Jamil de Morais Pereira

Resumo


Os lixões são caracterizados pela simples disposição final de resíduos sólidos sobre o solo sem qualquer medida de controle ambiental, impactando negativamente o meio em função da geração de gases, chorumes e outros subprodutos da degradação do material orgânico e inorgânico. Desde 2010 o Brasil tem buscado a desativação dos lixões. No entanto, o encerramento das atividades dos lixões resulta em áreas que sofreram degradação ambiental e necessitam de recuperação.  O solo é considerado o principal desafio nos projetos de recuperação destas áreas, uma vez que seus atributos químicos, físicos e biológicos são fortemente afetados. O presente estudo teve como objetivo descrever sobre a utilização de indicadores de qualidade do solo, já estabelecida para situações agrícolas, em áreas de lixão desativado. Para tal, foi realizada uma revisão de literatura baseada em materiais científicos, legislações e documentos sobre gerenciamento dos resíduos sólidos publicadas sobre este assunto no período de 2012 a 2018. O emprego de indicadores de qualidade de solo em lixão desativado tem se tornado cada vez mais comum. No entanto, ainda são raros os estudos que combinam o emprego de indicadores físicos, químicos e biológicos na avaliação da condição ambiental destas áreas.  A avaliação de áreas de lixão desativado por meio de um conjunto de indicadores torna-se essencial no processo de estabelecimento de projetos específicos de recuperação destas áreas.


Palavras-chave


Gerenciamento de Resíduos Sólidos, Disposição Final, Saúde do solo.

Referências


Baretta, D. et al., 2008. Colêmbolos (hexapoda: collembola) como Bioindicadores de qualidade do solo em Áreas com araucaria angustifólia. Revista Brasileira de Ciência do solo 31:2693-2699.

Fundação Estadual do Meio Ambiente. Feam., 2008. Orientações técnicas para atendimento à deliberação Normativa 118/2008 do Conselho Estadual de Política. 3. ed. - Belo Horizonte: Feam. 46 p.

Rosa, A.S.; Dalmolin, R.S.D., 2009. Fauna edáfica em solo construído, campo nativo e lavoura anual. Ciência Rural 39, 913-917.

Brasil. Lei nº 12305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, altera a Lei nº 9605, de 12 de fevereiro de 1998, e dá outras providências. Lei nº 12305, de 2 de agosto de 2010a. Brasília, DF.

Pastor, J., Hernández, A.J. 2012. Heavy metals, salts and organic residues in old solid urban waste landfills and surface waters in their discharge areas: Determinants for restoring their impact. Journal of Environmental Management 95, 542-549.

Silva, J., Jucksch, I., Tavares, R. C., 2012. Invertebrados edáficos em diferentes sistemas de manejo do cafeeiro na Zona da Mata de Minas Gerais. Revista Brasileira de Agroecologia 7, 112-125.

The Word Bank., 2012. What a waste: A global review of solid waste management. 15. ed. Washington: Urban Development & Local Government Unit. 116 p.

Melloni, R., Melloni, E.G.P., Vieira, L.P., 2013. Uso da terra e a qualidade microbiana de agregados de um latossolo vermelho-amarelo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 37,.1678-1688.

Pereira, S.S., Cury, R.C. 2013. Modelos de gestão integrada dos resíduos sólidos urbanos: a importância dos catadores de materiais recicláveis no processo de gestão ambiental. In: LIRA, WS., and CÂNDIDO, G. A., orgs. Gestão sustentável dos recursos naturais: uma abordagem participativa [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2013, pp. 149-172.

Resende, L.A., 2013. et al. Fertilidade do solo em aterro controlado e sua influência na sobrevivência de espécies arbóreas em diferentes modelos de plantio. In: Jornada Científica e Tecnológica, 5. 2013. Inconfidentes. Anais... Inconfidentes: Ifsuldeminas. p 287-298.

Stefanoski, D.C. et al. Uso e manejo do solo e seus impactos sobre a qualidade física. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 17,1301–1309.

ABRELPE. Associação brasileira de empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, 2014. Panorama Nacional de Resíduos Sólidos. São Paulo: ABRELPE, 120 p.

Araújo, C.S. 2014. Qualidade do solo da camada de cobertura final em área de disposição final de resíduos no semiárido tropical. 2014. 42 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Sanitária) - Universidade Federal de Rio Grande do Norte, Natal.

Machado, L.V. et al., 2014. Fertilidade e compartimentos da matéria orgânica do solo machado sob diferentes sistemas de manejo. Coffee Science 9, 289-299.

Oliviera-Filho, L.C.I, Baretta, D., Santos, J.C.P., 2014. Influência dos processos de recuperação do solo após mineração de carvão sobre a mesofauna edáfica em Lauro Müller, Santa Catarina, Brasil. Revista Biotemas 27, 69-77.

Padovezi, A., Rodrigues, R. R., Horbach, M. A., 2014. Avifauna como possível indicador da resiliência de áreas degradadas. Science Advances 1, 11-17.

Ramalho, I. et al., 2014. Avaliação da intemperização do solo de uma área de lixão na cidade de Tucurui - Pará – Brasil. In: International Conference on Engineering and Technology Education, 13. 2014. Guimarães – Portugal. Anais… Guimarães: Intertech. p. 418-422.

ABRELPE. Associação brasileira de empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, 2015. Panorama Nacional de Resíduos Sólidos. São Paulo: ABRELPE, 92 p.

Melo Júnior, J.C.F., et al., 2015.Diversidade e estrutura comunitária da vegetação em regeneração natural em uma área de lixão desativado. Acta Biológica Catarinense 2, 32-47.

Bonini, C.S.B., Alves, M.C., Montanari, R. Lodo de esgoto e adubação mineral na recuperação de atributos químicos de solo degradado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 19, 388–393.

Brasil. 2015. Projeto de Lei n° 2.289/15. Prorroga o prazo para a disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos de que trata o art. 54 da Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. B

Melo Júnior, J.C.F., et al., 2015. Diversidade e estrutura comunitária da vegetação em regeneração natural em uma área de lixão desativado. Acta Biológica Catarinense 2, 32-47, 2015.

Mendes, I.C., Sousa, D.M.G., Reis Júnior, F.B., 2015. Bioindicadores de qualidade de solo: dos laboratórios de pesquisa para o campo. Cadernos de Ciência & Tecnologia 32, 185-203.

Resende, L.A. et al., 2015. Crescimento e sobrevivência de espécies arbóreas em diferentes modelos de plantio na recuperação de área degradada por disposição de resíduos sólidos urbanos. Revista Árvore 39, 147-157.

Rocha, J.H.T. et al., 2015. Reflorestamento e recuperação de atributos químicos e físicos do solo. Floresta e ambiente 22, 299-306.

Rosa, M.G. et al., 2015. Macrofauna edáfica e atributos físicos e químicos em sistemas de uso do solo no Planalto Catarinense. Revista Brasileira de Ciência do Sol 39,1544-1553.

Yada, M. M. et al., 2015. Atributos químicos e bioquímicos em solos degradados por mineração de estanho e em fase de recuperação em ecossistema amazônico. Revista Brasileira de Ciência do Solo 39, 714-724.

Adamcová, D. et al., 2016. Soil contamination in landfills: a case study of a landfill in Czech Republic. Solid Earth 7, 239-247.

Alves, G.O. Degradação do solo em área de disposição irregular de resíduos sólidos no semi árido tropical. 2016. 84 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Sanitária) - Universidade Federal de Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

Fidelis, R.R. et al., 2016. Indicadores biológicos de qualidade do solo em culturas intercalares ao pinhão manso. Brazilian Journal of Applied Technology for Agricultural Science, 9, 87-95.

Lisboa, F.M. et al., 2016. Indicadores de qualidade de Latossolo relacionados à degradação de pastagens. Pesquisa agropecuária brasileiro 9, p.1184-1193.

Oliveira, B.O.S. et al., 2016. Avaliação dos solos e das águas nas áreas de influência de disposição de resíduos sólidos urbanos de Humaitá, Amazonas. Engenharia Sanitária e Ambiental 21, 593-601.

Stumpf, L. et al., 2016. Recuperação de solos degradados por mineração de carvão: indicadores de qualidade e espécies vegetais. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 11: 210-217.

ABRELPE. Associação brasileira de empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, 2015. Panorama Nacional de Resíduos Sólidos. São Paulo: ABRELPE, 81 p.

BIANCHI, M.O et al., 2017. Macrofauna Edáfica como Indicadora em Revegetação com Leguminosas Arbóreas. Floresta e Ambiente 8,1-8.

Costa, B.M.B. et al. 2017. Analise e caracterização química do solo em locais de acomodação de resíduos hospitalares no município de Cuité-PB. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 6, 83 – 100.

Freitas, L. et al., 2017. Indicadores da qualidade química e física do solo sob diferentes sistemas de manejo. Unimar Ciências 26,08-25.

Martins, L. F. et al., 2017. Composição da macrofauna do solo sob diferentes usos da terra (cana-de-açúcar, eucalipto e mata nativa) em Jacutinga (MG). Revista agrogeoambiental 9, 11-23.

Lima, K.R. et al., 2017. Soil fauna as bioindicator of recovery of degraded areas in the caatinga biome. Revista Caatinga 30, 401 – 411.

NASCIMENTO, D.S. Qualidade ambiental do solo no lixão desativado de Cidade Nova, Natal-RN. 2017. 21 f. TCC (Graduação em Engenharia Ambiental) – Curso de Engenharia Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.

Côrrea, J.V., Almeida, L.C.O., Ribeiro, F.R. 2018. Avaliação de impacto ambiental do lixão de Leopoldina – MG. In: CIDADE BEM TRATADA: Resíduos Sólidos, Água e Energias Renováveis, 1. Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Unisinos. p.1-11.

Rezende, D.A. 2018. Qualidade do solo em local de disposição inadequada de resíduos sólidos em um município de pequeno porte. 2018. 82 f. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Qualidade Ambiental) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Melloni, R. et al. 2018. Sistemas agroflorestais cafeeiro-araucária e seu efeito na microbiota do solo e seus processos. Ciência Florestal 28, 784-795.

Rodrigues, C.R., Menti, M.M., 2018. Revisão das políticas públicas de gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos no Município de Porto Alegre. Revista Direito Ambiental e sociedade, 8,42-64.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Brasileira de Geografia Física - eISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License